Posts Tagged ‘show’

Rosa Secular, pediram bis

5 janeiro 2012

Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho reapresentam espetáculo em que prestam tributo a grandes nomes da música brasileira

 

Tudo começou em um lance do acaso: era um sábado a data em que Noel Rosa, o poeta da Vila, completaria 100 anos, se vivo fosse, em 11  de dezembro de 2010. Artista fundamental ainda hoje, passados quase 75 de sua morte, e de inegável influência sobre as obras de Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, o autor de Último desejo recebeu um belíssimo tributo na ocasião, sucesso de público e crítica.

A lotação do Daquele Jeito esgotou-se e houve quem voltasse da porta. O jeito foi repetir o show no janeiro seguinte, mantendo a mesma escalação, que “em time que está ganhando não se mexe”: os três mais Cesar Teixeira, além das participações especiais de Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro. Não deu outra: o sucesso repetiu-se.

Em dezembro passado, somaram a Noel Rosa homenagens a gigantes da canção brasileira: além dele, Assis Valente, Ataulfo Alves, Cartola, Mário Lago e Nelson Cavaquinho, todos já com 100 ou mais anos completos, vivos na memória de apreciadores de boa música. E também a saudosos maranhenses, “eternos”, como preferem os anfitriões: Antonio Vieira, Cristóvão Alô Brasil, Dilu Mello, João Carlos Nazaré e Lopes Bogéa.

“Este bis é nossa forma também de comemorar o Prêmio Universidade FM com que fomos agraciados em dezembro passado. Esta honraria não é só nossa, dos artistas que subimos ao palco, mas de todos os envolvidos, músicos, produtores, uma equipe grande, cada apoiador e principalmente do público que tem nos prestigiado e aos grandes mestres a que homenageamos”, afirma Joãozinho Ribeiro.

Em relação ao show de dezembro passado, pequenas modificações. “Muita gente que foi em dezembro, vai novamente. Por isso a gente mexe um pouco no repertório, para que as pessoas não saíam de casa para ver e ouvir mera reprise”, afirma Josias Sobrinho, autor de Terra de Noel, música em que explicita a influência do autor de Feitiço da Vila.

“Além de todos os homenageados, também cantaremos músicas nossas”, antecipa Chico Saldanha, que interpreta, além de uma música autoral, canções de Assis Valente, Cristóvão Alô Brasil e Noel Rosa durante o show.

Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho e seus convidados – Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro – serão acompanhados por um Regional formado por Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), Fleming (bateria), João Neto (flauta), João Soeiro (violão), Juca do Cavaco (cavaquinho), Mauro Travincas (contrabaixo), Osmar do Trombone (trombone) e Vandico (percussão). A noite será encerrada com um baile de gafieira. “Antecipando o carnaval”, como cantaria Jorge Ben.

O show Rosa Secular, pediram bis acontece dia 14 de janeiro (sábado), às 22h, no Bar Daquele Jeito (Vinhais). Os ingressos custam R$ 20,00 (R$ 10,00 para estudantes com carteira).

Rosa Secular II

1 dezembro 2011

Outros 400 encerra temporada em grande estilo

17 novembro 2011

Joãozinho Ribeiro encerra temporada anunciando novidades para o fim do ano e para 2012

Após oito apresentações, nesta sexta-feira (18), o palco do Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande) recebe a última edição da temporada 2011 de São Luís – Outros 400, show apresentado pelo compositor Joãozinho Ribeiro acompanhado do Regional 400, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Fleming (bateria), Mauro Travincas (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete). No hall do Novo Armazém, exposição do artista plástico Marconi Lima.

Por ocasião do encerramento, Joãozinho Ribeiro terá como convidados o cantor Chico Nô e as cantoras Bruna Serra e Sheila Castro. Para quem procura diversão, a festa promete ir até tarde. “Realizamos oito apresentações às quintas-feiras, desde julho. Desta  vez mudamos para a sexta, que é um dia que pede uma esticada, após a semana cansativa de trabalho”, convida o anfitrião.

A “esticada” a que ele se refere está garantida: além das atrações já anunciadas, os grupos instrumentais SL Tubones e o Trio Bumba Jazz, formado por Luiz Jr. (violão sete cordas), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho) e Rui Mário (sanfona), além dos cantores Léo Capiba e Léo Spirro animarão um grande baile de gafieira, acompanhados do Regional Sururu no Galinheiro – o Regional 400 acrescido de um naipe de sopros e de Juca do Cavaco, empunhando o instrumento que lhe dá nome artístico.

Joãozinho Ribeiro promete para 2012 a gravação de seu primeiro disco, após tanto ter sido gravado pelos mais diversos intérpretes do Maranhão. “A ideia da temporada Outros 400 era me desenferrujar, retomar contato com o público. Agradeço ao amigo e parceiro Zeca Baleiro pela dica, foi uma experiência incrível. Ano que vem devemos voltar ao palco e no segundo semestre lançar um cd recheado de participações superespeciais”, promete.

Ainda em 2011, encerrando seu ano musical, Joãozinho Ribeiro ainda volta ao palco. Dia 10 de dezembro, aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, ele divide com Chico Saldanha e Josias Sobrinho o show Rosas seculares, em que repetirão o feito de ano passado, quando, com Cesar Teixeira, homenagearam o compositor Noel Rosa por seu centenário de nascimento. Para este ano surpresas: “Homenagearemos Noel e outros compositores seculares, como Assis Valente, Cartola, Mário Lago e Nelson Cavaquinho, além de importantes nomes da música do Maranhão, que infelizmente não chegaram aos 100 anos: Antonio Vieira, Cristóvão Alô Brasil e Lopes Bogéa”, anuncia.

Serviço

O quê: encerramento da temporada São Luís – Outros 400.
Quem: O compositor Joãozinho Ribeiro, acompanhado do Regional 400, com participações especiais de Bruna Serra, Chico Nô e Sheila Castro, além dos grupos instrumentais SL Tubones e Trio Bumba Jazz. Grande Baile de Gafieira com Léo Capiba, Léo Spirro e Regional Sururu no Galinheiro. Exposição do artista plástico Marconi Lima.
Quando: dia 18 (sexta-feira), às 21h.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande).
Quanto: R$ 10,00.

Nosly lança Parador com show no TAA

25 outubro 2011

 
Parador, terceiro disco do cantor, compositor e violonista maranhense Nosly e o primeiro com foco mais direto no público brasileiro tem finalmente seu show de lançamento em São Luís. O músico se apresenta neste sábado (29), no Teatro Arthur Azevedo, acompanhado de Victor Bertrami na bateria, Ney Conceição no baixo e Kiko Continentino no piano. A formação enxuta ganha o reforço extra do guitarrista Toninho Horta.

Parador é um namoro escancarado com o pop. Tudo nele, da embalagem aos arranjos é um afago aos ouvidos volúveis destes tempos rápidos e rasteiros. Só que Nosly, cidadão do mundo da música, acumulou bagagem pesada nas tantas horas de voo de sua considerável trajetória internacional, e não foi fácil reduzi-la ao essencial. O resultado traz ganhos evidentes para o universo pop.

O caso de Nosly é singular, apesar dos muitos pontos de convergência com tantos nomes surgidos ou de carreiras consolidadas na última década, que vitaminaram a canção brasileira com fartas doses de lirismo e poesia, a exemplo do parceiro de início de jornada, Zeca Baleiro, mas também Chico César, Otto, Lenine, Rita Ribeiro, Vander Lee  e tantos outros.

Violonista de amplos recursos e melodista idem, Nosly viu seu caminho pender naturalmente para o lado instrumental, e só aos poucos foi se revelando intérprete de igual solidez. Em Parador, ele encontrou seu ponto de fusão. O disco transborda esse contentamento, de quem trabalhou duro para sentir-se à vontade em um ambiente relativamente novo.

A canção que dá nome ao disco, composta com Gerude e Luís Lobo, é exemplar nesse sentido. Estilosa e grudenta no melhor sentido, traz uma alegria contida em seus acordes menores, mas exaltada na linha vertiginosa do baixo fankeado, de resultado irresistível. Graças a esses atributos, a canção começa a despontar como hit nos dials locais.

Uma lista de preferências poderia prosseguir em ordem aleatória com Aquela Estrela. A canção que abre o CD pode até agradar geral, mas pode ser melhor apreciada por quem estava saindo da adolescência nos anos 80 em São Luís, tempos de desafogo, em que a música local também queria novos cheiros e cores. Nosly viveu esse momento, e a releitura tem sabor de tributo merecido.

Impossível não destacar Oh baby perdoe, historinha romântico-proletária capaz de derreter corações radiofônicos com sua orquestração acústica e teclado baladeiro, bem como Versos perdidos, regravação de sua parceria com Baleiro e Fausto Nilo, sucesso de Baladas do Asfalto. Nosly sai dignamente da inevitável comparação.

O contrabaixo do rastaman maranhense Gérson da Conceição por si só justificaria a presença da versão do sucesso do Toto, I’ll be over you, no disco, mas o fato é que a versão ficou bem bacana e pra cima.

Importante destacar, por se tratar de um artista à primeira vista mais associado à construção melódica, a preocupação de Nosly – e não somente neste disco – em privilegiar o texto, procurando a companhia de artífices da palavra (cantada ou não) e poetas da canção. Em Parador, a lista é longa: Zeca Baleiro, Fausto Nilo, Chico César, Fernando Abreu, Sérgio Natureza e Olga Savary.

Apesar de Doer, parceria com Vanessa Baumagny, e Aldeia, que Nosly divide com o poeta Celso Borges e que ganha o reforço de Zeca Baleiro na gravação são os dois momentos mais sublimes do disco. Sublimidade que às vezes só a melancolia pode atingir e que reforça um possível conceito a respeito deste disco: pop sim, descartável jamais.

Serviço

O quê: Parador – show delançamento do CD
Quando: 29 de outubro (quinta-feira)
Onde: TAA
Horário: 21h
Valor do Ingresso: R$ 30,00

24 outubro 2011

Caso não consiga visualizar a imagem abaixo, clique aqui.

Saiba, rapaz, das coisas que acredito

17 outubro 2011

Anna Cláudia, Beto Scansette e Josias Sobrinho são os convidados de Joãozinho Ribeiro em mais um show da temporada São Luís – Outros 400.

