Posts Tagged ‘maranhão’

Abertas as inscrições para o VIII Seminário Mídia, Infância e Adolescência no Maranhão

22 setembro 2011

Com o tema “Infância e (Des)igualdade Étnico-racial”, o evento acontece em São Luis (MA) nos próximos dias 27 e 28 de setembro.

A Agência de Notícias da Infância Matraca, em parceria com Terre des hommes, Rede Amiga da Criança e UNICEF, realiza, nos dias 27 e 28 de setembro, o VIII Seminário Mídia, Infância e Adolescência no Maranhão.  Este ano o seminário vai discutir o tema “Infância e (Des)igualdade Étnico-racial”.  O evento acontece no auditório do Ministério Público, em frente à Faculdade São Luís (Canto da Fabril), na Rua Grande.

Destinado principalmente a profissionais, estudantes e pesquisadores da área de comunicação e também de direitos humanos, o seminário começará com um debate sobre o tema Comunicação e (des)igualdade étnico-racial no Brasil (uma leitura de realidade). A palestra inicial será ministrada pela professora do Departamento de Comunicação da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Rosane Borges. Como parte da programação, ainda vão ser oferecidas duas oficinas: “Como me vejo na mídia? Qual a cor da mídia?” e “Qual o papel do comunicador na construção da igualdade étnico-racial?”

O evento conta com o apoio da Faculdade São Luís, do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente do Maranhão (CEDCA), do Ministério Público e da Oficina de Imagens.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por meio do telefone: 3254 -0210 ou pelo e-mail: agencia@matraca.org.br.

A realização do Seminário tem o objetivo de contribuir para que os direitos de crianças e adolescentes sejam abordados de forma mais ampla e com qualidade pelos meios de comunicação, aprimorando os conhecimentos dos estudantes e comunicadores a respeito do tema, aumentando a divulgação de informações qualificadas para a sociedade e propiciando um espaço competente para discussão contínua da formação desses profissionais. O Seminário pretende, ainda, melhorar a relação entre entidades de defesa dos direitos infanto-juvenis e a imprensa.

O coordenador executivo da Agência Matraca, Marcelo Amorim, observa com muita clareza uma das principais finalidades do Seminário: “Nós só poderemos cobrar da imprensa uma correta contextualização das notícias sobre infância e adolescência, divulgando, propagando o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e provocando discussões como essa que propomos no evento deste ano, que é Infância e Desigualdade Étnico-racial”, esclarece.

Para Ivana Braga, jornalista e articuladora da Rede Amiga da Criança, a temática do Seminário 2011 é mais do que oportuna. “Neste momento de significativos avanços que a sociedade brasileira tem dado para igualar oportunidades e reparar erros históricos, o Seminário levanta uma temática fundamental para nós, ativistas de direitos humanos, estudantes e profissionais de comunicação, na medida em que nos convida a refletir sobre qual espaço é destinado hoje na imprensa à população infantojuvenil negra e indígena, principalmente, e como os comunicadores e comunicadoras estão colaborando para desconstruir ou reforçar o racismo na sua prática diária”, comenta.

Veja abaixo a programação completa do Seminário.

Local: Auditório do Ministério Público – Rua Grande – Centro – São Luis (MA)

27 de setembro de 2011 (terça-feira)

9h – Painel 1- Conferência de abertura: Comunicação e (des)igualdade étnico-racial no Brasil (uma leitura de realidade). Palestrante: Rosane Borges. Debatedores: Socorro Guterrez (Centro de Cultura Negra-MA), Prof. Francisco Gonçalves (UFMA), Rose Panet  (Professora da Faculdade São Luís) e Margareth de Jesus (psicóloga).

12h – Intervalo para o almoço.

14h – Oficina “Como me vejo na mídia? Qual a cor da mídia?” Coordenação: Rede Amiga da Criança.

17h30 – Encerramento.

28 de setembro (quarta-feira)

9h – Painel 2 – A atuação da mídia e novas possibilidades. Campanha “Por uma infância sem racismo” – UNICEF.

11h – Debate com o público.

12h – Intervalo para o almoço.

14h

Oficina 1 – “Como me vejo na mídia? Qual a cor da mídia?” Coordenação: Rede Amiga da Criança.

Oficina 2 – “Qual o papel do comunicador na construção da igualdade étnico-racial?” Coordenação: Agência Matraca. Facilitadora: Milena Reis.

17h30 – Encerramento.

Com Joãozinho Ribeiro são “Outros 400”

9 julho 2011

Compositor inicia temporada de apresentações no Novo Armazém. Música, cinema, teatro, artes visuais, literatura e declarações de amor à São Luís irão compor o cardápio artístico da série.

 

O compositor Joãozinho Ribeiro (foto) decidiu voltar aos palcos. Após anos dedicados à gestão cultural, ao ensino superior e ao ofício de funcionário público, o artista resolveu tirar a poeira do baú e mostrar que são regras as exceções – o circuito musical Samba da Minha Terra (2003), o lançamento de seu livro-poema Paisagem Feita de Tempo (2006) e mais recentemente os shows Noel, Rosa secular (2010/2011), em que dividiu o palco com Cesar Teixeira, Chico Saldanha e Josias Sobrinho, e Baile do Parangolé (2011), aniversário da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, de que é sócio, em que dividiu o palco com Cesar Teixeira (também sócio), Lena Machado e Rosa Reis.

Na série Outros 400, Joãozinho Ribeiro se cercará de amigos-artistas, irmãos de copo & alma, para brindar São Luís, cidade que tanto ama, com boa música. Um dos compositores mais gravados do Maranhão, ele tem colecionado parceiros e intérpretes desde 1979, ano da histórica greve da meia passagem em que militou e de sua estreia musical, em festivais universitários.

Além da música, outras linguagens artísticas se somarão à aritmética cujo resultado são Outros 400: artes visuais, teatro, literatura e cinema, entre outros. “Trata-se de uma série, que será apresentada quinzenalmente às quintas-feiras, no Novo Armazém. A cada quinta, um convidado ou uma convidada e uma turma de outras expressões ocupando o espaço com o que fazem de melhor”, explica e anuncia Joãozinho Ribeiro.

Cinema – A estreia de Outros 400 acontece dia 14 de julho, às 21h. Uma mostra cinematográfica com curtas-metragens maranhenses, sob curadoria de Frederico Machado, inaugura a noite e a série: Outros 400 será também a festa oficial de abertura do Lume International Film Festival, maior festival de cinema de que a capital maranhense já teve notícia, que acontece em São Luís entre 14 e 23 de julho.

Após a mostra é a vez de Joãozinho Ribeiro encantar a plateia presente, acompanhado do Regional 400 (reza a lenda que o nome do grupo é o resultado da soma das idades de seus integrantes): Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Mauro Travincas (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete).

No repertório, clássicos da lavra de Joãozinho Ribeiro, a exemplo de, entre outras, Milhões de uns, Passamento, Erva santa e Esquina da solidão. Como convidados para a inauguração da série, uma constelação de primeira grandeza, um desfile de craques, uma seleção vitoriosa: a dupla Criolina (Alê Muniz e Luciana Simões, recentemente vencedores da categoria “Melhor álbum” – Cine Tropical – no Prêmio da Música Brasileira), Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Josias Sobrinho (trio com que apresentou o tributo a Noel Rosa), Anna Cláudia, Betto Pereira, Célia Maria, João Madson, Lena Machado e Lenita Pinheiro.

AniversárioOutros 400 é também uma celebração aos aniversários vindouros de São Luís, que completa 399 anos no próximo 8 de setembro. Datas comemorativas são sempre cheias de celebrações oficiais. A população que quiser dar os parabéns à São Luís pode, dentro dos Outros 400, completar o tradicional “parabéns a você/ nesta data querida/ muitas felicidades/ muitos anos de vida” com seus votos para o futuro de nossa capital.

“Disponibilizaremos cadernos para que sejam deixadas mensagens de próprio punho, registrando de forma simples, mensagens de amor à cidade de São Luís. O resultado disso será levado ao Arquivo Público do Estado para que no futuro nossos anseios sejam lembrados e possamos ver se nossos sonhos para a cidade se realizaram”, explica a produtora cultural Cássia Melo, mentora da ideia.

Serviço

O quê: Estreia da série Outros 400 e lançamentos do I Lume International Film Festival e do projeto Mensagens à São Luís.
Quem: o compositor Joãozinho Ribeiro e convidados, o cineasta Frederico Machado e a produtora cultural Cássia Melo.
Quando: dia 14 de julho (quinta-feira), às 21h.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, Praia Grande).
Quanto: R$ 10,00 (ingresso individual).

O Maranhão cai no choro

8 junho 2011

Saudando a chegada da temporada junina Regional Azeite Brasil incorpora ao choro elementos da cultura popular maranhense.

Toadas e sotaques de bumba meu boi, a malemolência e sensualidade do cacuriá, entre diversos outros ritmos da cultura popular maranhense integram o cardápio musical da Toca da Empada nesta sexta-feira (10). Aos chorões já acostumados com o novo endereço do mais brasileiro de todos os gêneros musicais em São Luís, calma!: o bom e velho choro continua a toda.

“Os festejos juninos chegaram e vamos botar umas pitadas de Maranhão no choro”, anuncia João Neto, flautista do Regional Azeite Brasil, que tem temperado as noites de sexta-feira na Toca da Empada (Edifício Executive Center, Rua Queóps, Renascença, ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais). O grupo se completa com João Eudes (violão sete cordas), Wanderson (percussão) e Wendell Cosme (cavaquinho).

Consolidada no cenário musicultural da capital maranhense a produção da série Na Toca do Choro estuda não interrompê-la durante o período junino. O que acha você, que lê esta divulgação, ouve choro e frequenta a animada roda? Dê aí o seu pitaco!

Serviço

O quê: Na Toca do Choro.
Quem: Regional Azeite Brasil: João Eudes (violão sete cordas), João Neto (flauta), Wanderson (percussão) e Wendell Cosme (bandolim e cavaquinho).
Quando: sexta-feira (10), às 19h.
Onde: Toca da Empada (Edifício Executive Center, Rua Queóps, Renascença. Ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).
Quanto: R$ 10,00 (couvert artístico individual).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com
Redação: Zema Ribeiro

Fundação Grupo Esquel Brasil seleciona agentes estaduais de fundos solidários

23 fevereiro 2011

A Fundação Grupo Esquel Brasil está com edital aberto para a contratação de Agentes Estaduais Mobilizadores e Organizadores de Fundos Solidários nos estados da Bahia, Pernambuco, Paraíba, Piauí e Maranhão. Os selecionados atuarão no Projeto de Apoio às Finanças Solidárias com Base na Organização de Fundos Solidários, que conta com apoio da Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

A duração do contrato varia de acordo com o estado. A contratação inicial será por doze meses nos Estados da Bahia, Pernambuco, Paraíba e Maranhão, e seis meses no Piauí. O salário mensal é de R$ 2.000,00. Baixe aqui o edital. Maiores informações e envio de currículos (até sexta-feira, 25) para Barbara Schmidt Rahmer, pelo e-mail barbara@pastoraldacrianca.org.br, e para Cristina Gusmão, cristinarochagusmao@ig.com.br

Senaes seleciona agentes estaduais de fundos solidários

22 fevereiro 2011

A Fundação Grupo Esquel Brasil está com edital aberto para a contratação de Agentes Estaduais Mobilizadores e Organizadores de Fundos Solidários, nos estados da Bahia, Pernambuco, Paraíba, Ceará, Piauí e Maranhão. Os selecionados atuarão junto a Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O contrato tem duração de quinze meses e o salário mensal é de R$ 2.000,00. Baixe aqui o edital. Maiores informações e envio de currículos para Barbara Schmidt Rahmer, pelo e-mail barbara@pastoraldacrianca.org.br

Desconsiderem este post. Vejam o próximo (datado de hoje, 23 de fevereiro), com as informações corretas.