Acompanhado do Regional 400, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Fleming (bateria), Jeff Soares (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete), Joãozinho Ribeiro (foto) volta ao palco do Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande), para mais uma apresentação da temporada de São Luís – Outros 400, show que vem apresentando, sempre com convidados diferentes a cada edição, quinzenalmente desde julho passado.

Nesta quinta-feira (20), às 21h, Joãozinho Ribeiro terá como convidados a cantora Anna Cláudia, o compositor Josias Sobrinho e o poeta Beto Scansette.

O terceiro é responsável pelo primeiro momento da noite: a partir das 21h, no Armazém, antes da música entrar em cena, é a poesia quem domina o palco.

Em seguida, é a vez do encontro de velhos parceiros. Anna Cláudia, paraense radicada em São Luís, em seu até aqui único disco gravado, registrou Coisas que acredito, música cara a seu autor, o compositor Joãozinho Ribeiro. “É uma música sobre nosso direito de lutar pelas coisas e causas em que acreditamos”, diz, sobre a obra, mais atual que nunca.

Josias Sobrinho também já gravou Joãozinho Ribeiro: o choro Saiba, rapaz, no disco Nosso neném. “Para mim é uma honra, pois Josias também é compositor, de muita qualidade, e em geral só grava repertório autoral. Saiba, rapaz foi uma exceção em sua carreira”, conta o autor.

Anna Cláudia e Josias Sobrinho são dois nomes confirmados entre as participações especiais que constarão da estreia em disco de Joãozinho Ribeiro, cujo lançamento está previsto para 2012, ano em que ele deve entrar em estúdio para realizar seu primeiro registro fonográfico.

Para Joãozinho Ribeiro, “a temporada Outros 400 é uma forma de a gente desenferrujar, de tirar a poeira do baú, de testar repertório. É um pedaço importante de um projeto maior”, anuncia.

Serviço

O quê: São Luís – Outros 400.
Quem: Joãozinho Ribeiro e Regional 400. Participações especiais da cantora Anna Cláudia, do poeta Beto Scansette e do compositor Josias Sobrinho.
Quando: dia 20 (quinta-feira), às 21h.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande).
Quanto: R$ 10,00.

Outros 400: qual será sua programação nesta quinta-feira?

16 outubro 2011

OUTROS 400 – Na sétima edição da temporada, o compositor Joãozinho Ribeiro terá como convidados Anna Cláudia, Josias Sobrinho e o poeta Beto Scansette. O Regional 400, que os acompanhará, é formado por Arlindo Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical) Fleming (bateria), Mauro Travincas (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete). Ingressos: R$ 10,00. No Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande). Dia 20 (quinta-feira), às 21h.

Outros 400 homenageará Cartola

30 setembro 2011

Léo Spirro lança cd com repertório dedicado ao mestre de Mangueira em show. Outros convidados são a cantora Milla Camões e o poeta Herberth de Jesus Santos, que autografará seis livros de sua autoria

Clique para ampliar

O Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande) será palco de mais um show da temporada Outros 400, capitaneada pelo compositor Joãozinho Ribeiro, que se apresenta acompanhado do Regional 400, formado pelos músicos Arlindo Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Fleming (bateria), Jeff Soares (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete).

Na sexta edição da série, Joãozinho Ribeiro terá como convidados especiais os cantores Léo Spirro e Milla Camões. Participa ainda da noite o jornalista e poeta Herberth de Jesus Santos, que lançará alguns títulos de sua autoria, entre poesia e prosa.

Betinho – como o autor é conhecido entre os amigos – autografará aos interessados seis títulos de sua lavra: Antes que Derramem a Lua Cheia (crônicas), São Luís em PreAmar: Ainda Assim, há um Azul! (poesia), Peru na Missa do Galo (contos de Natal), A Segunda Chance de Eurides (novela), Serventia e os Outros da Patota (contos) e Ofício de São Luís: Bernardo Coelho de Almeida (Coração em Verso e Prosa).

Milla Camões, que prepara disco de estreia com direção musical de Celson Mendes, o “maestro” de Outros 400, participará com repertório que inclui samba, choro, jazz e bossa nova.

Cartola – A noite reverenciará o gênio de Mangueira, Angenor de Oliveira, o Cartola. O sambista será lembrado por ocasião do lançamento do disco de estreia de Léo Spirro: A canção de Cartola na voz de Léo Spirro, que tem direção musical de Arlindo Pipiu.

O cantor setentão será acompanhado pelo Regional Passeio Serenata: Arlindo Pipiu (violão sete cordas e direção musical), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho), Chico Chinês (tantã) e Zé Carlos (pandeiro). No repertório, clássicos de Cartola, entre outros Alvorada, Cordas de aço, As rosas não falam e Autonomia, entre outros.

Com o passeio de tantos talentos, esta edição de Outros 400 certamente vai se transformar em uma grande jam – para ninguém botar defeito.

Serviço

O quê: Outros 400 – 6ª. edição.
Quem: o compositor Joãozinho Ribeiro, Regional 400 e convidados: o poeta e jornalista Herberth de Jesus Santos, os cantores Milla Camões e Léo Spirro e o Regional Passeio Serenata.
Quando: quinta-feira (6/10), às 21h.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande).
Quanto: R$ 10,00.

Música e poesia em Outros 400

17 setembro 2011

Pocket show A palavra voando, de Celso Borges e Beto Ehongue, integra o programa da quinta edição da temporada musical de Joãozinho Ribeiro. Compositor terá como convidados Chico Saldanha e Lenita Pinheiro, além da participação do Tambor Show da Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt

“O nosso amor/ virou pedaço de linha puída/ meu peito é frágil carvão de varinha/ no fundo de um cofo querendo quebrar”. Versos de um clássico da música popular produzida no Maranhão, Linha puída, de Chico Saldanha, música que certamente será lembrada na quinta edição de Outros 400 em que o compositor reencontra, no palco, Lenita Pinheiro, cantora com quem divide a regravação desta música em seu mais recente disco, Emaranhado (2007).

Chico Saldanha e Lenita Pinheiro são os convidados de Joãozinho Ribeiro, que retorna aos palcos, após breve interrupção na temporada. Eles serão acompanhados pelo Regional 400, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Fleming (bateria), Mauro Travincas (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete).

A noite contará com a abertura do Tambor Show da Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt, garantindo animada recepção aos presentes.

A palavra voando – Outro destaque da noite é o pocket show A palavra voando, em que o poeta Celso Borges e o dj Beto Ehongue dissecam letras do cancioneiro popular brasileiro, transformando-os em poemas, ditos pelo primeiro sobre trilhas criadas pelo segundo. O show já foi apresentado nos Centros Culturais Banco do Nordeste, em Fortaleza, Juazeiro (CE) e Sousa (PB), e no Cine Ímpar (em São Luís).

 

Serviço

O quê: Outros 400.
Quem: Joãozinho Ribeiro. Participações especiais: Chico Saldanha e Lenita Pinheiro. Abertura: Tambor Show da Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt e pocket show A palavra voando, com Celso Borges e Beto Ehongue.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande).
Quando: dia 22 (quinta-feira), às 21h.
Quanto: R$ 10,00.

23 agosto 2011

Caso não consiga visualizar a imagem abaixo, clique aqui.

Detalhes aqui.

Outros 400: música, cinema, brindes e mais

23 agosto 2011

Gildomar Marinho e Rosa Reis são os convidados especiais da quarta edição de Outros 400.

Em mais uma edição da temporada Outros 400 o compositor Joãozinho Ribeiro terá como convidados a cantora Rosa Reis e o compositor e violonista Gildomar Marinho. Ela, uma das artistas que mais tem gravado Joãozinho desde sempre, a exemplo de músicas como Estrela e Flores, que certamente integrarão o repertório da noite; ele, com dois discos recém-lançados – Olho de Boi (2009) e Pedra de Cantaria (2010) – e mais de 20 anos de dedicação à música virá de Fortaleza/CE, onde reside, especialmente para participar da série.

Joãozinho Ribeiro e seus convidados serão acompanhados pelo Regional 400, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Fleming (bateria), Mauro Travincas (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete). A noite contará ainda com o Tambor Show da Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt e com exibição de curtas-metragens.

Ao longo dos shows de Outros 400 – este é o quarto que será apresentado – Joãozinho Ribeiro tem ido além da faceta de sambista e chorão com que ficou conhecido no meio artístico. Seu repertório tem incluído reggae, blues, toadas e marchinhas, entre outros gêneros, além de samba e choro.

“Muita gente pensa que eu sou compositor de samba e choro, apenas, por conta de projetos como o Samba da Minha Terra e a homenagem a Noel Rosa que fizemos no fim do ano passado e começo deste, ao lado de Chico Saldanha, Cesar Teixeira e Josias Sobrinho. Muita gente nem sabe que eu sou compositor, uns me vendo como funcionário público, outros como professor universitário, outros ainda como gestor público. Essa temporada tem sido uma oportunidade de reencontrar e encontrar este público, de me mostrar musicalmente por inteiro, sempre dialogando com parceiros e provocando o diálogo da música com outras linguagens”, explica Joãozinho Ribeiro.

“Joãozinho Ribeiro é, sem dúvidas, um dos nomes mais importantes da cena cultural do Maranhão, pelo que faz enquanto artista, gestor, militante e cidadão ou tudo isso ao mesmo tempo. É um cara que agrega. Para mim é um prazer enorme ser um desses outros 400, desses milhões de uns que têm colaborado para o sucesso de mais essa empreitada coletiva capitaneada por esta valorosa figura”, afirma Gildomar Marinho, evocando um dos clássicos do repertório do anfitrião.

Outros 400 acontece quinzenalmente às quintas-feiras no Novo Armazém (Rua da Estrela, Praia Grande). Nesta quinta-feira (25), a partir das 21h: os cinco primeiros pagantes levam um chopp gratuito, cortesia da casa. Haverá sorteio de camisas, CDs dos artistas convidados e livros de autores maranhenses para os presentes. Os ingressos custam apenas R$ 10,00.