Baile do Parangolé: 32 anos da SMDH

6 fevereiro 2011

Arte: Bruno Galvão

Realizado pela primeira vez em 2010, o Baile do Parangolé chega sábado, 12, às 21h30min, a sua segunda edição. Trata-se de festa carnavalesca que marca o aniversário de 32 anos da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) – fundada nesta data, em 1979, no bojo das lutas pela anistia.

Nesta temporada pré-carnavalesca de 2011, o Baile do Parangolé mudou de endereço, esperando abrigar um público ainda maior que o de sua primeira edição, com conforto e segurança. Será seu palco o Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande).

A Banda do Parangolé foi formada exclusivamente para a ocasião, reunindo “feras da mais alta periculosidade instrumental”, como salientou o sociólogo e radialista Ricarte Almeida Santos no Chorinhos e Chorões de domingo passado (6); Antonio Paiva (contrabaixo), Arlindo Carvalho (percussão), Fleming (bateria), Hugo Barbosa (trompete), João Soeiro (violão), Juca do Cavaco, Nelma Carafunim (saxofone) e Osmar do Trombone.

Grupo para ninguém botar defeito, as estrelas da noite idem: Cesar Teixeira, autor do coco que empresta nome ao baile, Joãozinho Ribeiro, sócios da SMDH, Lena Machado e Rosa Reis – todos, artistas de reconhecimento nacional.

As camisas para o Baile do Parangolé custam R$ 40,00 (unidade) e R$ 30,00 (preço promocional para quem comprar a partir de duas). Podem ser adquiridas nas sedes da SMDH (Av. Castelo Branco, 697, Altos, São Francisco) e União por Moradia Popular (Rua dos Afogados, 554, Centro) e na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande).

Personagens – Conheça um pouco da história de quem faz o 2º. Baile do Parangolé.

A SMDH – A Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) foi fundada em 12 de fevereiro de 1979 – à época com um D a mais na sigla, de “defesa”. Entidade da sociedade civil de natureza pública, espaço político de denúncia contra o arbítrio e a violência, tão comuns durante a ditadura militar, quando de sua fundação. Mobilização popular, educação de base e formulação de denúncias de violações de direitos foram, desde sempre, suas estratégias de atuação.

Cesar Teixeira – Jornalista, poeta, compositor, artista plástico. Foi assessor de comunicação da SMDH entre 1989 e 2002. É sócio da entidade, da qual já integrou o Conselho Consultivo. Lançou, em 2004, Shopping Brazil, seu único disco. Autor de clássicos da música produzida no Maranhão, tem sua obra gravada sistematicamente desde a década de 1970. Atualmente é coordenadora editorial do jornal Vias de Fato.

Joãozinho Ribeiro – Bacharel em Direito, especialista em Direitos Autorais. Funcionário público, é técnico da Receita Federal. Poeta, publicou em 2006 o livro Paisagem feita de tempo (Ed. do autor). É um dos compositores mais gravados do Maranhão, tendo vencido em 2001 o Prêmio Universidade FM, com seu choro Milhões de uns, interpretado por Célia Maria. Ex-secretário de Estado da Cultura, foi coordenador executivo da II Conferência Nacional de Cultura (MinC).

Lena Machado – Assessora da Cáritas Brasileira Regional Maranhão estreou em disco em 2006 com Canção de Vida, que celebrou os 50 anos de atuação da entidade no Brasil. No ano anterior, participou, ao lado de Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Gildomar Marinho, do show que festejou os 26 anos da SMDH. Ano passado lançou, com músicas destes e outros compositores maranhenses, Samba de minha aldeia, elogiado entre outros por Nelson Motta.

Rosa Reis – Coordenadora do Laboratório de Expressões Artísticas do Maranhão (Laborarte), pesquisadora da cultura popular do Maranhão. Cantora que valoriza estes elementos em seu trabalho, tem vários discos gravados, o mais recente Brincos (Funarte, 2009), no qual realiza um apanhado de clássicos da música do Maranhão nas últimas quatro décadas.

Bruno Galvão – Artista plástico, assina a identidade visual do 2º. Baile do Parangolé. Somou seu talento ao aprendizado em cursos de desenho e artes nos centros de Cultura Negra (CCN/MA) e de Criatividade Odylo Costa, filho (CCOCf), em São Luís. integra o coletivo Nagô, que assina diversos painéis em grafite na Ilha. Realizará em breve sua primeira exposição individual.

Serviço

“Na Estrada com Carlinhos Veloz” levará música do Maranhão a 20 cidades do Nordeste

20 janeiro 2011

Show conta com participações especiais de Gildomar Marinho e Carlinhos Veloz e oferece ainda oficina-palestra sobre a música do Maranhão para alunos da rede pública de ensino. Os espetáculos têm entrada franca

Reprodução DVD Espelho d’Água

Levar a música do Maranhão ao conhecimento de parte do Nordeste. Este é um dos objetivos do projeto Na Estrada com Carlinhos Veloz, que estreou na capital maranhense no último domingo (16), com patrocínio da Petrobras, através da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura.

A turnê do músico pernambucano de nascimento e maranhense de adoção percorrerá 20 cidades, entre capitais e interiores, nos nove estados da região. Carlinhos Veloz contará com as participações especiais dos artistas Gildomar Marinho e Wilson Zara. Além de cantar na abertura dos shows, eles são responsáveis por uma oficina-palestra sobre a música e a cultura populares do Maranhão e pela técnica de som, respectivamente.

A on the road band de Carlinhos Veloz é formada pelos músicos Carlos Raqueth (contrabaixo), George Gomes (bateria), Jesiel Bives (teclado) e Marcos Lussaray (guitarra), contando com a participação especial de Jeff Soares (contrabaixo e violoncelo), também assistente de som.

A agenda completa das apresentações pode ser conferida no blogue de Carlinhos Veloz

Os artistas

A cidade de Imperatriz, no Maranhão, não foi incluída na rota de Na Estrada com Carlinhos Veloz. Mas ela guarda uma feliz coincidência na carreira dos três: foi ali, às margens do Rio Tocantins, que os três artistas se “formaram” musicalmente.

Carlinhos Veloz, nascido em Pernambuco, mudou-se cedo para lá com a família. Gildomar Marinho, de Santa Inês, e Wilson Zara, de Barra do Corda, ambas no interior do Maranhão, também desembarcaram em Imperatriz. Ali se conheceram e fizeram música. Os dois primeiros, inclusive, têm composições que são homenagens explícitas à cidade e ao rio que a banha: em seus primeiros discos, Carlinhos Veloz gravou Imperador Tocantins, de sua autoria; mais ou menos duas décadas depois, também em seu disco de estreia, Gildomar Marinho lançou a inspirada Tocantins, de sua autoria.

Wilson Zara abandonou uma “promissora” carreira de bancário para dedicar-se integralmente à música: com o dinheiro da indenização comprou uma aparelhagem de som e ganhou a noite, mudando-se em seguida para São Luís. Gildomar Marinho, bancário de profissão, leva em paralelo os dois ofícios e lançou ano passado o segundo disco, Pedra de Cantaria.

Carlinhos Veloz tem quatro discos lançados: Ilha Bela, Vê Luz, Vibratons e Baião de 2 (em dupla com César Nascimento) e o dvd Espelho d’Água, gravado ao vivo no Teatro Arthur Azevedo.

Na Estrada, o roteiro

16, São Luís/MA: Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, 20h

17, Santa Inês/MA: Auditório do Centro de Ensino José Sarney, 20h

18, Caxias/MA: Centro da Juventude Volta Redonda, 10h

18, Teresina/PI: Auditório da Secretaria Municipal de Educação, 20h

19, Floriano/PI: Espaço Cultural Maria Bonita (Cais da Beira-Rio), 10h

19, Picos/PI: Secretaria Municipal de Cultura, 20h

20, Petrolina/PE: Auditório da Biblioteca da UNIVASF, 20h

21, Salvador/BA: Teatro da Livraria Cultura, 19h

22, Aracaju/SE: Teatro do Centro de Criatividade, 20h

24, Maceió/AL: a confirmar

25, Garanhuns/PE: Centro Cultural Alfredo Leite, 20h

26, Caruaru/PE: Teatro João Lira, 20h

27, Recife/PE: Paço Alfândega, 20h

28, João Pessoa/PB: a confirmar

29, Campina Grande/PB: a confirmar

31, Natal/RN: Teatro de Cultura Popular Manoel Marinheiro, 20h

1º./2, Mossoró/RN: a confirmar

2/2, Fortaleza/CE: a confirmar

3/2, Juazeiro do Norte/CE: a confirmar

4/2, Crato/CE: a confirmar

Seminário de Direitos Humanos discutirá criminalização dos movimentos sociais

7 dezembro 2010

Promoção da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, evento celebra 62 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) foi adotada e proclamada na Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Completa, em 2010, 62 anos. Para celebrar a data a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) realiza o Seminário Direitos Humanos 2010, cujo tema é “Criminalização dos Movimentos Sociais”.

“Trata-se de uma temática atualíssima, diante do quadro trágico vivido por defensores de direitos humanos e militantes do movimento social, num cenário de rebeliões em presídios, assassinatos de lideranças quilombolas e trabalhadores rurais. É oportuno discuti-la no Maranhão e faremos isso junto de agentes populares de Direito, que vêm sendo capacitados ao longo dos últimos dez anos, pela SMDH, para o combate imediato a violência e às violações de direitos”, afirma a advogada Joisiane Gamba, da SMDH.

Além dos agentes populares de Direito, o Seminário Direitos Humanos 2010 é aberto a interessados. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no Auditório do Seminário Santo Antônio (Praça Antonio Lobo, 4, Centro, São Luís/MA), onde o mesmo acontecerá. A SMDH é filiada ao Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), parceiro na realização do Seminário. Veja a seguir sua programação completa.