Outros 400: um grande encontro

7 agosto 2011

Joãozinho Ribeiro recebe parceiro e intérprete em mais uma edição da série

Quase um repeteco do Baile do Parangolé, a lendária festa que celebrou os 32 anos da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), em fevereiro passado. Apenas duas diferenças: a ausência da cantora Rosa Reis, que participará de outra edição da série, e o repertório, que não será exclusivamente carnavalesco.

“Mas é claro que traremos alguma coisa de carnaval, além da alegria que a gente tem em realizar este encontro”. É o que diz o compositor Joãozinho Ribeiro (foto), às vésperas de subir ao palco para mais um show da temporada Outros 400, que vem realizando quinzenalmente às quintas-feiras no Novo Armazém (Rua da Estrela, Praia Grande), sempre a partir das 21h.

É que neste terceiro espetáculo, os convidados do autor de Erva Santa serão o compositor Cesar Teixeira e a cantora Lena Machado. Ele, seu parceiro, entre outras, em Samba do Capiroto, música bem humorada que cantaram juntos em Bandeira de Aço, show recentemente apresentado pelo primeiro, sucesso de público e crítica; ela, intérprete de ambos, já tendo gravado músicas como Oração Latina, Flanelinha de Avião e Botequim, de Teixeira, e Milhões de Uns e Tempo Mau, de Ribeiro, em seus dois discos, Canção de Vida (2006) e Samba de Minha Aldeia (2010).

Joãozinho Ribeiro e seus convidados serão acompanhados pelo Regional 400: Arlindo Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Fleming (bateria), Jeff Soares (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete).

Serviço

O quê: Outros 400.
Quem: Joãozinho Ribeiro e Regional Outros 400. Participações especiais: Cesar Teixeira e Lena Machado.
Quando: dia 11 de agosto (quinta-feira), às 21h.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, Praia Grande).
Quanto: R$ 20,00 (R$ 10,00 para estudantes com carteira).

Série “Outros 400” continua nesta quinta (28)

26 julho 2011

Temporada de Joãozinho Ribeiro e convidados continua, no Novo Armazém (Praia Grande).

 

Lançada há duas semanas, a série Outros 400 teve um show inaugural de sucesso: aliás, vários shows, dentro de um mesmo show. Joãozinho Ribeiro (foto) e o Regional 400 receberam 10 convidados especiais durante a primeira noite de apresentações do poeta e compositor – acontecerão até novembro, quinzenalmente às quintas-feiras, no Novo Armazém (Rua da Estrela, Praia Grande), sempre às 21h.

Nesta quinta, 28, Joãozinho Ribeiro volta ao palco, acompanhado do Regional 400, formado por Antonio Paiva (contrabaixo), Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Fleming (bateria) e Miranda Neto (trompete).

O autor de Paisagem feita de tempo terá como convidados especiais Adler São Luís, Célia Maria e João Madson, numa noite que irá do choro ao baião, do reggae ao xote, do samba ao Merengue, este, aliás, título de uma das mais conhecidas músicas do primeiro, seu primo, já gravado pela potiguar Terezinha de Jesus (Couraça), cantora que vem sendo redescoberta, ainda que tardiamente, como rezam as palavras de ordem de outra bandeira.

Célia Maria imortalizou o choro Milhões de uns, que deu a Joãozinho Ribeiro o troféu de melhor compositor maranhense em um Prêmio Universidade FM do início do século – a mais importante premiação da música produzida no Maranhão.

A exemplo da diva, João Madson participou da edição de estreia de Outros 400. Uma de suas interpretações, o xote Kid Jabotão, de sua autoria, que conta a história de um jabuti que come umas pílulas de Viagra e vira… Kid Jabotão, foi um dos grandes momentos – bem humorados – da noite.

Instrumental – Outra atração extra para a segunda noite de Outros 400 é a participação da dupla Hugo Barbosa (trompete) e Nelma Carafunim (saxofone): eles apresentarão, no início do espetáculo, um repertório instrumental de choro. Detalhe: os tarimbados músicos são sobrinhos de Joãozinho Ribeiro.

Ambos participaram do circuito musical Samba da minha terra, com que Joãozinho Ribeiro percorreu 18 bairros de São Luís apresentando sambas e choros autorais, com a participação de inúmeras personalidades da música popular produzida no Maranhão. “Se à época, começando, eles já tocavam muito, imagine agora!”, provoca o tio, que com eles dividiu o palco em fevereiro passado, no Baile do Parangolé, em comemoração aos 32 anos da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos.

“As participações de Madson e Adler também me deixam muito contente. É uma feliz coincidência as estadas deles, que moram em São Paulo, pela Ilha quando do início desta empreitada cultural”, continua Joãozinho Ribeiro. “Vamos fazer mais uma grande festa e ainda muitas outras”, finaliza.

Serviço

O quê: Outros 400.
Quem: Joãozinho Ribeiro. Participações especiais de Adler São Luís, Célia Maria, Hugo Barbosa, João Madson e Nelma Carafunim.
Quando: quinta-feira (28), às 21h.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, Praia Grande).
Quanto: R$ 20,00 (R$ 10,00 para estudantes com carteira).
Maiores informações: facebook.com/outrosquatrocentos, outros400@hotmail.com

2º. Baile do Parangolé celebrará 32 anos da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos

1 fevereiro 2011

Festa de aniversário terá shows de Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro, Lena Machado e Rosa Reis, no Circo da Cidade

Arte: Bruno Galvão

Fundada em 12 de fevereiro de 1979, no bojo das lutas pela anistia, a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), celebra seus 32 anos de luta pela defesa, proteção e promoção dos direitos humanos com um grande baile carnavalesco.

Para Joãozinho Ribeiro, sócio da entidade e um dos artistas a se apresentar no 2º. Baile do Parangolé, direitos humanos e cultura caminham juntos: “A cultura precisa ser entendida, para além da dimensão das festividades, como um direito. Temos avançado nesta questão no Brasil. Cultura é um direito humano, os direitos culturais  têm sido cada vez mais alvo de discussões. A SMDH tem uma história importantíssima na luta pelos direitos humanos no Maranhão e isso precisamos festejar”, comentou.

Além de Joãozinho Ribeiro, o Baile do Parangolé terá shows de Cesar Teixeira, também sócio da SMDH e autor da música que dá nome à festa, Lena Machado e Rosa Reis, que serão acompanhados da Banda do Parangolé: Arlindo Carvalho (percussão), Fleming (bateria), Hugo Barbosa (trompete), João Soeiro (violão), Juca do Cavaco, Mauro Travincas (contrabaixo), Nelma Carafunim (saxofone) e Osmar do Trombone.

Serviço – O Baile do Parangolé acontece dia 12 de fevereiro (sábado), a partir das 21h30min, no Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande). As camisas-ingressos estão à venda nas sedes da SMDH (Av. Castelo Branco, 697, Altos, São Francisco) e União por Moradia Popular (Rua dos Afogados, 674, Centro) e na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande). Maiores informações: (98) 3231-1601, 3231-1897, 8888-3722, smdh@terra.com.br, twitter.com/smdhvida

“Na Estrada com Carlinhos Veloz” levará música do Maranhão a 20 cidades do Nordeste

20 janeiro 2011

Show conta com participações especiais de Gildomar Marinho e Carlinhos Veloz e oferece ainda oficina-palestra sobre a música do Maranhão para alunos da rede pública de ensino. Os espetáculos têm entrada franca

Reprodução DVD Espelho d’Água

Levar a música do Maranhão ao conhecimento de parte do Nordeste. Este é um dos objetivos do projeto Na Estrada com Carlinhos Veloz, que estreou na capital maranhense no último domingo (16), com patrocínio da Petrobras, através da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura.

A turnê do músico pernambucano de nascimento e maranhense de adoção percorrerá 20 cidades, entre capitais e interiores, nos nove estados da região. Carlinhos Veloz contará com as participações especiais dos artistas Gildomar Marinho e Wilson Zara. Além de cantar na abertura dos shows, eles são responsáveis por uma oficina-palestra sobre a música e a cultura populares do Maranhão e pela técnica de som, respectivamente.

A on the road band de Carlinhos Veloz é formada pelos músicos Carlos Raqueth (contrabaixo), George Gomes (bateria), Jesiel Bives (teclado) e Marcos Lussaray (guitarra), contando com a participação especial de Jeff Soares (contrabaixo e violoncelo), também assistente de som.

A agenda completa das apresentações pode ser conferida no blogue de Carlinhos Veloz

Os artistas

A cidade de Imperatriz, no Maranhão, não foi incluída na rota de Na Estrada com Carlinhos Veloz. Mas ela guarda uma feliz coincidência na carreira dos três: foi ali, às margens do Rio Tocantins, que os três artistas se “formaram” musicalmente.

Carlinhos Veloz, nascido em Pernambuco, mudou-se cedo para lá com a família. Gildomar Marinho, de Santa Inês, e Wilson Zara, de Barra do Corda, ambas no interior do Maranhão, também desembarcaram em Imperatriz. Ali se conheceram e fizeram música. Os dois primeiros, inclusive, têm composições que são homenagens explícitas à cidade e ao rio que a banha: em seus primeiros discos, Carlinhos Veloz gravou Imperador Tocantins, de sua autoria; mais ou menos duas décadas depois, também em seu disco de estreia, Gildomar Marinho lançou a inspirada Tocantins, de sua autoria.

Wilson Zara abandonou uma “promissora” carreira de bancário para dedicar-se integralmente à música: com o dinheiro da indenização comprou uma aparelhagem de som e ganhou a noite, mudando-se em seguida para São Luís. Gildomar Marinho, bancário de profissão, leva em paralelo os dois ofícios e lançou ano passado o segundo disco, Pedra de Cantaria.

Carlinhos Veloz tem quatro discos lançados: Ilha Bela, Vê Luz, Vibratons e Baião de 2 (em dupla com César Nascimento) e o dvd Espelho d’Água, gravado ao vivo no Teatro Arthur Azevedo.