PROGRAMAÇÃO

Dia 10 de dezembro de 2010
14h30min – Abertura
15h às 18h – O fortalecimento da luta por direitos e a criminalização de defensores de direitos humanos no Maranhão.
a) Painel 1 – Depoimentos de casos de criminalização de defensores e movimentos sociais (1h);
b) Apresentação dos resultados do levantamento de casos de criminalização de defensores e movimentos sociais realizado pela SMDH (40min);
c) Palestra (40min) seguida de debate (40min).
18h – Programação Cultural.

Dia 11 de dezembro de 2010
8h – Abertura dos trabalhos
8h30min às 11h – Mesa redonda sobre Mecanismos de proteção de defensores de direitos humanos.
a) Marcos legais de proteção aos defensores de direitos humanos (40min);
b) Ações de resistência à criminalização dos defensores e movimentos sociais construídas pela sociedade civil (40min);
c) Debate (1h).
11h às 11hh20min – Leitura e aprovação do Manifesto das entidades da sociedade civil contra a criminalização de defensores de direitos.
11h30min às 12h – Encerramento (Programação Cultural).

Chico Nô é atração do Café Recanto Verde nesta sexta-feira (19)

17 novembro 2010

Divulgação

Mais novo espaço musical, gastronômico e paisagístico de São Luís, o Café Recanto Verde (foto) terá em seu palco, nesta sexta-feira (19), a partir das 21h, show do cantor e compositor maranhense Chico Nô.

O artista apresentará repertório que passeia por música popular brasileira, samba, choro e ritmos da cultura popular do Maranhão.

O Recanto Verde (Av. General Arthur Carvalho, 100, Miritiua/Turu – 5km a partir do posto Natureza, no Turu) é um misto de chácara, bar e restaurante. Funciona às sextas-feiras, quando à noite tem música ao vivo, e aos domingos e feriados, com um delicioso café da manhã.

O café funciona já faz mais de um ano. A música ao vivo começou a ser realizada há pouco mais de um mês. O espaço agrada aos olhos – o paisagismo do jardim é cuidado pelos proprietários –, ao paladar – gastronomia é outro ponto forte do lugar –, aos ouvidos – música de qualidade em volume que respeita as boas conversas – e ao bolso: o couvert artístico custa apenas R$ 5,00 e o espaço dispõe de estacionamento próprio, gratuito (Zema Ribeiro).

Cáritas celebra 54 anos no 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca

9 novembro 2010

Arte de Zema Ribeiro

Festival tem início hoje (10) e vai até dia 12 (sexta-feira), data em que a Cáritas Brasileira completa 54 anos de atuação no País.

A Rede Mandioca atualmente articula mais de 70 grupos, comunidades e associações de produtores, fazendo-se presente em cerca de 35 municípios, em todas as regiões do Maranhão. Entre as premissas de sua Carta de Princípios, documento discutido e aprovado em plenárias estaduais, está a valorização da cultura da mandioca, elemento bastante importante na mesa do maranhense.

A Rede Mandioca e a Cáritas Brasileira Regional Maranhão realizam, entre hoje (10) e sexta-feira (12), em São Luís, o 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca. O evento integra a programação da Semana Nacional da Solidariedade, que celebra em todo o Brasil, os 54 anos de atuação da Cáritas no país. O organismo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil integra a rede Caritas Internationalis, presente em cerca de 200 países.

O Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho e a Praça Valdelino Cécio, ambos na Praia Grande, abrigarão as atividades ao longo dos três dias de festival: atividades de formação (debates, seminários, palestras), feira (comercialização da produção de grupos e associações filiadas à Rede Mandioca) e atividades culturais (shows musicais) compõem a programação.

Armando a Rede – A Rede Mandioca surgiu em 2004, inspirada em outras experiências bem sucedidas de articulação em rede, pautadas nos princípios da economia popular solidária. Sua área de atuação é o estado do Maranhão, embora vez por outra, dialogue com experiências em outros estados. A Cáritas Brasileira Regional Maranhão responde pela assessoria técnica à articulação.

Foi durante um encontro de planejamento da Cáritas, aliás, que surgiu a ideia de articular em rede, produtores, não só de mandioca: a Rede Mandioca congrega também artesãos, criadores de pequenos animais, extrativistas e agricultores, entre outros. O 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca terá representantes de todas as regiões do Maranhão. Veja a seguir sua programação completa.

Programação

Dia 10 (quarta-feira): 16h: Abertura oficial do 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca > Lançamento da nova logomarca da Rede Mandioca > Feira (Praça Valdelino Cécio) > 19h: Show de Chico Nô (Praça Valdelino Cécio).

Dia 11 (quinta-feira): Seminário Estadual sobre Produção, Beneficiamento, Comercialização e Consumo Ético Solidário (Auditório Rosa Mochel, Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho). 9h: Mesa: Produção e beneficiamento da produção agroecológica (Rede de Agroecologia do Maranhão/RAMA, Associação em Áreas de Assentamento no Estado do Maranhão/ASSEMA, Associação dos Trabalhadores(as) Rurais da Comunidade de Cantos dos Bois/Vargem Grande/MA) > 10h30min: Mesa: Fundos Rotativos (Clarício dos Santos Filho/BNB/ETENE) > 15h: Feira (Praça Valdelino Cécio) > 19h: Show: Forró Pé no Chão de Seu Raimundinho (Praça Valdelino Cécio).

Dia 12 (sexta-feira): 10h30min: Mesa: Comercialização e Consumo Ético Solidário (Instituto Marista de Solidariedade/IMS, Companhia Nacional de Abastecimento/Conab, Cooperativas dos Trabalhadores Agroextrativistas de Vargem Grande/Coopervag, FNDE/PNAE) (Auditório Rosa Mochel, Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho) > 15h: Feira (Praça Valdelino Cécio) > Show: Cesar Teixeira (Praça Valdelino Cécio).

SEMANA DA SOLIDARIEDADE

POR DOM DEMÉTRIO VALENTINI*

O mês de novembro sempre evoca a Cáritas. Não é por menos. Ela faz aniversário no dia 12, lembrando sua fundação em 1956, por obra e graça de Dom Helder Câmara. No mês do seu aniversário, para festejá-lo bem, a Cáritas Brasileira promove a Semana da Solidariedade, tendo o dia 12 como referência para definir seu calendário.

Neste ano, a Semana da Solidariedade faz apelo a duas circunstâncias, ambas especiais, e que interpelam a Cáritas. A primeira é a importante definição política que o País acaba de realizar, com o término das eleições, que dessa vez foram amplas e gerais.

Definidos os comandos políticos, nas esferas nacional e estadual, sejam quais forem as composições resultantes, uma constatação salta aos olhos: o governo sozinho nunca resolverá todos os problemas do povo. Sempre haverá necessidade de iniciativas e de participações, que superam as restritas obrigações legais e apelam para a solidariedade.

A solidariedade não precisa ser eleita, mas sim reconhecida, incentivada, organizada e assumida. Ela motiva a cidadania, que lhe aponta as urgências prementes, dando-lhe os contornos definidos; oferece ao Estado os seus préstimos, que acabam viabilizando uma administração pública com plenas garantias de estar a serviço das verdadeiras causas do governo, é sempre bem-vinda, sempre tem seu lugar, sempre contribui com valores que passam a ser melhor integrados nos relacionamentos sociais, econômicos, políticos e culturais.

Semente fecunda – A outra circunstância especial da Semana da Solidariedade desde ano é o Prêmio Odair Firmino, criado recentemente e que terá o seu primeiro ganhador nessa ocasião. O nome lembra a pessoa que todos recordam com saudade e admiração Odair Firmino. Ele esteve décadas ligado à Cáritas, deixando um inequívoco testemunho de humanidade, respeito, competência e identificação com os ideais dessa instituição. Odair foi a pessoa que todos gostariam de ter como companheiro de luta, como amigo de todas as jornadas, como figura a inspirar otimismo e confiança.

Realmente não podia ter sido escolhido nome mais adequado do que este, que recorda uma presença inesquecível para a Cáritas Brasileira. O objetivo do Prêmio Odair Firmino é incentivar a consolidação das Cáritas Diocesanas e impulsionar o surgimento das Cáritas Paroquiais, conforme meta estabelecida na última Assembleia da Cáritas Brasileira.

Enfim, cada vez mais se comprova que a semente fecunda da solidariedade encontra chão propício no seio das comunidades próximas à vida do povo, às paróquias, com suas ramificações comunitárias.

Neste chão, a solidariedade encontra mais facilmente condições propícias para a gratuidade, que enobrece sobremaneira a solidariedade e lhe dá o sabor especial da caridade consciente, atenta e organizada, permitindo iniciativas que dão motivações novas para as comunidades, despertando-as para a participação social adulta e comprometida.

A Semana da Solidariedade, com a concessão do Prêmio Odair Firmino, certamente deixará marcas especiais neste ano que tem muito de especial para a nossa realidade brasileira.

*Dom Demétrio Valentini é bispo de Jales (SP) e presidente da Cáritas Brasileira. Artigo originalmente publicado na Revista Família Cristã nº. 76, de novembro/2010.

“Pedra de Cantaria Acústico” no Centro Cultural Oboé

3 setembro 2010

Gildomar Marinho lança segundo disco na terça-feira, em show acústico.

Gildomar Marinho em estúdio, durante as gravações de "Pedra de Cantaria". Foto: divulgação

Fortaleza – O cantor, compositor e violonista Gildomar Marinho (foto) acaba de lançar seu segundo disco, Pedra de Cantaria. No último dia 28 de agosto fez concorrido show de lançamento no BNB Clube Aldeota, em Fortaleza/CE, onde o maranhense está radicado.

Agora continua a percorrer a capital cearense, onde o disco foi gravado e mixado, divulgando-o. No próximo dia 8 de setembro (terça-feira), às 19h, Gildomar Marinho leva o espetáculo Pedra de Cantaria Acústico ao palco do Centro Cultural Oboé (Rua Maria Tomasia, 531, Aldeota).

Hoto Jr. (percussão e direção musical) e Dudu Holanda (violões) irão acompanhar Gildomar Marinho (voz e violão) em apresentação onde ele interpretará faixas do novo trabalho, da estreia Olho de Boi, além de inéditas.

Pedra de Cantaria, o disco, teve boa aceitação pelo público. Musical e graficamente traz elementos da cultura popular do Maranhão, estado natal do artista, hoje morando em Fortaleza por conta do ofício de bancário.

“O público foi bem receptivo, o que deixa a gente muito contente, afinal de contas, é o reconhecimento de um longo trabalho. Esse formato mais enxuto, para essa apresentação no Oboé, não diminui a vontade que a gente tem de mostrar ao público essa ponte Maranhão Ceará, presente desde o primeiro disco”, afirma Gildomar Marinho.

“Além do mais, é um privilégio reverberar a música maranhense em um espaço pensado para a fruição da boa arte, como é o Centro Cultural Oboé. Um local aconchegante como uma casa que aproxima o anfitrião e seus convidados em memoráveis encontros, tendo a cultura e arte como elementos aglutinadores”, complementa o artista.