Na Estrada, o roteiro

16, São Luís/MA: Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, 20h

17, Santa Inês/MA: Auditório do Centro de Ensino José Sarney, 20h

18, Caxias/MA: Centro da Juventude Volta Redonda, 10h

18, Teresina/PI: Auditório da Secretaria Municipal de Educação, 20h

19, Floriano/PI: Espaço Cultural Maria Bonita (Cais da Beira-Rio), 10h

19, Picos/PI: Secretaria Municipal de Cultura, 20h

20, Petrolina/PE: Auditório da Biblioteca da UNIVASF, 20h

21, Salvador/BA: Teatro da Livraria Cultura, 19h

22, Aracaju/SE: Teatro do Centro de Criatividade, 20h

24, Maceió/AL: a confirmar

25, Garanhuns/PE: Centro Cultural Alfredo Leite, 20h

26, Caruaru/PE: Teatro João Lira, 20h

27, Recife/PE: Paço Alfândega, 20h

28, João Pessoa/PB: a confirmar

29, Campina Grande/PB: a confirmar

31, Natal/RN: Teatro de Cultura Popular Manoel Marinheiro, 20h

1º./2, Mossoró/RN: a confirmar

2/2, Fortaleza/CE: a confirmar

3/2, Juazeiro do Norte/CE: a confirmar

4/2, Crato/CE: a confirmar

Bis de “Noel, Rosa secular” acontece sábado

5 janeiro 2011

Tributo ao compositor carioca terá reapresentação a pedidos e será encerrado com baile pré-carnavalesco.

Os quatro senhores em ação em "Noel, Rosa secular". Foto: Pedro Araújo

A coincidência de outros shows em São Luís neste sábado (8) não diminuiu o ritmo e a animação dos envolvidos na produção do bis de Noel, Rosa secular, tributo ao compositor Noel Rosa que será reapresentado por Joãozinho Ribeiro, Chico Saldanha, Cesar Teixeira e Josias Sobrinho (vistos nessa ordem, da esquerda para a direita, na foto acima), no Bar Daquele Jeito (Vinhais), às 22h.

“São Luís cresceu e certamente há público para todos”, aposta o compositor Joãozinho Ribeiro, um dos quatro bambas de inegável influência noelesca que receberão como convidados Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro. O acompanhamento fica a cargo do Regional Feitiço da Ilha: Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), João Soeiro (violão), Juca do Cavaco (cavaquinho) e Vandico (percussão).

A Companhia de Teatro Beto Bittencourt ilustrará com suas “dancenações” passagens da vida de Noel Rosa e da paisagem boêmia carioca da época de clássicos como Com que roupa?, X do problema, Último desejo, Feitiço da Vila, Feitio de oração e Rapaz folgado, entre inúmeros outros.

Novidades – O repertório do show sofrerá pequenas modificações e cresce. “Muita gente que viu o primeiro show certamente irá vê-lo novamente e seria uma injustiça, tanto com estes quanto com o vastíssimo repertório de Noel, simplesmente repetir o programa”, explicou Joãozinho.

Outra mudança é o repertório dos convidados especiais: além das músicas cantadas na primeira edição de Noel, Rosa secular, cada um/a cantará outra pérola-surpresa da lavra do Poeta da Vila. Fechando a noite, um grande baile pré-carnavalesco: ao Regional Feitiço da Ilha somam-se os músicos Osmar do Trombone e Osmarzinho (saxofone), pai e filho, para conduzir um repertório regado a samba, frevo, muita marchinha e o que mais lembrar o espírito (santo ou não) do Carnaval.

Ingressos – Os ingressos para Noel, Rosa secular já estão à venda na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande) e custam apenas R$ 20,00. Para comprar meia-entrada (R$ 10,00) estudantes devem apresentar carteira no ato da compra e na entrada do espetáculo.

Serviço – Show Noel, Rosa secular e baile pré-carnavalesco. Com Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro, Josias Sobrinho e Regional Feitiço da Ilha. Participações especiais de Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro. Dia 8 de janeiro (sábado), às 22h, no Bar Daquele Jeito (Vinhais).

A pedidos: “Noel, Rosa secular”, o bis.

28 dezembro 2010

Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro, Josias Sobrinho e convidados reapresentam elogiado tributo ao compositor Noel Rosa

Noel Rosa morreu no auge da fama e sucesso aos quase 27 anos de idade, em 1937. Por menos de vinte anos, ficou no esquecimento, até ser retirado deste limbo por Aracy de Almeida, sua maior intérprete, depois dele mesmo. Até hoje o Poeta da Vila é influência definitiva para qualquer um que ouse fazer música no Brasil desde então.

No ano de seu centenário, 2010, o Brasil não economizou em homenagens ao mais ilustre filho da Vila Isabel carioca: seminários, palestras e publicações discutiram sua obra, reavivando-a. Inúmeros shows relembraram suas inúmeras e geniais criações, incluindo o Maranhão.

Na noite de 11 de dezembro de 2010, um sábado, o Daquele Jeito foi palco do show-tributo Noel, Rosa secular, protagonizado pelos compositores Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, que mostraram suas facetas de intérprete, com repertório exclusivamente da lavra de Noel Rosa. Destaques também para as participações especiais de Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro, além do Regional Feitiço da Ilha, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Soeiro (violão), João Neto (flauta), Juca do Cavaco (cavaquinho) e Vandico (percussão).

Localizado no Vinhais, o bar acabou pequeno para os cerca de 500 fãs confessos de Noel ali presentes. Clássicos como Feitiço da Vila, Feitio de oração, X do problema, As pastorinhas, Pela décima vez, Quando o samba acabou, Último desejo, Filosofia, Com que roupa?, Pra quê mentir? e João Ninguém foram cantados em coro pelo público, que prestigiou ainda a dança e a encenação da Companhia de Teatro Beto Bittencourt, que durante as músicas “dancenou” breves passagens da breve existência de Noel.

Os comentários posteriores ao show, sucesso de público, eram dois: de um lado, muitos elogios por parte daqueles que presenciaram um dos, sem dúvidas, melhores espetáculos musicais apresentados na capital maranhense em 2010; de outro, o arrependimento daqueles que, por um motivo ou outro, não fizeram coro às canções citadas e às tantas outras do repertório daquela noite inesquecível.

Pediram Bis – Para um bom começo de 2011, uma boa notícia a quem quiser repetir a dose ou quiser prová-la “pela primeira vez” (para citarmos outra peça do set-list noelesco): dia 8 de janeiro (sábado), às 22h, o Bar Daquele Jeito leva a seu palco o espetáculo Noel, Rosa secular – Pediram bis. Acompanhados pelo Regional Feitiço da Ilha, os quatro senhores da música do Maranhão Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, com participações especiais de Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro, reprisam a homenagem a Noel de Medeiros Rosa, o Poeta da Vila.

A reapresentação de Noel, Rosa secular terá novidades. “O repertório, por exemplo, muda em parte. Reprisar, simplesmente, as músicas que cantamos no show anterior seria uma injustiça com a própria obra de Noel, cujo legado é vastíssimo. As participações especiais terão mais tempo, este já era um pedido ouvido por nós durante o primeiro show”, adiantou o compositor Joãozinho Ribeiro.

Os ingressos para Noel, Rosa secular – Pediram bis custam R$ 20,00 (metade para estudantes com carteira) e serão vendidos na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande) a partir de segunda-feira (3).

Serviço

O quê: Noel, Rosa secular – Pediram bis.
Quem: Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, acompanhados do Regional Feitiço da Ilha. Participações especiais: Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro.
Onde: Bar Daquele Jeito (Vinhais).
Quando: dia 8 de janeiro de 2011 (sábado), 22h.
Quanto: R$ 20,00 (metade para estudantes com carteira). Ingressos à venda na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande), a partir de segunda-feira (3).
Maiores informações: (98) 8888-3722, zemaribeiro@gmail.com

Lena Machado no Dezembro de Paz

3 dezembro 2010

Acompanhada do regional Os Pregoeiros, cantora se apresentará no encerramento do programa da Comissão Arquidiocesana de Justiça e Paz

A cantora Lena Machado durante sua passagem pelo Feitiço Mineiro, em Brasília/DF, no último dia 30 de novembro

Após passagem por Brasília/DF, onde recentemente levou seu Samba de Minha Aldeia ao palco do Feitiço Mineiro, a cantora Lena Machado canta hoje (4), acompanhada do regional Os Pregoeiros, no encerramento do programa Quartas de Paz.

Desenvolvido pela Comissão Arquidiocesana de Justiça e Paz, as Quartas de Paz ocuparam a agenda de uma quarta-feira por mês, aprofundando o tema Economia e vida, da Campanha da Fraternidade, em 2010. O Dezembro de Paz realizou, desde ontem (3), exposição de economia popular solidária, oficinas, palestras, cinema, música e teatro.

“Precisamos entender como podemos colaborar com uma economia alternativa que promova a justiça e a paz; neste sentido ficamos muito felizes com a colaboração de todos e todas aqueles e aquelas que nos ajudaram nesta caminhada ao longo do ano de 2010. Certamente não é aqui que se encerram as Quartas de Paz, apenas as atividades deste ano. Em 2011 estaremos com forças e energias renovadas para continuarmos com o programa”, afirmou Cecília Amim, uma das coordenadoras da Comissão Arquidiocesana de Justiça e Paz.

A programação de hoje, que acontece no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, na Praia Grande, inclui oficina de confecção de flores e borboletas em material reciclado, que será ministrada às 14h pelo grupo Jovens pela Paz, de São Luís. Às 16h será exibido o filme Diamante de Sangue, estrelado por Leonardo Di Caprio, que conta a história de graves conflitos na África provocados pela exploração ilegal de diamantes. Em sequência, às 18h, o tema Economia e vida será debatido sob a coordenação do Pe. Vitor Manoel, missionário comboniano. Lena Machado e Os Pregoeiros sobem ao palco às 19h30min.

Pregões – Lena Machado pregará a paz, com música. Mostrará o que aprendeu com os pregoeiros Lopes Bogéa e Antonio Vieira, entidades do samba, da música popular e da luta pelos direitos humanos no Maranhão, ambos já falecidos. Acompanhada por João Eudes (violão sete cordas), Wendell Cosme (cavaquinho solo), Rafael Guterres (cavaquinho centro), Arlindo Carvalho (percussão) e João Neto (flauta), mostrará ao público o que sabe fazer: levar a boa música popular produzida no Maranhão aonde o povo está, como cantou o poeta mineiro.

No repertório, criações de nomes como Cesar Teixeira, Josias Sobrinho, Joãozinho Ribeiro, João do Vale e Chico Maranhão, entre outros. Lena Machado iniciou-se na música cantando nas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Igreja Católica. Há dez anos trabalha na Cáritas Brasileira Regional Maranhão, cujos 50 anos foram celebrados em Canção de Vida, disco ao qual a cantora emprestou sua voz a diversos hinos do movimento social maranhense. Em 2010 lançou Samba de Minha Aldeia, que obteve repercussão nacional.

Mais – Lena Machado é uma das convidadas de Noel, Rosa secular, tributo ao compositor carioca Noel Rosa, que completaria 100 anos em 11 de dezembro, data do show que será apresentado por Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, em homenagem ao Poeta da Vila.

Centenário de Noel Rosa será celebrado em São Luís

29 novembro 2010

Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho prestam homenagem ao compositor carioca, falecido há 73 anos.

Nascido há exatos cem anos, em 11 de dezembro de 1910, Noel de Medeiros Rosa, teve existência curta – faleceria aos 26, de tuberculose – mas deixou obra vasta, que influenciou e até hoje influencia um sem-número de artistas da música.

Sambista por excelência, são de sua lavra clássicos como Com que roupa?, Filsofia, Pela décima vez, Feitiço da Vila, Três apitos, Pra quê mentir?, Feitio de oração e inúmeros outros. Convenhamos: não existe roda de samba que se preze em que não seja executada ao menos uma dessas canções.

Diante da grandiosidade e da genialidade de Noel Rosa, quatro grandes mestres da música do Maranhão se reúnem para prestar-lhe merecido tributo. Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho subirão ao palco do Bar Daquele Jeito (próximo ao Viva Vinhais) para apresentar o show Noel, Rosa secular.

Os quatro bambas serão acompanhados por Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco, Paulinho Oliveira (violão, direção musical) e Vandico (percussão). Eles contarão também com as participações especiais das damas da música maranhense Célia Maria, Fernanda Garcia, Lena Machado e Lenita Pinheiro. O show acontece dia 11 de dezembro, às 22h, e os ingressos custam apenas R$ 15,00.

“A música brasileira, e a arte de maneira geral, só são tão ricas e diversas por conta das inúmeras trocas que nos levaram a essa miscigenação em todos os campos, fazendo de nós o país culturalmente mais rico do planeta. Por isso não poderíamos nunca deixar de homenagear Noel Rosa, no ano de seu centenário, pelo imenso legado que ele nos deixou, apesar de sua vida ter sido tão curta”, afirmou Joãozinho Ribeiro.

Noel, Rosa secular, terá ainda, durante sua apresentação, breves esquetes comentando passagens da vida do parceiro de Vadico. A teatralização de trechos da existência do Poeta da Vila fica a cargo de Joana Bittencourt, que também assina o cenário.

Serviço

O quê: show Noel, Rosa secular.
Quem: Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho. Participações especiais de Célia Maria, Fernanda Garcia, Lena Machado e Lenita Pinheiro.
Quando: 11 de dezembro (sábado), às 22h.
Onde: Bar Daquele Jeito (próximo ao Viva Vinhais).
Quanto: R$ 15,00. Ingressos à venda no local.
Maiores informações: zemaribeiro@gmail.com, (98) 8888-3722.

Vitor Ramil e Marcos Suzano em ‘Satolep Sambatown’

3 agosto 2010

Foto: divulgação

Finalmente chega a São Luís o show do cantor e compositor gaúcho Vitor Ramil e do percussionista Marcos Suzano,  no Teatro Arthur Azevedo (Rua do Sol, Centro), no dia 19 de agosto (quinta-feira), às 21h. O show será baseado no aclamado trabalho em duo, do CD intitulado Satolep Sambatown.

Como o nome indica, o disco nasceu do encontro do universo, muito particular, desses dois artistas. De Satolep, cidade imaginária de Vitor – Pelotas, sua cidade natal, escrita de trás para frente, também tema e nome da novela de sua autoria lançada pela editora Cosac&Naify –, vem a Estética do Frio, com arpejos em cordas de aço, harmonias abertas, melodias hipnóticas, letras cheias de poesia. De Sambatown, (a) cidade (do samba) imaginária de Suzano, vem seu pandeiro único no centro de uma arquitetura rítmica em que sons acústicos dialogam com ondas sonoras vindas do mundo da eletroacústica.

Vitor e Suzano têm ambos um pé na tradição musical de seus lugares de origem e outro no contexto da experimentação, das invenções mais radicais. Em Satolep Sambatown os dois tocam todos os instrumentos e assinam a produção.

O repertório do disco traz 11 canções de Vitor, entre elas, Livro Aberto, Invento, Astronauta lírico, Viajei e 12 segundos de oscuridad, esta em parceria com o compositor e cantor uruguaio Jorge Drexler, que também participa do disco como intérprete – pela primeira vez cantando em português. Ele divide com Vitor os vocais de A zero por hora. A outra participação especial é a da cantora carioca Kátia B, que canta com Vitor em Que horas não são?

Voz, violões de aço, percussão e efeitos eletrônicos. É com esses elementos, e mantendo sempre a formação em duo, que Vitor Ramil e Marcos Suzano recriam no palco a música produzida em Satolep Sambatown.

No roteiro, todas as canções do disco. Além dessas, novidades, releituras de canções de outros discos de Vitor como Não é Céu, Foi no mês que vem e Neve de Papel.

A iluminação é de Marcelo Linhares e o cenário de Isabel Ramil e Luiza Mendonça.

SERVIÇO:
VITOR RAMIL E MARCOS SUZANO
Show de lançamento do CD SATOLEP SAMBATOWN

Local: Teatro Arthur Azevedo (Rua do Sol, Centro).
Dia: 19 de agosto (quinta-feira).
Horário: 21h.
Ingressos: R$ 30,00 (metade para estudantes com carteira), à venda na Taco (São Luís Shopping) e na bilheteria do teatro.
Produção: Ópera Night.
Maiores informações: (98) 8137-7452, 8888-3722, zemaribeiro@gmail.com

“Samba de Minha Aldeia” – O Show

28 junho 2010

Lena Machado apresenta ao vivo repertório de seu segundo disco. Samba de Minha Aldeia já é sucesso nacional.

Samba de Minha Aldeia. Capa. Reprodução

O título não entrega o ouro: seria óbvio demais batizar de Samba de Minha Aldeia um disco (só) de sambas. Com desenvoltura e, de já, boa repercussão, Lena Machado passeia por samba, choro, blues, baião, citações de salsa, pitadas eletrônicas, sem perder as referências das raízes musicais da cultura popular do Maranhão, de cujos ritmos o disco está também impregnado.

De seu estado natal, aliás, a cantora recruta todos os compositores por ela gravados neste segundo disco, entre representantes da velha guarda e da jovem vanguarda da música popular maranhense, que listamos aqui sem distinção entre os grupos: Aquiles Andrade, Bruno Batista, Cesar Teixeira, Chico Canhoto, Chico Nô, Gildomar Marinho, Joãozinho Ribeiro, Josias Sobrinho, Patativa e Ricarte Almeida Santos.

Com arranjos e direção musical de Luiz Jr. (violão e viola caipira), o time de bambas que emoldura a bela voz de Lena Machado é outra primorosa seleção, na qual se destacam Rui Mário (sanfona), Luiz Cláudio (percussão), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho), Thales do Valle (trompete), João Neto (flauta), Analício (clarinete), Guilherme Raposo e Franklin Santos (efeitos eletrônicos), George Presunto (trombone). O trabalho contou ainda com as participações especiais de Netinho Albuquerque (pandeiro) e Henrique Martins (violão sete cordas), em Chorinho de herança (Ricarte Almeida Santos/ Chico Nô) e Zé da Velha (trombone) e Silvério Pontes (trompete) em Colher de chá (Patativa).

Se compositores, repertório e instrumentistas são luxos e primores, o projeto gráfico não poderia ser diferente: assinado por Waldeilson Paixão, traz fotografias de Rivânio Almeida Santos que captam o clima de Botequim (título de choro de Cesar Teixeira gravado por Lena) do Bar do Léo, misto de bar e museu, espécie de “academia musical” encravada no coração do Vinhais, um dos bairros mais tradicionais de São Luís.

A cantora Lena Machado no clique de Rivânio Almeida Santos

Repercussão – Lançado em janeiro de 2010, em concorrida sessão de audição e noite de autógrafos realizadas no mesmo Bar do Léo que lhe serve de cenário, Samba de Minha Aldeia tem encontrado boa repercussão no cenário nacional.

O disco já foi tocado em webrádios e rádios em São Luís, Brasília e Rio de Janeiro, onde arrancou elogios do jornalista e produtor Nelson Motta. Na internet, também, o disco já está disponível para download em vários blogues que o disponibilizam gratuitamente. A cantora diz não se incomodar: “É uma forma de nossa música, da música do Maranhão chegar a mais gente. É claro que no disco original há outros elementos, informações, um projeto gráfico bonito. O ideal é baixar para conhecer e depois adquirir o original”, opina.

Em São Luís está à venda na Livraria Poeme-se (Praia Grande), no Bar do Léo e na TVN (São Francisco). Esta última, com a Pousada Portas da Amazônia, co-patrocinou a finalização do disco, cuja gravação foi possível graças a um edital da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão ainda em 2008.

História – Lena Machado nasceu em Zé Doca, no interior do Maranhão, onde começou a cantar, integrando grupos da Igreja Católica, sobretudo das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs). Depois de tentar uma carreira na própria cidade natal, veio para São Luís trabalhar na Cáritas Brasileira Regional Maranhão, onde está até hoje.

Sua trajetória musical nunca esteve dissociada de sua atuação no campo social, na busca por justiça e pelo fim das desigualdades. Na capital maranhense teve suas primeiras incursões pela música no aniversário de 26 anos da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), em fevereiro de 2005 e no projeto SESC Meio Dia, no SESC Deodoro, no ano seguinte.