O discoPedra de Cantaria (2010) é o segundo disco de Gildomar Marinho, cuja estreia fonográfica aconteceu ano passado, com Olho de Boi. Nos discos, o artista vem fazendo um apanhado de mais de 20 anos de composição.

O repertório é quase completamente autoral, trazendo ainda parcerias com o jornalista Zema Ribeiro (a faixa-título) e o radialista Ricarte Almeida Santos (o choro Pra chorar no Rio). A exceção é Não fale nada (Batista Marinho), bolero que Gildomar resgatou da obra do pai, que o ensinou os primeiros acordes em um cavaquinho, ainda aos cinco anos de idade.

Merecem destaque ainda as participações especiais de Carlinhos Veloz (O Rio), Celso Borges (o poeta declama Vazio, poema de sua autoria, na faixa Claustrofobia), Erasmo Dibell (em Madre, ode à Madre Deus, bairro boêmio de São Luís) e Lília Diniz (a poeta declama um lamento de Dona Elza, artista popular maranhense, na abertura do carimbó elétrico Batalha do cerrado, homenagem ao líder camponês Manoel da Conceição).

“Todo o repertório do Pedra de Cantaria será mostrado no show, em que lembrarei também músicas do Olho de Boi, que contou com a participação especialíssima da mineira Ceumar [no samba-choro Alegoria de saudade], radicada na Holanda, além de músicas inéditas. É hora de começar a testar o repertório para o próximo disco”, antecipa Gildomar.

“Queremos também lançar Pedra de Cantaria em São Luís e Imperatriz, contando, no palco, com a participação de todos que ajudaram a fazer o disco e na sequência voltar ao estúdio para Tocantes, que é como estou chamando provisoriamente o terceiro disco”, finaliza.

Serviço

O quê: show Pedra de Cantaria Acústico.
Quem: Gildomar Marinho.
Quando: dia 8 de setembro (terça-feira), às 19h.
Onde: Espaço Cultural Oboé (Rua Maria Tomasia, 531, Aldeota, Fortaleza/CE).

Grande Encontro de blogueiros e tuiteiros progressistas em São Luís

30 agosto 2010

CONVITE

Convidamos você, blogueiro/a e tuiteiro progressista a participar do GRANDE ENCONTRO DOS BLOGUEIROS E TWITTEIROS PROGRESSISTAS DO MARANHÃO.

O encontro acontece na quinta-feira (2 de setembro), a partir das 13h às 20h, no antigo Quality Grand São Luís Hotel (antigo Vila Rica, ao lado da Igreja da Sé, Praça Pedro II, Centro, São Luís/MA). Inscrições prévias poderão ser reservadas pelo e-mail noderede@gmail.com. No dia, será feita no próprio local do encontro.

Convocado por blogues como Acorda Alice, CISocial, ComContinuação, Ecos das Lutas, (blogue do) Ed, Entreatos, (blogue do) Eri, (blogue do) Itevaldo, Last but not least, Rico Choro, Sustentabile, O Juízo Final e (blogue do) Zema, o Encontro é decorrente dos encaminhamentos do Encontro de Blogueiros Progressistas do Brasil, realizado em São Paulo.

No Maranhão, a iniciativa dos blogues conta com o apoio da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, Agência Matraca, Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), NEEC-UFMA e Instituto Barão de Itararé, conformando o projeto Nó de Rede, que objetiva constituir uma rede de blogueiros comprometidos com a defesa dos direitos humanos, da democratização da comunicação e a mudança social, política e econômica no Maranhão. Confira abaixo a programação do Grande Encontro de Blogueiros e Tuiteiros Progressistas do Maranhão.

SERVIÇO

Aguardamos sua confirmação (antecipadamente pelo e-mail noderede@gmail.com ou na hora e local do encontro) e presença.
Data: 2 de setembro (quinta-feira).
Hora: das 13h às 20h.
Local: Quality Grand São Luís Hotel (antigo Hotel Vila Rica, ao lado da Igreja da Sé, Praça Pedro II, Centro, São Luís/MA)

Objetivos:
1. Organizar rede de blogueiros e tuiteiros comprometidos com a promoção dos direitos humanos, a democratização da comunicação e a mudança social, política e econômica do Maranhão;
2. Articular ações comunicativas, interativas e colaborativas entre os blogueiros e tuiteiros interessados na produção compartilhada de conhecimento;
3. Buscar a inovação científica e tecnológica necessária à interação na internet e à produção compartilhada e colaborativa de conhecimento na rede.

PROGRAMAÇÃO:

13h – inscrições no Encontro de Blogueiros e Tuiteiros Progressistas do Maranhão. Coordenação: Sóstenes Salgado (Blog CISocial).
14h30min – Abertura. Saudações à plenária, apresentação dos objetivos e programa do Grande  Encontro de Blogueiros e Tuiteiros Progressistas do Maranhão e informes do 1°. Encontro de Blogueiros Progressistas do Brasil, com Ricarte Almeida Santos (Blog Rico Choro, secretário executivo da Cáritas Brasileira Regional Maranhão), Luís Antônio Câmara Pedrosa (Blog do Pedrosa, assessor jurídico da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos–SMDH) e Itevaldo Júnior (Blog do Itevaldo). Coordenação: Elen Mateus (Blog Last But Not Least, assessora de comunicação do Centro de Defesa dos Direitos das Crianças e Adolescentes Pe. Marcos Passerini).

15h – Conferência de abertura. Internet, democracia e mudança social, com Rogério Tomaz Jr. (Blog Conexão Brasília-Maranhão, assessor de comunicação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados). Coordenação: Zema Ribeiro (Blog do Zema, assessor de comunicação da Cáritas-MA).

16h – Mesa Redonda I – Ameaças à democracia e à Internet versus ações interativas e compartilhadas na rede, com Francisco Gonçalves (coordenador do NEEC-UFMA) e Guilherme Zagallo (OAB-MA). Coordenação: Franklin Douglas (Blog Ecos das Lutas).

17h – Mesa Redonda II – Produção de conteúdo, sustentabilidade de blogue e tuiter e inovação tecnológica, com Ed Wilson (Blog do Ed) e Márcio Carneiro (Professor da UFMA). Coordenação: Marcos Franco (Blog Entreatos e presidente da AMI).

18h – Intervalo para articulações, trocas de links e bate-papo.

18h30min – Plenária Final – aprovação da Carta dos Blogueiros e Tuiteiros Progressistas do Estado do Maranhão.

AO LONGO DA PROGRAMAÇÃO, PRONUNCIAMENTOS DOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO MARANHÃO

Casa Fanti Ashanti lança documentário e cd nesta sexta-feira (13)

11 agosto 2010

Festa de lançamento contará com pré-estreia do documentário Pedra da Memória, mostra fotográfica, lançamento do cd Boi de Encantado e apresentações do Bumba meu boi Garotos do Cruzeiro e Tambor de Taboca da Casa Fanti Ashanti

Nesta sexta-feira (13), os ludovicenses poderão conferir os resultados do projeto Pedra da Memória, que levou Pai Euclides Talabyan e uma comitiva da Casa Fanti Ashanti do Maranhão ao Benin. Coordenado pela musicista e pesquisadora Renata Amaral (d’A Barca) o projeto recebeu o Prêmio Interações Estéticas da Funarte/MinC, promovendo um profundo diálogo entre as culturas dos dois países.

Cerimonia Geledé em Sakete. Foto: divulgação

Ao longo de um mês, a equipe visitou as cidades de Cotonou, Abomey, Ketou, Porto Novo, Ouidah, Allada, Pobe e Sakete, realizando encontros e registros audiovisuais de diversas tradições como os toques de vodum, Zangbeto, Egungun, cerimônias geledés, música kudo e as tradições dos agudás, os afrobrasileiros do Benin, descendentes de ex-escravos e trabalhadores do tráfico escravagista que retornaram à terra natal quando a escravidão foi abolida.

Esta experiência transformadora resultou no documentário e na mostra fotográfica que terão pré-estreia na Casa de Nhozinho (Rua Portugal, Praia Grande). Dirigido por Renata Amaral e editado por Diana Gandra, o documentário traz um diálogo estético entre as tradições populares do Brasil e do Benin (África Ocidental), em uma aproximação poética e reveladora conduzida pela memória de Euclides.

Fruto ainda da residência artística de Renata na Casa Fanti Ashanti, que se tornou Ponto de Cultura em 2006, também será lançado no evento o cd Boi de Encantado, do tradicional Bumba meu boi Garotos do Cruzeiro, um registro inédito que inclui mais de 20 toadas representativas dos 56 anos de atividades do grupo, compostas por Pai Euclides e seus encantados.

O grupo se apresentará na ocasião, ao lado do Tambor de Crioula de Taboca Veneradores de São Benedito. Ambos são da Casa Fanti Ashanti.

Serviço:

O quê: Lançamento do documentário Pedra da Memória e do cd Boi de Encantado.
Quando: dia 13 de agosto (sexta), às 19h30min.
Onde: Casa de Nhozinho (Rua Portugal, 185, Praia Grande, fone: (98) 3218-9951).
Quanto: entrada franca.

Assessoria de imprensa e redação: Benedita Freire

“Pedra de Cantaria” em primeira audição

18 junho 2010

Novo disco de Gildomar Marinho terá primeira audição pública no Bar do Léo, em São Luís/MA

Foto: Paulo Caruá

Aproveitando uma rápida passagem pela capital maranhense, o cantor e compositor maranhense Gildomar Marinho realizará sessão de audição de Pedra de Cantaria no Bar do Léo (Hortomercado do Vinhais), neste sábado (19), às 20h.

Seu segundo disco, a ser lançado ainda em 2010, foi gravado e mixado em Fortaleza/CE, onde o compositor está radicado por conta de seu ofício de bancário do Banco do Nordeste – de quem o trabalho tem apoio cultural, através do programa Cultura da Gente.

“O disco está sendo masterizado e será prensado em breve, devo lançá-lo no máximo em agosto”, avisa o artista. Do novo disco, dois hits já se destacam: o choro Pra chorar no Rio, parceria com Ricarte Almeida Santos, e o carimbó Batalha do cerrado, homenagem ao líder camponês Manoel da Conceição; a primeira já teve execução no Chorinhos e Chorões, apresentado pelo parceiro, e a segunda já está disponível para audição e download no myspace de Gildomar. A faixa-título é parceria dele com Zema Ribeiro. O disco Pedra de Cantaria tem 14 faixas.

Serviço

O quê: sessão de audição avant-première do disco Pedra de Cantaria.
Quem: o cantor e compositor maranhense radicado em Fortaleza Gildomar Marinho.
Quando: dia 19 (sábado), às 20h.
Onde: Bar do Léo (Hortomercado do Vinhais).
Quanto: grátis. Presentes pagam apenas o consumo.
Maiores informações: (98) 8888-3722.