Em 2006 lançou Canção de vida, sua estreia, onde emprestou a voz a diversos clássicos da música brasileira que embalam a luta dos movimentos sociais e de trabalhadores, sobretudo de compositores maranhenses – Cesar Teixeira (Oração latina, hino de onde é tirado o verso-título, Flanelinha de avião), Chico Canhoto (Sem resposta), João do Vale (Minha história, Carcará), Joãozinho Ribeiro (Milhões de uns) – mas passando por Gonzaguinha (Pense n’eu, O que é, o que é?), Jurandy da Feira (Terra, vida e esperança) e Sá e Guarabira (Sobradinho).

O convívio com o ambiente musical, sobretudo com músicos de uma maneira ou outra vinculados ao Clube do Choro do Maranhão, garantiu a Lena Machado um amadurecimento percebido quando se comparam os dois trabalhos – o primeiro também teve repercussão nacional e foi lançado, além de em São Luís, em Aracaju/SE e Brasília/DF.

O show – Para marcar o lançamento oficial de Samba de Minha Aldeia, Lena Machado escolheu o palco do Teatro Arthur Azevedo. “É um dos mais belos teatros do Brasil, um dos mais antigos e tem uma energia positiva. Muita coisa importante para a música do Maranhão e do Brasil aconteceu aqui. É inspirador cantar aqui”, revela.

Além do repertório do disco, que será interpretado na íntegra, Lena Machado cantará também obras de compositores como Antonio Vieira e Chico Maranhão, além de surpresas que fará ao público. A cantora contará com as participações especiais de Aquiles Andrade, Célia Maria, Léo Spirro e Patativa.

“Aquiles representando a nova geração de talentos maranhenses que tem surgido, um dos compositores que gravei. Célia, Spirro e Patativa [esta a única compositora gravada por Lena] são, cada um a seu modo, grandes mestres da música produzida aqui, personagens importantíssimos, tenho aprendido muito com eles”, conta emocionada.

Com produção de Lena Machado e Ruber Produções e direção musical de Luiz Júnior, Samba de Minha Aldeia, o show, tem patrocínio de TVN.

Design: Waldeilson Paixão

Serviço – O show de lançamento de Samba de Minha Aldeia acontece dia 7 de julho (quarta-feira), às 20h, no Teatro Arthur Azevedo (Rua do Sol, Centro). Os ingressos custam apenas R$ 20,00 (meia para estudantes com carteira) e estão à venda na Livraria Poeme-se (Praia Grande) e na bilheteria do TAA. Patrocínio: TVN.

Assessoria de comunicação: Zema Ribeiro – (98) 8888-3722, zemaribeiro@gmail.com

Feitiço maranhense no Feitiço Mineiro

16 junho 2010

Acompanhado de regional, o poeta e compositor Joãozinho Ribeiro apresenta o show musical Milhões de uns na capital federal.
 

Nascido num bairro periférico da região central de São Luís Joãozinho Ribeiro (foto) iniciou-se na música em saudosos festivais universitários, no longínquo 1979 – tem completos 30 anos de música, portanto –, ano também identificado como o da fatídica “greve da meia passagem”, da qual foi militante.

Quase engenheiro, quase economista, formou-se bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), e depois especialista em Direitos Autorais. Militante das artes e da cultura em geral, foi secretário executivo do Fórum Municipal de Cultura de São Luís, engendrando as duas Feiras Culturais da Praia Grande, três Semanas Culturais do Desterro e o projeto Samba da Minha Terra, que levou música gratuita e de qualidade a 18 comunidades de sua cidade natal, valorizando sobretudo o samba e o choro, com a participação de inúmeros convidados especiais. Chegou a Secretário de Estado da Cultura do Maranhão e hoje o técnico da Receita Federal está nos quadros do Ministério da Cultura.

Por essas e outras, João Batista Ribeiro Filho, aos 55 ainda o mesmo moleque travesso das ruas, becos, ladeiras e vielas da capital maranhense, tem relegado a segundo plano sua carreira de artista: é, na terra de outro João Batista, o do Vale, um dos compositores mais gravados e tem publicado o poema-livro Paisagem Feita de Tempo [2006, edição do autor]. Sua mais recente apresentação musical data de agosto de 2008, em São Luís, dentro do projeto Clube do Choro Recebe, empreitada de sucesso do Clube do Choro do Maranhão que completará três anos em breve.

Atualmente residindo em Brasília, Joãozinho Ribeiro aproveita a estadia na capital federal para mostrar, no planalto central, parte de sua obra, que lhe garante presença no panteão sagrado dos grandes compositores do Maranhão, ao lado de figuras como Antonio Vieira, Cesar Teixeira e Chico Maranhão, entre outros. Passeando por choro, samba, baião, reggae, toadas de bumba-meu-boi e tambor de crioula, blues, canções de amor e de protesto, Joãozinho Ribeiro se apresenta no Restaurante Feitiço Mineiro (306 Norte) no próximo dia 3 de julho, às 22h30min. O couvert artístico custa apenas R$ 15,00.

O Feitiço Mineiro tem sido palco importante de maranhenses na capital federal. Por lá já se apresentaram nomes como Nonato Buzar, Papete, Flávia Bittencourt, Rosa Reis, Beto Pereira, Josias Sobrinho e Tião Carvalho, entre outros. “Além de encontrar a colônia maranhense radicada em Brasília, o interessante é podermos apresentar nosso trabalho também a cidadãos e cidadãs apreciadores da arte de todas as partes do mundo”, afirma Joãozinho Ribeiro, que em 2002 venceu, no Maranhão, o Prêmio Universidade FM com seu choro Milhões de uns, registrado em disco pela também maranhense Célia Maria.

Serviço

O quê: show musical Milhões de uns.
Quem: Joãozinho Ribeiro e Regional.
Onde: Restaurante Feitiço Mineiro (306 Norte, Brasília/DF).
Quando: dia 3 de julho (sábado), às 22h30min.
Quanto: R$ 15,00 (couvert artístico).
Reservas: (61) 3272-3032.

Redação: Zema Ribeiro
Entrevistas: Robson Silva – (61) 9952-4801

Nonato Buzar: encontrando amigos

1 abril 2010

Compositor maranhense radicado no Rio de Janeiro faz três apresentações no Maranhão: duas em São Luís e uma em Itapecuru-Mirim, sua cidade natal. Reencontro com amigos, parceiros e as plateias maranhenses.

Foto: Google Images

Radicado no Rio de Janeiro, o compositor Nonato Buzar (foto) é um dos maranhenses mais gravados no Brasil. Suas obras constam dos repertórios de nomes como Alcione, Cauby Peixoto, Elis Regina, Elizeth Cardoso, Ivan Lins, Jair Rodrigues, João Nogueira, Luiz Gonzaga, Milton Nascimento, MPB-4, Nana Caymmi, Nelson Gonçalves, Os Cariocas, Roberto Ribeiro, Rosinha de Valença e Wilson Simonal, entre outros. Fora do país, suas músicas já foram cantadas por Jimmy Cliff e o grupo Santana.

Com toda essa bagagem, acumulada em mais de 50 anos de carreira – morou em Paris na década de 1970 e lá gravou Via Paris, com o conjunto País Tropical, um de seus discos mais conhecidos – Nonato Buzar reencontra o público maranhense em três shows, intitulados Encontro com Nonato.

Via Paris. Capa. Reprodução

As duas primeiras apresentações acontecem no Teatro Arthur Azevedo, dias 6 (terça) e 7 (quarta-feira), às 21h, com as participações especiais de Beto Pereira, Gerude, Josias Sobrinho, Nosly e Rogério du Maranhão. Os ingressos custam R$ 25,00 para qualquer dependência do teatro.

Dia 9 (sexta-feira) é a vez de Itapecuru-Mirim, cidade natal do artista, receber o show, que acontece no Itapecuru Social Clube, às 21h – ingressos: R$ 15,00. Lá, Nonato Buzar, que tem parcerias com todos os convidados, divide o palco com Nosly, o parceiro mais constante.

História – Nonato Buzar nasceu em Itapecuru-Mirim em 1932, tendo se mudado para o Rio de Janeiro em 1953, onde foi aprovado no vestibular para Engenharia. Desistiu do curso e dedicou-se à música.

Ainda nos anos 1950 iniciou sua carreira artística, apresentando-se em boates como Little Clube e Bottle’s, no famoso Beco das Garrafas. Em 1965 assinou a contracapa do disco 400 anos de samba, de Elizeth Cardoso – uma de suas intérpretes –, que comemorava os quatro séculos da “cidade maravilhosa”.

Em fins dos anos 1960 idealizou, produziu e integrou o conjunto A Turma da Pilantragem. Foi produtor musical nas gravadoras PolyGram e RCA Victor e realizou discos de nomes como A Turma da Pilantragem, Banda do Canecão, Festival Internacional da Canção, Jair Rodrigues, Jimmy Cliff e Wilson Simonal, para citar alguns.

Nonato Buzar é ainda um dos compositores com mais passagens por aberturas de novelas da Rede Globo. São dele os temas Irmãos Coragem (com Paulinho Tapajós), Assim na terra como no céu (com Roberto Menescal e Paulinho Tapajós), Verão vermelho, O homem que deve morrer (com Torquato Neto), todos aberturas de novelas homônimas. Esteve presente ainda em trilhas sonoras de O cafona, Minha doce namorada e Anjo mau.

Ainda na TV Globo, compôs trilhas para os programas Brasil Pandeiro, Saudade não tem idade e Chico City, este último protagonizado por parceiro seu: o humorista e compositor Chico Anísio.

Em seu disco de estréia (2003) Maria Rita gravou Menininha do Portão (Nonato Buzar/ Paulinho Tapajós). O disco teve a expressiva vendagem de 350 mil cópias dois meses após o lançamento.

SERVIÇO

O quê: Show Encontro com Nonato.
Quem: Nonato Buzar com participações especiais de Beto Pereira, Gerude, Josias Sobrinho, Nosly e Rogério du Maranhão (em São Luís) e Nosly (em Itapecuru-Mirim).
Quando: dias 6 (terça) e 7 (quarta-feira) no Teatro Arthur Azevedo (em São Luís) e dia 9 (sexta-feira) no Itapecuru Social Clube (em Itapecuru-Mirim).
Quanto: R$ 25,00 (para qualquer dependência do Teatro Arthur Azevedo) e R$ 15,00 (Itapecuru Social Clube). Meia para estudantes.
Maiores informações: (98) 8137-7452.