Feitiço maranhense no Feitiço Mineiro

16 junho 2010

Acompanhado de regional, o poeta e compositor Joãozinho Ribeiro apresenta o show musical Milhões de uns na capital federal.
 

Nascido num bairro periférico da região central de São Luís Joãozinho Ribeiro (foto) iniciou-se na música em saudosos festivais universitários, no longínquo 1979 – tem completos 30 anos de música, portanto –, ano também identificado como o da fatídica “greve da meia passagem”, da qual foi militante.

Quase engenheiro, quase economista, formou-se bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), e depois especialista em Direitos Autorais. Militante das artes e da cultura em geral, foi secretário executivo do Fórum Municipal de Cultura de São Luís, engendrando as duas Feiras Culturais da Praia Grande, três Semanas Culturais do Desterro e o projeto Samba da Minha Terra, que levou música gratuita e de qualidade a 18 comunidades de sua cidade natal, valorizando sobretudo o samba e o choro, com a participação de inúmeros convidados especiais. Chegou a Secretário de Estado da Cultura do Maranhão e hoje o técnico da Receita Federal está nos quadros do Ministério da Cultura.

Por essas e outras, João Batista Ribeiro Filho, aos 55 ainda o mesmo moleque travesso das ruas, becos, ladeiras e vielas da capital maranhense, tem relegado a segundo plano sua carreira de artista: é, na terra de outro João Batista, o do Vale, um dos compositores mais gravados e tem publicado o poema-livro Paisagem Feita de Tempo [2006, edição do autor]. Sua mais recente apresentação musical data de agosto de 2008, em São Luís, dentro do projeto Clube do Choro Recebe, empreitada de sucesso do Clube do Choro do Maranhão que completará três anos em breve.

Atualmente residindo em Brasília, Joãozinho Ribeiro aproveita a estadia na capital federal para mostrar, no planalto central, parte de sua obra, que lhe garante presença no panteão sagrado dos grandes compositores do Maranhão, ao lado de figuras como Antonio Vieira, Cesar Teixeira e Chico Maranhão, entre outros. Passeando por choro, samba, baião, reggae, toadas de bumba-meu-boi e tambor de crioula, blues, canções de amor e de protesto, Joãozinho Ribeiro se apresenta no Restaurante Feitiço Mineiro (306 Norte) no próximo dia 3 de julho, às 22h30min. O couvert artístico custa apenas R$ 15,00.

O Feitiço Mineiro tem sido palco importante de maranhenses na capital federal. Por lá já se apresentaram nomes como Nonato Buzar, Papete, Flávia Bittencourt, Rosa Reis, Beto Pereira, Josias Sobrinho e Tião Carvalho, entre outros. “Além de encontrar a colônia maranhense radicada em Brasília, o interessante é podermos apresentar nosso trabalho também a cidadãos e cidadãs apreciadores da arte de todas as partes do mundo”, afirma Joãozinho Ribeiro, que em 2002 venceu, no Maranhão, o Prêmio Universidade FM com seu choro Milhões de uns, registrado em disco pela também maranhense Célia Maria.

Serviço

O quê: show musical Milhões de uns.
Quem: Joãozinho Ribeiro e Regional.
Onde: Restaurante Feitiço Mineiro (306 Norte, Brasília/DF).
Quando: dia 3 de julho (sábado), às 22h30min.
Quanto: R$ 15,00 (couvert artístico).
Reservas: (61) 3272-3032.

Redação: Zema Ribeiro
Entrevistas: Robson Silva – (61) 9952-4801

O Arnesto nos convidou prum choro…

1 junho 2010

Autor de inúmeros clássicos como Trem das onze, Samba do Arnesto e Tiro ao Álvaro, entre outros, Adoniran Barbosa será lembrado por Zeca do Cavaco em tributo no Clube do Choro Recebe.

Adoniran Barbosa (fotos) não esperou o trem das onze ou o bonde da história passar. Antes de tornar-se sucesso radiofônico e discográfico, de modo tardio, já na década de 1970, fez um sem fim de programas de rádio, filmes, telenovelas e comerciais, capítulo importante da biografia de João Rubinato – seu nome de batismo – quase sempre desprezado por admiradores, digamos, comuns.

Enquanto interpretava personagens humorísticos como Charutinho – criação de seu parceiro Oswaldo Moles – no rádio, ou tipos como o professor Pancrácio no cinema – o personagem soltava o bordão “sem duvidamente” quando queria dizer “com certeza” –, apresentava, sem muito sucesso, até então, suas músicas a diversos artistas que encontrava pelos corredores das rádios, onde reinou absoluto por décadas, apesar do começo difícil.

Adoniran Barbosa conheceria o sucesso como compositor após as interpretações marcantes e definitivas do conjunto Os Demônios da Garoa para suas criações. E depois, com ele próprio cantando, em seus discos homônimos lançados em 1973 e 1974, sob a batuta de Pelão, produtor de discos históricos da música brasileira, entre os quais Nelson Cavaquinho, para citar apenas outro bamba centenário – controvérsias no registro do autor de Folhas secas faz com que adiemos esta celebração, no entanto, para 2011.

Eternos e de domínio público – Apesar das recusas iniciais, Adoniran Barbosa não precisou esperar muito para que diversas criações suas ganhassem o status de “domínio público”: é claro, o compositor recebia os direitos autorais devidamente, mas não havia – como ainda não há – roda de samba que se preze em que não sejam entoados versos de músicas como Trem das onze, Samba do Arnesto, Tiro ao Álvaro, Iracema, Prova de carinho, As mariposa, Saudosa maloca e Um samba no Bixiga, entre inúmeras outras.

Estes e outros clássicos do descendente de italianos nascido em São Paulo em 1910 – e falecido em 1982 – serão lembrados por Zeca do Cavaco, uma das mais belas vozes da música produzida no Maranhão. Cantor e instrumentista de destaque, Zeca aproveita a efeméride para apresentar um show certamente memorável no palco do Clube do Choro Recebe, na 119ª. edição do projeto, que acontece neste sábado, 5, às 19h30min, na Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), no Calhau (Rua José Luiz Nova da Costa, esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar). Os ingressos custam apenas R$ 10,00 (R$ 8,00 para sócios da APCEF).

Zeca do Cavaco será acompanhado pelo Regional Urubu Malandro, grupo já integrado por outro saudoso mestre da música brasileira, Antonio Vieira, recém-homenageado no projeto (118ª. edição, 29 de maio). O grupo é formado por Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco e Osmar do Trombone.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 119ª. edição.
Quem: o grupo Urubu Malandro recebe o cantor Zeca do Cavaco em tributo a Adoniran Barbosa.
Quando: dia 5 de junho (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Nosly se apresenta com Jayr Torres Trio no Clube do Choro Recebe

18 maio 2010

O grupo Jayr Torres Trio recebe o cantor e compositor Nosly, neste sábado, 22, no projeto.

O homem à frente do Jayr Torres Trio

Dos mais versáteis músicos do Maranhão, Jayr Torres (foto) comanda o Jayr Torres Trio, grupo anfitrião do sarau deste sábado, 22, às 19h30min, do Clube do Choro Recebe, na Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), no Calhau (Rua José Luiz Nova da Costa, esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar). Os ingressos para a apresentação custam apenas R$ 10,00 (R$ 8,00 para sócios da APCEF).

O grupo é formado por Jayr Torres (guitarra), Carlos Raquethy (contrabaixo) e Isaías Alves (bateria). Professor da Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo, Jayr Torres se apresenta com o trio a que dá nome às sextas-feiras, no projeto Sexta Musical, desenvolvido no prédio da instituição. Para esta apresentação no Clube do Choro Recebe o grupo preparou um repertório baseado em choro e samba, sem esquecer os pés – e as mãos – que tem no jazz.

Nosly cantará choro, samba e repertório autoral

Já tendo tocado com nomes como Mano Borges, Carlinhos Veloz, Josias Sobrinho, Gerude e Rosa Reis (de quem é “fiel escudeiro”), Jayr Torres é um dos mais requisitados instrumentistas do Maranhão. O convidado da noite, Nosly (foto), é outro que tem grande leque de parceiros e intérpretes. Caso de nomes como Nonato Buzar, Gerude, Zeca Baleiro, João Nogueira, Celso Borges e Anna Cláudia, entre outros.

Além de cantar choros e sambas de sua predileção, Nosly mostrará músicas autorais, com que tem feito sucesso no Brasil e na Europa. Casos de June (parceria com Celso Borges), Coração na voz (com João Nogueira) e Versos perdidos (Zeca Baleiro), entre outras.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 117ª. edição.
Quem: o Jayr Torres Trio recebe o cantor e compositor Nosly.
Quando: dia 22 de maio (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Lideranças populares recebem formação para o combate à corrupção eleitoral e administrativa

17 maio 2010

Cerca de 30 agentes de diversas regiões do Maranhão participaram de atividade de formação em São Luís semana passada.

Cerca de 30 lideranças populares de diversas regiões do Estado do Maranhão participaram nas últimas quinta (13), sexta e sábado, do Curso de Formação em Políticas Públicas e Combate à Corrupção Eleitoral e Administrativa, promovido pela Cáritas Brasileira Regional Maranhão na Casa das Irmãs de São José de São Jacinto, no Filipinho, em São Luís.

“O curso integra um plano de formação continuada, não é uma ação isolada. 2010 é ano emblemático, pois é ano de eleições. Estes agentes que participam deste momento de formação atuam como multiplicadores nos municípios e dioceses onde moram e atuam”, explicou Ricarte Almeida Santos, secretário executivo da Cáritas Brasileira Regional Maranhão e coordenador do curso.

A programação do curso buscou mostrar as relações entre corrupção e o modelo de desenvolvimento vigente no estado: a implantação dos grandes projetos legitimada pela propaganda institucional do governo nos meios de comunicação de propriedade da oligarquia que há aproximadamente 45 anos governa o Maranhão – com uma brevíssima interrupção – busca fazer crer que esta é a única solução. Assim, o curso também orientou os presentes ao exercício do controle social de políticas públicas.

Lei 9840 – Primeira lei de iniciativa popular aprovada no Brasil, a lei 9840 foi alvo de debates durante o curso de formação. Os agentes Cáritas perceberam que qualquer cidadão ou cidadã pode ser um fiscal durante as eleições, formulando e fornecendo denúncias à justiça eleitoral.

Quase todos os participantes do curso têm histórias ou conhecem quem as conte acerca da parcialidade da justiça eleitoral nos municípios. Não foram poucos os relatos de que juízes e promotores, às vezes, não fazem o menor esforço para coibir atos de corrupção como a compra de votos. “Cheguei a dizer ao promotor: ‘olha, naquela casa uma candidata está distribuindo telhas, tijolos, notas de combustível e dinheiro’; ele me disse que não tinha nenhum carro para ir até lá e ficou por isso mesmo”, contou um dos cursistas.

As Cáritas Diocesanas e Arquidiocesana receberam cartilhas do Movimento de Combate à Corrupção para suas atividades de formação e multiplicação. A elaboração de informativos e a formação de comitês locais de combate à corrupção eleitoral e administrativa foram eleitas como prioridade pelos presentes.

Redação: Zema Ribeiro, assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão

Desenvolvimento local sustentável em discussão na III Plenária Estadual da Rede Mandioca

28 abril 2010

Durante o evento foi lançado edital para contratação de três técnicos em agropecuária para acompanhamento aos membros da Rede, assessorada pela Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Aproximadamente 100 lideranças comunitárias rurais participaram da III Plenária Estadual da Rede Mandioca, realizada entre os dias 22 e 24 de abril, no Auditório Raimundo F. Araújo, do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Barra do Corda/MA. Os presentes representavam os 69 grupos, comunidades e associações filiados à Rede, já presente em 24 municípios maranhenses: Alto Alegre do Pindaré, Araioses, Bacabal, Balsas, Barra do Corda, Brejo de Areia, Buriticupu, Bom Jesus das Selvas, Cajapió, Codó, Duque Bacelar, Itapecuru-Mirim, Lago da Pedra, Magalhães de Almeida, Monção, Pedreiras, Penalva, São Luiz Gonzaga, São Mateus, São Bernardo, Trizidela do Vale, Tutóia, Vargem Grande e Viana.

A Rede Mandioca é uma articulação estadual de organizações formais e informais de agricultores e agricultoras familiares que atuam diretamente no cultivo, manejo, beneficiamento e comercialização da mandioca e seus derivados. Sua instituição é reflexo direto da falta de políticas públicas voltadas ao cultivo da mandioca, que integra em cerca de 50% a base alimentar da população maranhense.

Coordenada por um grupo de 14 membros – eleitos na plenária –, sendo dois representantes de cada microrregião maranhense (Baixada, Baixo Parnaíba, Central, Cocais, Mearim, Tocantina, Vale do Pindaré), a Rede Mandioca tem como objetivos estimular junto aos grupos de agricultores e agricultoras sua participação na Rede Mandioca do Maranhão, garantindo maior visibilidade do cultivo, melhorando a qualidade da produção e consequentemente a renda das famílias, buscando sobretudo, viabilizar a comercialização através da Rede nas perspectivas da economia solidária.

Assessor da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, Jaime Conrado fala aos presentes à III Plenária Estadual da Rede Mandioca. Foto: Zema Ribeiro

Durante os três dias foram discutidas e visitadas experiências de desenvolvimento local sustentável. “O propósito das discussões e das visitas é tentarmos construir, de forma coletiva, iniciativas que possam garantir a sustentabilidade das futuras gerações de forma responsável”, afirmou Jaime Conrado de Oliveira, Assessor da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, instituição responsável pelo apoio e assessoria à Rede Mandioca.

O professor Wagner Cabral, do Departamento de História da Universidade Federal do Maranhão, contribuiu com reflexões acerca da relação entre a pobreza no Maranhão e a implantação dos ditos grandes projetos, diretamente relacionados ao domínio político oligárquico propagandeado e “legitimado” por um discurso político modernizador, violador dos direitos humanos, entre outros aspectos.

Ainda de acordo com o professor, entre 1995 e 2006, de acordo com pesquisa do também professor Marcelo Carneiro, o Maranhão perdeu 259.630 agricultores familiares, que tiveram que deixar suas terras. O percentual representa 24,25% do número total de pequenos produtores rurais do estado.

Edital – A experiência da Rede Mandioca conta com apoio financeiro do Banco do Nordeste, fruto de convênio para a realização da pesquisa “Rede Mandioca: articulação, produção, beneficiamento e comercialização da mandioca em comunidades de baixa renda”, desenvolvida pela Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Durante a III Plenária Estadual da Rede Mandioca foi lançado um edital para a contratação de três técnicos em agropecuária para o projeto “Fortalecimento em arranjos produtivos solidários e autogestionados”. Os profissionais selecionados atuarão no apoio e assessoria técnica a membros da Rede Mandioca.

Edital e maiores informações podem ser solicitados pelo e-mail caritas@elo.com.br, mesmo endereço eletrônico para onde devem ser enviados, até 30 de abril (sexta-feira), os currículos dos interessados em concorrer às vagas.

Redação: Zema Ribeiro, assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Célia Maria e Grand Trio: talento de sobra

14 abril 2010

Cantora maranhense, de volta ao estado natal, será recebida pelo Grand Trio, mais nova formação instrumental do cenário maranhense.

Célia Maria de volta ao palco do Clube do Choro Recebe

Maranhense de reconhecido talento, embora infelizmente ainda pouco conhecida do grande público em sua terra natal, Célia Maria (foto) é a convidada da 113ª. edição do Clube do Choro Recebe, que acontece neste sábado, 17, a partir das 19h30min, na Associação do Pessoal da Caixa (APCEF). Ela será acompanhada pelo Grand Trio, nova formação instrumental surgida na capital maranhense.

Com apenas um disco gravado, em Célia Maria sobra talento. Vencedora de diversos concursos – recentemente o Talentos da Maturidade, promovido por um banco brasileiro, e, à época de Célia Maria, o disco homônimo, de 2001, o Prêmio Universidade FM – a diva negra tem encantado plateias por onde passa: já morou várias vezes no Rio de Janeiro – de onde retornou recentemente, para novamente fixar residência em São Luís – onde conheceu Cartola, Zé Kéti e outros astros do samba brasileiro, notadamente os que frequentavam o bar e restaurante Zicartola, outrora espécie de templo sagrado do gênero.

Seu disco, aliás, não se prende ao samba. Nele estão registradas obras dos maranhenses Antonio Vieira (Ingredientes do samba), Cesar Teixeira (Lápis de cor), Joãozinho Ribeiro (Milhões de uns), Bibi Silva (Lágrimas) e João do Vale (Na asa do vento), entre outros. Esgotado, o disco nunca teve um show de lançamento oficial.

Nova formação – Egressos do Choro Pungado formam o Grand Trio: Luiz Jr. (violão sete cordas), Luiz Cláudio (percussão) e Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho), músicos de reconhecido talento e merecido destaque na cena instrumental maranhense contemporânea.

Robertinho Chinês regressou recentemente de Brasília/DF, cidade que tem um dos mais ativos clubes do choro do país, que esteve visitando e aprimorando sua técnica sobre os instrumentos que tão bem já toca, tão jovem.

Luiz Cláudio e Luiz Jr., sempre às voltas com experimentações sonoras, têm como investida anterior ao Grand Trio, o Duo Sound, em que seus violões e percussões se encontravam para tocar os sons do mundo, passando necessariamente pelos tão brasileiros samba e choro.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 113ª. edição – sétima em 2010.
Quem: o grupo Grand Trio recebe a cantora Célia Maria.
Quando: dia 17 de abril (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Nonato Buzar: encontrando amigos

1 abril 2010

Compositor maranhense radicado no Rio de Janeiro faz três apresentações no Maranhão: duas em São Luís e uma em Itapecuru-Mirim, sua cidade natal. Reencontro com amigos, parceiros e as plateias maranhenses.

Foto: Google Images

Radicado no Rio de Janeiro, o compositor Nonato Buzar (foto) é um dos maranhenses mais gravados no Brasil. Suas obras constam dos repertórios de nomes como Alcione, Cauby Peixoto, Elis Regina, Elizeth Cardoso, Ivan Lins, Jair Rodrigues, João Nogueira, Luiz Gonzaga, Milton Nascimento, MPB-4, Nana Caymmi, Nelson Gonçalves, Os Cariocas, Roberto Ribeiro, Rosinha de Valença e Wilson Simonal, entre outros. Fora do país, suas músicas já foram cantadas por Jimmy Cliff e o grupo Santana.

Com toda essa bagagem, acumulada em mais de 50 anos de carreira – morou em Paris na década de 1970 e lá gravou Via Paris, com o conjunto País Tropical, um de seus discos mais conhecidos – Nonato Buzar reencontra o público maranhense em três shows, intitulados Encontro com Nonato.

Via Paris. Capa. Reprodução

As duas primeiras apresentações acontecem no Teatro Arthur Azevedo, dias 6 (terça) e 7 (quarta-feira), às 21h, com as participações especiais de Beto Pereira, Gerude, Josias Sobrinho, Nosly e Rogério du Maranhão. Os ingressos custam R$ 25,00 para qualquer dependência do teatro.

Dia 9 (sexta-feira) é a vez de Itapecuru-Mirim, cidade natal do artista, receber o show, que acontece no Itapecuru Social Clube, às 21h – ingressos: R$ 15,00. Lá, Nonato Buzar, que tem parcerias com todos os convidados, divide o palco com Nosly, o parceiro mais constante.

História – Nonato Buzar nasceu em Itapecuru-Mirim em 1932, tendo se mudado para o Rio de Janeiro em 1953, onde foi aprovado no vestibular para Engenharia. Desistiu do curso e dedicou-se à música.

Ainda nos anos 1950 iniciou sua carreira artística, apresentando-se em boates como Little Clube e Bottle’s, no famoso Beco das Garrafas. Em 1965 assinou a contracapa do disco 400 anos de samba, de Elizeth Cardoso – uma de suas intérpretes –, que comemorava os quatro séculos da “cidade maravilhosa”.

Em fins dos anos 1960 idealizou, produziu e integrou o conjunto A Turma da Pilantragem. Foi produtor musical nas gravadoras PolyGram e RCA Victor e realizou discos de nomes como A Turma da Pilantragem, Banda do Canecão, Festival Internacional da Canção, Jair Rodrigues, Jimmy Cliff e Wilson Simonal, para citar alguns.

Nonato Buzar é ainda um dos compositores com mais passagens por aberturas de novelas da Rede Globo. São dele os temas Irmãos Coragem (com Paulinho Tapajós), Assim na terra como no céu (com Roberto Menescal e Paulinho Tapajós), Verão vermelho, O homem que deve morrer (com Torquato Neto), todos aberturas de novelas homônimas. Esteve presente ainda em trilhas sonoras de O cafona, Minha doce namorada e Anjo mau.

Ainda na TV Globo, compôs trilhas para os programas Brasil Pandeiro, Saudade não tem idade e Chico City, este último protagonizado por parceiro seu: o humorista e compositor Chico Anísio.

Em seu disco de estréia (2003) Maria Rita gravou Menininha do Portão (Nonato Buzar/ Paulinho Tapajós). O disco teve a expressiva vendagem de 350 mil cópias dois meses após o lançamento.

SERVIÇO

O quê: Show Encontro com Nonato.
Quem: Nonato Buzar com participações especiais de Beto Pereira, Gerude, Josias Sobrinho, Nosly e Rogério du Maranhão (em São Luís) e Nosly (em Itapecuru-Mirim).
Quando: dias 6 (terça) e 7 (quarta-feira) no Teatro Arthur Azevedo (em São Luís) e dia 9 (sexta-feira) no Itapecuru Social Clube (em Itapecuru-Mirim).
Quanto: R$ 25,00 (para qualquer dependência do Teatro Arthur Azevedo) e R$ 15,00 (Itapecuru Social Clube). Meia para estudantes.
Maiores informações: (98) 8137-7452.