Samba de Feira no sábado de aleluia

29 março 2010

Lena Machado reapresenta show, com novidades, no Clube do Choro Recebe. Em pleno sábado de aleluia, a cantora terá como anfitrião o Regional Os Pregoeiros.

Foto: Rivânio Almeida Santos

Fruto de um bem sucedido encontro, o show Canto de Feira será reapresentado na 111ª. edição do projeto Clube do Choro Recebe – a quinta este ano –, que acontece em pleno sábado (3/4) de aleluia. A apresentação reunirá no palco a cantora Lena Machado e o Regional Os Pregoeiros, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), João Eudes (violão sete cordas), Osmarzinho (saxofone) e Rafael Guterres (cavaquinho).

O show encerrou a temporada musical em São Luís em 2009: foi apresentado dia 30 de dezembro no Restaurante Cantinho da Estrela, na Praia Grande. Este ano já foi apresentado em celebração ao Dia Internacional da Mulher, em evento fechado promovido pelo Sindicato dos Bancários do Maranhão.

“Pensamos este show, que inclusive tem esse nome por isso, para integrar a programação da Feira de Economia Solidária, em dezembro passado. A programação cultural da Feira foi bastante prejudicada por conta de apagões que castigaram o Centro Histórico naquele período. Para não perdermos a energia, os ensaios que já havíamos realizado, apresentamos e, graças a Deus, foi um sucesso”, conta Lena Machado, avisando que apesar do nome, o show não é mero replay de suas apresentações anteriores.

“A gente sempre mexe no repertório. Tem coisas do disco novo, coisas que gosto de cantar, eu tou sempre ouvindo e pescando coisas pro repertório. Há várias ideias para shows temáticos, experiências para o repertório do terceiro disco”, continua e adianta a cantora que recentemente lançou Samba de Minha Aldeia, disco em cujo repertório interpreta, além do samba denunciado pelo título, choro, baião, blues, salsa, eletrônica e pitadas dos ritmos da cultura popular do Maranhão.

Samba de Minha Aldeia. Capa. Reprodução

Em Samba de Minha Aldeia Lena Machado interpreta, entre inéditas e conhecidas, músicas de Josias Sobrinho, Chico Nô, Ricarte Almeida Santos, Chico Canhoto, Gildomar Marinho, Bruno Batista, Aquiles Andrade, Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Patativa.

“Lena Machado é uma das grandes descobertas, um dos grandes acontecimentos, da música produzida no Maranhão nestes últimos anos. Recentemente tivemos a grata surpresa de saber que músicas de seu disco tocaram em rádios em Brasília, Rio de Janeiro e outras cidades de destaque no cenário artístico-cultural. Isso é o começo. Sabemos que ela vai longe”, vaticina Ricarte Almeida Santos, produtor e apresentador do Clube do Choro Recebe e, no rádio, do programa Chorinhos e Chorões, especializado no mais brasileiro dos gêneros musicais, que vez por outra inclui Lena Machado em seu repertório dominical. Em parceria com Chico Nô, ele é autor de Chorinho de Herança, uma das músicas mais executadas no Myspace da cantora.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 111ª. edição – quinta em 2010.
Quem: o Regional Os Pregoeiros recebe a cantora Lena Machado.
Quando: dia 3 de abril (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Amizade, amor e boa música

18 março 2010

Estes são os elementos de Autorretrato, show que a dupla gaúcha Kleiton e Kledir apresenta nesta sexta-feira, 19, em São Luís.

POR ZEMA RIBEIRO*

“Amo tua voz e tua cor/ e o teu jeito de fazer amor”. Atire a primeira pedra aqueles e aquelas que nunca cantarolaram qualquer trecho da balada Paixão, de Kleiton e Kledir, seja para acompanhá-la no rádio, em um ônibus lotado, a caminho ou voltando do colégio ou faculdade, seja para conquistar um par – amor eterno.

Duo gaúcho mostrará novas canções e grandes sucessos

“Desde a minha infância, Paixão é uma das minhas músicas preferidas”, revelou a jornalista Bruna Castelo Branco, 28, durante a entrevista com o primeiro K da dupla, para seu espanto. “Qual a sua idade?”, o músico inverteu os papeis. “Você é muito nova para gostar de nossas músicas”, disse.

Que é isso, seu Kleiton? Paixão, Deu pra ti, Nem pensar e tantas outras canções da dupla de irmãos gaúchos são tidas hoje como verdadeiros clássicos – pop, românticos etc. No tempo em que os jovens montavam suas próprias coletâneas em fitas k7, Kleiton e Kledir eram presença certeira em qualquer uma que trouxesse na lombada inscrições como “românticas” e quetais nacionais.

Hoje, em tempos pós-download, não duvido que isso aconteça quando meninos e meninas, ainda que sem idade para tê-los ouvido no rádio, queimem cds montando suas coletâneas depois de baixar as canções (e paixões) pela internet.

Talvez já nem se montem coletâneas: um arquivo de música baixado é rapidamente enviado a um amigo em qualquer lugar por msn, e-mail ou outra ferramenta qualquer. A distância de um clique aproxima pessoas que estão longe geograficamente.

É sobre amizade a faixa-título de Autorretrato [2009], novos cd e dvd do duo gaúcho: “Coisa boa é um amigo/ pra poder se encontrar/ e jogar conversa fora/ tu me ensina a viver/ que eu te ensino a sonhar/ e por aí vamos embora”, diz o refrão da música que intitula também o show que eles apresentam por aqui, nesta sexta, 19, às 22h, no Circo Cultural Nelson Brito.

Novas ou antigas, as verdadeiras amizades duram para sempre. Como o amor. E as boas músicas. Amigos e amigas, casais apaixonados, jovens demais para conhecer a música de Kleiton e Kledir ou não, Autorretrato é uma boa pedida para celebrar a amizade, o amor e a boa música.

SERVIÇO

A dupla gaúcha Kleiton e Kledir apresenta o show Autorretrato nesta sexta-feira, 19 de março, às 22h, no Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, Aterro do Bacanga, ao lado do terminal de integração da Praia Grande). Show de abertura: Daffé. Produção: Ópera Night. Ingressos: Loja Taco (São Luís Shopping). Maiores informações: (98) 8137-7452, 3244-3627.

Show comemorará 30 anos de carreira de Kleiton e Kledir

*Redação e assessoria de imprensa. Escreve no blogue http://www.zemaribeiro.blogspot.com

Kleiton e Kledir lançam novo dvd em São Luís

9 março 2010

Dupla gaúcha lança Autorretrato, trabalho que celebra a amizade com timbres de pop sessentisa.

Kleiton e Kledir lançam novo dvd em show na Ilha. Foto: Lourenço Monte-Mór. Fonte: http://www.kleitonekledir.com.br

Com nove discos em dupla, além de um título em espanhol e do trabalho com o grupo Almôndegas e um disco solo de cada, Kleiton e Kledir vêm à São Luís com o show Autorretrato, de seu novo cd-dvd (2009), de repertório inédito.

Durante a apresentação, que acontece no Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, Aterro do Bacanga, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande), além das músicas novas, não faltarão hits como Paixão e Deu pra ti, que marcaram sua carreira e a vida de muitos ouvintes nos anos 1980.

O show, aliás, é uma espécie de celebração aos 30 anos de carreira – não incluídos aí os anos de Almôndegas, nos idos 70 – que sofreu um intervalo entre 1989 e 1996, período em que ambos lançaram discos solo: Sim (1990, Kleiton Ramil) e Kledir ao vivo (1991).

Autorretrato, o dvd, traz canções inéditas e foi filmado como um documentário. Nele, os irmãos gaúchos contam a história das músicas, além de tocá-las. O valor da amizade e o prazer em compartilhar coisas íntimas é o clima que permeia o novo trabalho. A faixa-título é uma conversa entre amigos sobre isso.

Um disco contemporâneo com clima sessentista, na instrumentação que lembra bandas como os Beatles, eterna referência: violões, guitarras, violinos, pianos, harmônicas e percussão – não há bateria – enfeitam as composições e vozes de Kleiton e Kledir.

Lançado pela Som Livre, Autorretrato tem realização do Canal Brasil – cujo marco inaugural na produção de documentários foi Loki, que tem o eterno Mutante Arnaldo Baptista como protagonista.

Kleiton e Kledir apresentam o show Autorretrato dia 19 de março (sexta-feira), às 22h, no Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, Aterro do Bacanga, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande). O maranhense Daffé abrirá o espetáculo. Ingressos à venda na loja Taco (São Luís Shopping). A produção é de Ópera Night. Maiores informações: (98) 8137-7452, 3244-3627.

Kleiton e Kledir vêm à Ilha em mais uma produção de Ópera Night

Redação e assessoria de imprensa: Zema Ribeiro

A MPB de Gildomar Marinho

19 janeiro 2010

Cantor e compositor se apresenta nesta quinta-feira, 21, no Restaurante Cantinho da Estrela. Entre repertório autoral e clássicos da MPB, show terá a participação especial da cantora Lena Machado.

Gildomar Marinho passeará por clássicos da música popular e repertório autoral

Atualmente residindo em Fortaleza/CE, o cantor e compositor Gildomar Marinho, de passagem por São Luís, se apresenta nesta quinta-feira, 21, às 19h30min, no Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio).

Gildomar Marinho lançou, ano passado, Olho de Boi, seu disco de estreia, com shows em Imperatriz e São Luís. O repertório, completamente autoral, faz um apanhado de mais de vinte anos de produção musical, até então restrita a um círculo de amigos e colegas de trabalho: o artista é bancário.

“Os amigos sempre insistiram para que eu gravasse um disco e pudesse registrar canções que entre eles já tinham algum sucesso. Diziam que às vezes sentiam vontade de ouvir e eu não estava por perto para tocá-las ao violão”, conta Gildomar. “Apresentamos projeto ao Banco do Nordeste, dentro do programa Cultura da Gente, que valoriza o fazer artístico da prata da casa, e tivemos a felicidade de ter o trabalho selecionado”, explica, sobre a realização de Olho de Boi, ele que já está com projeto aprovado para um segundo trabalho, a ser lançado provavelmente ainda em 2010.