Samba de Feira no sábado de aleluia

29 março 2010

Lena Machado reapresenta show, com novidades, no Clube do Choro Recebe. Em pleno sábado de aleluia, a cantora terá como anfitrião o Regional Os Pregoeiros.

Foto: Rivânio Almeida Santos

Fruto de um bem sucedido encontro, o show Canto de Feira será reapresentado na 111ª. edição do projeto Clube do Choro Recebe – a quinta este ano –, que acontece em pleno sábado (3/4) de aleluia. A apresentação reunirá no palco a cantora Lena Machado e o Regional Os Pregoeiros, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), João Eudes (violão sete cordas), Osmarzinho (saxofone) e Rafael Guterres (cavaquinho).

O show encerrou a temporada musical em São Luís em 2009: foi apresentado dia 30 de dezembro no Restaurante Cantinho da Estrela, na Praia Grande. Este ano já foi apresentado em celebração ao Dia Internacional da Mulher, em evento fechado promovido pelo Sindicato dos Bancários do Maranhão.

“Pensamos este show, que inclusive tem esse nome por isso, para integrar a programação da Feira de Economia Solidária, em dezembro passado. A programação cultural da Feira foi bastante prejudicada por conta de apagões que castigaram o Centro Histórico naquele período. Para não perdermos a energia, os ensaios que já havíamos realizado, apresentamos e, graças a Deus, foi um sucesso”, conta Lena Machado, avisando que apesar do nome, o show não é mero replay de suas apresentações anteriores.

“A gente sempre mexe no repertório. Tem coisas do disco novo, coisas que gosto de cantar, eu tou sempre ouvindo e pescando coisas pro repertório. Há várias ideias para shows temáticos, experiências para o repertório do terceiro disco”, continua e adianta a cantora que recentemente lançou Samba de Minha Aldeia, disco em cujo repertório interpreta, além do samba denunciado pelo título, choro, baião, blues, salsa, eletrônica e pitadas dos ritmos da cultura popular do Maranhão.

Samba de Minha Aldeia. Capa. Reprodução

Em Samba de Minha Aldeia Lena Machado interpreta, entre inéditas e conhecidas, músicas de Josias Sobrinho, Chico Nô, Ricarte Almeida Santos, Chico Canhoto, Gildomar Marinho, Bruno Batista, Aquiles Andrade, Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Patativa.

“Lena Machado é uma das grandes descobertas, um dos grandes acontecimentos, da música produzida no Maranhão nestes últimos anos. Recentemente tivemos a grata surpresa de saber que músicas de seu disco tocaram em rádios em Brasília, Rio de Janeiro e outras cidades de destaque no cenário artístico-cultural. Isso é o começo. Sabemos que ela vai longe”, vaticina Ricarte Almeida Santos, produtor e apresentador do Clube do Choro Recebe e, no rádio, do programa Chorinhos e Chorões, especializado no mais brasileiro dos gêneros musicais, que vez por outra inclui Lena Machado em seu repertório dominical. Em parceria com Chico Nô, ele é autor de Chorinho de Herança, uma das músicas mais executadas no Myspace da cantora.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 111ª. edição – quinta em 2010.
Quem: o Regional Os Pregoeiros recebe a cantora Lena Machado.
Quando: dia 3 de abril (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Quatro vezes música (Ou: Um quarteto fantástico)

22 março 2010

Victor Castro Trio receberá Rui Mário em encontro que promete entrar para a história do choro do Maranhão.

Talento, técnica e improviso: Victor Castro Trio fará releituras de músicas brasileiras

Altas doses de virtuosismo darão a tônica do quarto sarau do Clube do Choro Recebe em 2010. O Victor Castro Trio (foto) recebe o acordeonista Rui Mário. O grupo é formado pelo português Victor Castro (violão, guitarra, guitarra portuguesa), Mauro Sérgio (contrabaixo) e Isaías Alves (bateria).

O domínio da técnica destes quatro músicos, cada um, destaque no cenário maranhense em seu instrumento, e o improviso correrão solto, mostrando ao público presente seus talentos individuais e coletivo.

Escola de Música – Os quatro virtuoses têm em comum a Escola de Música do Maranhão Lilah Lisboa: todos passaram por lá; Victor Castro e Mauro Sérgio são professores da EMEM.

Natural de Portugal, radicado no Brasil, Victor Castro já ficou por duas vezes com o segundo lugar no Festival Internacional de Interpretação Violonística. Tem formação erudita, mas já conta com grande vivência na área da música popular instrumental brasileira. Isaías Alves já foi premiado em diversos festivais internacionais de bateria e Mauro Sérgio foi músico destaque do São Luís Cover Baixo, festival que reuniu diversos contrabaixistas brasileiros e estrangeiros na capital maranhense.

“A ideia do Victor Castro Trio é difundir a música popular brasileira, fazendo releituras e arranjos inéditos e característicos do grupo, sobre temas de um vasto repertório que inclui Tom Jobim, Chico Buarque, Guinga, Ary Barroso, Garoto, Pixinguinha, Ernesto Nazaré, entre outros grandes ícones da música”, anuncia o português.

Rui Mário é o acordeonista predileto de dez em cada dez artistas maranhenses

Rui Mário – Acordeonista e tecladista, Rui Mário (foto) traz a música no sangue: é filho de Seu Raimundinho, sanfoneiro conhecido de longa data por quem aprecia forró de qualidade, o chamado pé de serra. Versátil, passeia com desenvoltura por estilos diversos, como choro, forró, tango e a música popular.

Unanimidade, o garoto prodígio do acordeom maranhense já tocou, em discos e shows de artistas como Cesar Teixeira, Josias Sobrinho, Gildomar Marinho e Lena Machado, entre outros. Se Dominguinhos encantou ao saudoso Luiz Gonzaga, Rui Mário despertou a atenção do afilhado do rei do baião em encontro recente que os dois tiveram, história que certamente será contada por Ricarte Almeida Santos, radialista, produtor e apresentador do Clube do Choro Recebe.

Ele antecipa: “A apresentação promete entrar para a história do choro do Maranhão, espero que não pela raridade, mas por ser o primeiro encontro, num palco, destes quatro músicos fenomenais. Vai virar uma daquelas histórias que quando a gente conta, quem perdeu só pode se perguntar: ‘onde é que eu estava?’, provoca.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 110ª. edição – 4ª. em 2010.
Quem: o grupo Victor Castro Trio recebe o acordeonista Rui Mário.
Quando: dia 27 de março (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria.

João do Vale no palco dos Territórios Rurais

18 março 2010

Uma caravana de músicos e intérpretes do Maranhão irá participar do II Salão dos Territórios Rurais – Territórios da Cidadania em Foco, a ser realizado em Brasília, entre 22 e 25 de março, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, numa promoção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Territorial.

Representando o Território do Médio Mearim, o grupo fará uma releitura da obra do compositor maranhense João do Vale (foto), consagrado no Brasil após o show Opinião, em 1964, ao lado de Zé Kéti e Nara Leão, depois substituída por Maria Bethânia.

Integrado pelos cantores Paulo Pirata e Garrincha (Pedreiras), Cláudio Pinheiro, Milla Camões, Carlinhos Veloz e Cesar Teixeira (São Luís), o grupo maranhense se apresenta no dia 22 de março, às 22h, após a Abertura Solene e a atuação do Quinteto Violado (PE), Pereira da Viola, Caminho de Todos os Santos e Roda de Viola (MG).

O espetáculo maranhense será apresentado por um Arauto Brincante (PE), seguindo-se a leitura do poema João Pedreiras do Vale, do poeta maranhense Neves Azevedo, na voz do ator Cláudio Ferrario. Terá ainda como convidado especial o cantor e compositor Wellington Matos.

A programação cultural do II Salão dos Territórios Rurais, que coincide com o aniversário de 50 anos da fundação de Brasília, tem como um dos coordenadores o cantor, violeiro e compositor Marcelo Melo, presidente da Fundação Quinteto Violado e um dos fundadores do grupo pernambucano.

Homenagem – João do Vale, nascido no Lago da Onça, município de Pedreiras, é autor de grandes sucessos como Pisa na Fulô, Estrela Miúda e Carcará, entre outros, que os participantes do II Salão dos Territórios Rurais terão a oportunidade de relembrar durante o espetáculo a ser apresentado pelo grupo maranhense no Distrito Federal.

Segundo Riva do Vale, filho mais velho de João radicado em São Luís, a homenagem ao seu pai faz parte de uma campanha da Fundação João do Vale (sediada em Pedreiras/MA) de divulgar a obra do artista, que foi ajudante de pedreiro no Rio de Janeiro, antes ter suas músicas divulgadas nas vozes de Marlene, Ivon Cury, Luiz Gonzaga, Clara Nunes, entre outros expoentes da MPB.

O espetáculo Opinião, que projetaria Maria Bethânia como intérprete de Carcará, foi um divisor de águas na música popular brasileira, mas, ao mesmo tempo, serviu de pretexto para que os aparelhos de censura e repressão do regime militar deflagrassem uma intensa perseguição aos artistas acusados de subversão à ordem social e política do País.

Para Benedita Freire, que faz a direção geral do espetáculo, mais do que uma homenagem a João do Vale, a caravana visa sobretudo valorizar a história da MPB, hoje massacrada por uma mídia descartável. “Trata-se de uma questão de justiça evidenciar a obra de um artista que não pode estudar, foi perseguido e morreu pobre, mas deixou um rico legado para a cultura brasileira”, conclui.  

Diversidade – O espetáculo do Maranhão estará entre as 19 atrações culturais de vários pontos do País a se apresentarem durante os quatro dias do II Salão dos Territórios Rurais – Territórios da Cidadania em Foco, que, entre outros objetivos, busca expressar a diversidade das tradições, do conhecimento, da memória e das produções materiais e simbólicas dos Territórios Rurais brasileiros.

A banda que acompanhará os representantes do Território do Médio Mearim na homenagem a João do Vale é formada por Edilson Gusmão (violão), George Gomes (bateria), Rui Mário (sanfona), Murilo Rêgo (teclados), Jeca (percussão) e Arlindo Piu-Piu (contrabaixo), responsável pela direção musical do espetáculo.

[release recebido por e-mail]

Tabuleiros de São Bernardo tem novamente suspenso o fornecimento de energia elétrica

16 março 2010

Associação busca renegociar dívida e encaminhou ofícios à Cemar, DNOCS, Governo do Estado, Ministério da Integração e Presidência da República.