Os repertórios do disco de estreia e do provisoriamente intitulado Pedra de Cantaria serão apresentados ao público do Cantinho da Estrela, além de clássicos da MPB. “Tocaremos músicas nossas, mas será uma apresentação de voz e violão, esquema barzinho mesmo. A ideia é reunir amigos e interessados em música brasileira em geral”, afirma. A cantora Lena Machado – que recentemente gravou dele o blues Gracejo, em seu segundo disco, Samba de Minha Aldeia – fará participação especial na apresentação.

Sobre Gildomar – Natural de Santa Inês, Gildomar Marinho mudou-se ainda criança para Imperatriz/MA, onde ingressou no Banco do Nordeste. Dali foi transferido para Fortaleza/CE, onde passou a década de 90 inteira. Lá tocou na noite e teve seu próprio bar, o universitário Pertinho do Céu, além de ter se formado no curso de Licenciatura em Música, pela Universidade Estadual do Ceará. De lá regressou à São Luís, onde ficou até meados do ano passado.

Seu segundo disco deverá ser gravado na capital cearense e contará, entre outros, com participações especiais de Carlinhos Veloz e Erasmo Dibell, com quem o artista conviveu musicalmente às margens do Rio Tocantins, quando ainda morava em Imperatriz, e da cantora Lena Machado.

SERVIÇO

O quê/quem: show musical com o cantor e compositor Gildomar Marinho. Participação especial: Lena Machado.
Onde: Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio).
Quando: quinta-feira, 21, às 19h30min.
Quanto: R$ 5,00 (couvert artístico individual).
Maiores informações: (98) 8724-2940.

“Lume Sessions”: Tássia Campos se desnuda em “Crua”

7 janeiro 2010

Cantora passeará por universo pop de diversos compositores contemporâneos. Show terá participações especiais de Celso Borges e Alê Muniz.

"Crua" antecipará parte do disco de estreia de Tássia Campos, a sair este ano. Foto: divulgação

O Lume Sessions tem transformado o Cine Praia Grande no mais novo palco da boa música produzida em São Luís. Inaugurado ainda ano passado, tem como primeira atração de 2010 a cantora Tássia Campos (foto), que apresenta o show Crua – título tirado da canção que abre o novo álbum de Otto –, sexta-feira, 15, às 21h. Os ingressos para a apresentação, que podem ser adquiridos no local, custam apenas R$ 12,00 (meia para estudantes com carteira).

Tássia Campos (voz, violão) estará acompanhada de George Gomes (bateria), Marcos Cliff (teclado), Edinho Bastos (guitarra) e João Paulo (contrabaixo) e passeará pelo universo pop de compositores como Kléber Albuquerque (de quem gravou uma música para o disco de estreia, a ser lançado ainda este ano), André Lucap, Beto Ehongue, Suely Mesquita, Gilberto Gil, Gilberto Mineiro, Cazuza, Moreno Veloso e Otto, entre outros.

O show terá a participação especial do poeta Celso Borges, sobre o que Tássia Campos nada adianta, dizendo apenas que “será surpresa”. Outra participação especial é a de Alê Muniz (Criolina): “Ele vai cantar comigo a música que ele me deu pro disco”, adianta. “Alê sempre se colocou à disposição para fazermos o disco, um sonho antigo”, completa.

O repertório de Tássia Campos se equilibrará entre inéditas que estarão em seu disco de estreia e covers. “Os músicos que vão me acompanhar também estão participando da feitura do disco e para este show captaram a proposta e com muito profissionalismo respeitaram a sonoridade pretendida por mim. O público pode ter certeza de que o show está sendo pensado, em todos os detalhes, com muito carinho”, promete Tássia.

SERVIÇO

O quê: Show Crua, no projeto Lume Sessions.
Quem: Tássia Campos e banda.
Onde: Cine Praia Grande (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Rampa do Comércio, nº. 200, Praia Grande).
Quando: dia 15 (sexta-feira), às 21h.
Quanto: R$ 12,00 (entrada. Metade para estudantes com carteira).

“Canto de Feira” encerra o 2009 musical de São Luís

28 dezembro 2009

Tido como último grande acontecimento musical em São Luís, show de Lena Machado promete festa.

Cantando, Lena Machado quer renovar as energias para o ano que se inicia. Foto: Pedro Araújo

A cantora Lena Machado (foto) se despede de 2009 em grande estilo: apresenta, dia 30, às 20h, no Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio), o show Canto de Feira. A artista será acompanhada pelo regional Os Pregoeiros: João Eudes (violão sete cordas), Rafael Guterres (cavaquinho), Osmarzinho (saxofone), Wanderson (percussão) e Lazico (percussão).

O ano que se encerra marcou a finalização do segundo disco da carreira de Lena Machado, Samba de Minha Aldeia. Ela que em 2006 lançou Canção de Vida, celebrando os 50 anos de atuação da Cáritas no Brasil, organização em que trabalha. “Emprestei a voz a diversos clássicos que marcam a trajetória das lutas sociais no país, e especialmente no Maranhão”, afirma ela, que na ocasião interpretava composições de Joãozinho Ribeiro (Milhões de uns), João do Vale (Minha história), Sá e Guarabira (Sobradinho), Gonzaguinha (O que é o que é?) e, entre outros, Cesar Teixeira (Oração latina, de onde o título do disco foi retirado).

“A ideia era lançar Samba de Minha Aldeia ainda em 2009 mas alguns contratempos impediram. Mas no comecinho do ano que vem ele ‘tá na mão e a gente espera que o público goste e que tenha valido a pena esperar”, diz, acrescentando: “Foi um trabalho gostoso de fazer, com as dores naturais de um trabalho artístico, o trabalho que dá escolher repertório, músicos, pensar cada detalhe, arranjos, capa, encarte, e o prazer de cuidar disso tudo com todo carinho”. O título adianta: Lena Machado gravou somente compositores maranhenses, privilegiando o samba e o choro.

Grande parte do repertório é de inéditas: as exceções são De Cajari pra capital (Josias Sobrinho), Botequim (Cesar Teixeira), Acontecesse (Bruno Batista) e Gracejo (Gildomar Marinho) além de Chorinho de herança (Ricarte Almeida Santos/ Chico Nô),”semi-inédita”, que teve uma versão promo bastante executada em rádios da capital maranhense. Em Samba de Minha Aldeia, todas as faixas não-inéditas ganharam novos arranjos. Além deles, Lena Machado vasculhou seu baú de achados e registrou criações de Joãozinho Ribeiro, Patativa, Aquiles Andrade, Ricarte Almeida Santos, Chico Nô e Chico Canhoto.

“No Canto de Feira, o show, faremos parte do repertório do segundo disco e mostraremos outras coisas que a gente gosta de cantar”, antecipa ela, que interpretará composições de Paulinho da Viola, Chico Buarque, Tom Jobim e Cristóvão Alô Brasil, entre outros.

FeiraCanto de Feira, o show, deveria ter integrado a agenda cultura da III Feira Estadual de Economia Solidária e Agricultura Familiar do Maranhão, como previa a programação do evento, acontecido na Praia Grande, entre os dias 17 a 19 de dezembro. Quase todas as apresentações culturais foram prejudicadas pelas quedas de energia com que sofreu a região central da capital maranhense nos dias da Feira – a exceção foi o Tambor de Crioula de Mestre Apolônio, que conseguiu se apresentar sem os recursos de som, palco e luz, dadas as características acústicas daquela manifestação cultural.

“Já estávamos com músicos reúnidos, repertório ensaiado, então ia ser um prejuízo muito grande adiar ou não realizar esse show”, conta Lena Machado sobre o porquê dela arriscar uma data tão próxima à virada de ano. “É um show festivo, para entrarmos 2010 com as energias renovadas”, promete, ela que não para de pensar em novos projetos e que é considerada uma das grandes revelações da música maranhense da última década.

SERVIÇO

O quê: show Canto de Feira.
Quem: Lena Machado e Os Pregoeiros.
Onde: Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio).
Quando: dia 30 (quarta-feira), às 20h.
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: pelos telefones (98) 8182 1717 e/ou 8724 2940.

Primos Trabulsi se encontram no palco do Clube do Choro Recebe

9 setembro 2009

Com Paulo Trabulsi, Regional Tira-Teima recebe Alberto Trabulsi em mais uma edição do projeto.

Assíduo frequentador do Clube do Choro Recebe e presença habitual nas canjas do projeto, o cantor e compositor Alberto Trabulsi é o convidado de sua 94ª. edição.

Alberto Trabulsi

Maranhense da capital, Alberto Trabulsi (acima em foto de Pedro Araújo) iniciou sua carreira em festivais escolares. Em dezembro passado sua composição Sr. José recebeu o troféu de Melhor Letra no III Festival João do Vale de Música Popular. Recentemente, dividiu o palco do Restaurante Chico Canhoto – palco do Clube do Choro Recebe aos sábados – com o músico Marconi Rezende, na série de shows Mano a Mano, quando interpretavam obras de Chico Buarque e João Bosco. Mano a Mano teve temporada entre os meses de julho e agosto às sextas-feiras.

O músico será recebido pelo Regional Tira-Teima, integrado pelos mestres Serra de Almeida (flauta), Zé Carlos (percussão), Francisco Solano (violão sete cordas) e Paulo Trabulsi (cavaquinho), este, primo do convidado.

Em sua apresentação Alberto Trabulsi passeará por sambas de sua autoria, além de interpretar composições de nomes como Paulinho da Viola, João Bosco e Chico Buarque.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Autêntico Chopp de Vinho e Rádio Universidade FM e parceria de JL Music Studios e Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 94ª. edição.
Quem: o Regional Tira-Teima recebe o cantor Alberto Trabulsi.
Quando: dia 12 de setembro (sábado), às 19h30min.
Onde: Restaurante Chico Canhoto (Residencial São Domingos, Cohama).
Quanto: R$ 8,00 (entrada).
Maiores informações: pelo telefone [98] 3252-1219 e/ou e-mails ricochoro@hotmail.com, chicocanhoto@ymail.com e/ou clubedochorodomaranhao@gmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís, Autêntico Chopp de Vinho e Rádio Universidade FM.
Parceria: JL Music Studios e Solar Consultoria.