POR ZEMA RIBEIRO*

Magalhães de Almeida/MA – No último dia 11 de fevereiro, a Cáritas Brasileira Regional Maranhão foi procurada, por telefone, pela Associação dos Irrigantes do Perímetro Irrigado Tabuleiros de São Bernardo/MA (Asitasb), em Magalhães de Almeida/MA. Informavam da realização de um manifesto pacífico, contra a ameaça de corte no fornecimento de energia elétrica ao perímetro, onde vivem e produzem 78 famílias de agricultores. Na ocasião, pouco mais de 20 dias haviam se passado da realização do Festival da Melancia, que festejava a produção de 90 hectares da fruta, com produtividade média de 35 toneladas/ha.

A Asitasb possui um débito para com a Companhia Energética do Maranhão (Cemar) de cerca de 200 mil reais, vencidos de outubro de 2009 para cá. A Cemar afirma que a Associação descumpriu acordo firmado e esta informa de um pagamento de 71 mil reais, superior aos 60 mil acordados na ocasião, como entrada. No último dia 9 de março, o corte aconteceu. “Sem energia, as famílias não produzem; sem produção, não há como quitar os débitos”, afirma José Vando da Silva Santos, presidente da Asitasb.

Problemas – Os inúmeros problemas do perímetro irrigado Tabuleiros de São Bernardo, no entanto, não se resumem ao fornecimento de energia elétrica – ou a seu corte. Sua construção – as obras até hoje nunca foram concluídas – teve início em 1988. O perímetro começou a funcionar em 1992, recebendo os primeiros equipamentos apenas em 1999, com a primeira operação só vindo a acontecer em 2002.

O perímetro tem área total de 5.562ha, dos quais apenas 544 são ocupados pelas famílias associadas, cada uma vivendo e plantando em uma área média de 4,2ha. Além de melancia, são plantados atualmente banana, maracujá, goiaba, mamão, coco, feijão e milho, frutas, em sua maioria, e grãos, que dependem de irrigação.

Sem energia – Com o fornecimento de energia elétrica temporariamente suspenso, a água, capturada do Rio Parnaíba, deixa de irrigar as plantações, o que acarreta sérios prejuízos para aqueles agricultores familiares. “A associação cobra dos agricultores, com base em hidrômetros instalados, valores que ajudam na manutenção da associação e no pagamento de outras despesas, como as contas de energia elétrica. Não é suficiente, mas ajuda”, explica José Vando. Um dos problemas que explica, em parte, o atraso no pagamento da energia é que somente pouco mais de 10% do perímetro foi desapropriado pelo governo federal. “A gente paga energia por mais de 5 mil hectares, mas usa mesmo pouco mais de 500”, continua o presidente da Asitasb.

Segundo o Comitê Gestor do Perímetro Irrigado Tabuleiros de São Bernardo, o Governo Federal não tem cumprido sua parte: não implantou os setores restantes e há pelo menos dois anos não repassa recursos para despesas de custeio, conforme prevê o convênio PGE 12/2005. Por outro lado, a Asitasb não consegue pagar a conta de energia elétrica da estação de bombeamento principal: uma manobra do DNOCS, em 2006, trocou sua razão social pela da associação, conforme ata da 58ª. reunião do citado Comitê Gestor. Em março de 2009 o perímetro já havia experimentado a suspensão no fornecimento de energia elétrica: durou sete meses e acarretou perda total da produção.

A associação quer que o Governo do Estado assuma o pagamento das contas de energia elétrica por um ano, e neste sentido já encaminhou documento à governadora Roseana Sarney. Para José Vando “também é necessário discutir o uso da subestação do perímetro, instalada pelo governo federal e usada pela Cemar para fornecer energia a sete municípios da região [São Bernardo, Magalhães de Almeida, Tutóia, Araioses, Santana do Maranhão, Santa Quitéria e Paulino Neves]. O que a Cemar pode nos oferecer em contrapartida?”, pergunta-se.

Em nota encaminhada por e-mail à Cáritas Brasileira Regional Maranhão, a Cemar afirma que “os ativos do sistema elétrico (subestações, linhas e redes de distribuição etc.) na área de concessão, pertencem à União”.

Na mesma nota a companhia afirma estar “à disposição da Asitasb no sentido de renegociar o pagamento das contas em atraso” e “que todos os prazos previstos na legislação foram rigorosamente cumpridos antes de haver a interrupção do fornecimento”. A Cemar recomendou ainda que o DNOCS e o Governo do Estado fossem procurados para que se posicionem sobre seus níveis de responsabilidade.

Reivindicações – A Asitasb encaminhou ontem (15) ofícios ao DNOCS, Governo do Estado, Ministério da Integração Nacional e Presidência da República. Entre as propostas contidas nos documentos estão a contratação de assistência técnica para os perímetros públicos irrigados do DNOCS (o que é previsto em lei); agilização na tramitação de processos administrativos que envolvam recursos financeiros com prazos e limites para aplicação; revisão do orçamento previsto para 2010, por parte do Ministério da Integração e DNOCS; e atualização dos diagnósticos dos perímetros irrigados, entre outras.

A Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) prevê a recuperação da infraestrutura básica e dos equipamentos hidromecânicos e conclusão da obra do projeto Tabuleiros de São Bernardo entre suas propostas de projetos estruturantes para o Maranhão no setor de agricultura e pesca, que integra o plano regional de desenvolvimento do Nordeste, nos anos de 2010 e 2011. Recursos federais da ordem de 36 milhões de reais estão previstos para tal.

*ZEMA RIBEIRO é assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão. Escreve no blogue http://www.zemaribeiro.blogspot.com

Clube do Choro Recebe: palco de novidades

16 março 2010

Duas estreias no palco do projeto: o Regional Não Chora Que Eu Choro e a cantora Dicy Rocha em encontro musical inédito.

Dicy Rocha mostrará que também é do choro. E do samba.

Cantora mais afeita ao universo reggae, gênero com o qual tem vencido diversos festivais, a cantora Dicy Rocha (foto) é a convidada da 109ª. edição do Clube do Choro Recebe – a 3ª. em 2010 –, sábado, 20, às 19h30min, na Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), na Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar). Os ingressos custam apenas R$ 10,00.

Maranhense de Coroatá, Dicy Rocha cresceu em Imperatriz. Lá iniciou sua carreira musical como integrante do trio Flor de Cactus, ao lado de Jovanilde Rocha e Helyne Jully. Ainda na região sul do Maranhão foi eleita melhor intérprete no Festival Caneleiros de Música da Terra. Já em São Luís obteve os primeiros lugares no 11º. UniReggae e no III Festival João do Vale de Música Popular, ambos em 2008.

Dicy Rocha já participou de shows de artistas como Carlinhos Veloz, Chiquinho França, Erasmo Dibell, Lena Garcia e Wilson Zara, além do projeto São Luís canta Chico Maranhão, Carcará e Canta Cidade, em homenagem à capital do Estado. Entre suas influências, ela destaca Bob Marley, Gilberto Gil, Djavan, Joyce, Cesária Évora, João Nogueira, João do Vale e Milton Nascimento, entre outros.

Para acompanhar a cantora, foi escalado um regional de primeiríssima linha: o Não Chora Que Eu Choro. O grupo é formado por Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Lazico (percussão) e Raimundo Luiz (bandolim).

“Uma das principais propostas do Clube do Choro Recebe é justamente essa troca, esse intercâmbio. É dessa mistura que saem as boas novidades de nossa música. Provocar esse diálogo sempre foi um propósito nosso e temos conseguido”, afirma Ricarte Almeida Santos, radialista, produtor e apresentador do projeto, comentando seu sucesso. Os saraus no novo palco do Clube do Choro Recebe, a APCEF, tem sido bastante concorridos.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 109ª. edição – 3ª. em 2010.
Quem: o regional Não Chora Que Eu Choro recebe a cantora Dicy Rocha.
Quando: dia 20 de março (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria.

Kleiton e Kledir lançam novo dvd em São Luís

9 março 2010

Dupla gaúcha lança Autorretrato, trabalho que celebra a amizade com timbres de pop sessentisa.

Kleiton e Kledir lançam novo dvd em show na Ilha. Foto: Lourenço Monte-Mór. Fonte: http://www.kleitonekledir.com.br

Com nove discos em dupla, além de um título em espanhol e do trabalho com o grupo Almôndegas e um disco solo de cada, Kleiton e Kledir vêm à São Luís com o show Autorretrato, de seu novo cd-dvd (2009), de repertório inédito.

Durante a apresentação, que acontece no Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, Aterro do Bacanga, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande), além das músicas novas, não faltarão hits como Paixão e Deu pra ti, que marcaram sua carreira e a vida de muitos ouvintes nos anos 1980.

O show, aliás, é uma espécie de celebração aos 30 anos de carreira – não incluídos aí os anos de Almôndegas, nos idos 70 – que sofreu um intervalo entre 1989 e 1996, período em que ambos lançaram discos solo: Sim (1990, Kleiton Ramil) e Kledir ao vivo (1991).

Autorretrato, o dvd, traz canções inéditas e foi filmado como um documentário. Nele, os irmãos gaúchos contam a história das músicas, além de tocá-las. O valor da amizade e o prazer em compartilhar coisas íntimas é o clima que permeia o novo trabalho. A faixa-título é uma conversa entre amigos sobre isso.

Um disco contemporâneo com clima sessentista, na instrumentação que lembra bandas como os Beatles, eterna referência: violões, guitarras, violinos, pianos, harmônicas e percussão – não há bateria – enfeitam as composições e vozes de Kleiton e Kledir.

Lançado pela Som Livre, Autorretrato tem realização do Canal Brasil – cujo marco inaugural na produção de documentários foi Loki, que tem o eterno Mutante Arnaldo Baptista como protagonista.

Kleiton e Kledir apresentam o show Autorretrato dia 19 de março (sexta-feira), às 22h, no Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, Aterro do Bacanga, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande). O maranhense Daffé abrirá o espetáculo. Ingressos à venda na loja Taco (São Luís Shopping). A produção é de Ópera Night. Maiores informações: (98) 8137-7452, 3244-3627.

Kleiton e Kledir vêm à Ilha em mais uma produção de Ópera Night

Redação e assessoria de imprensa: Zema Ribeiro

Comunidade constroi e inaugura novas casas

22 fevereiro 2010

Lago da Pedra/MA: Em Nova Unha de Gato, com recursos solidários e em regime de mutirão, comunidade inaugurará casas que construiu. 73 unidades habitacionais diminuirão o déficit gerado pelas enchentes desde 2008. Moradores foram assessorados pela Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Comunidade inaugurará 73 casas construídas em regime de mutirão

2008: 206 casas são destruídas pelas enchentes no povoado Unha de Gato, em Lago da Pedra/MA, distante 310km da capital – a comunidade fica a 45km da sede. O rompimento de diversos açudes na região tornou a tragédia ainda maior: a força da água ia destruindo o que encontrava pela frente. Além das casas – o número representa a quantidade que havia no povoado –, as famílias também perderam bens. Apesar da tragédia, os moradores dão graças a Deus pela não-ocorrência de óbito.

2009: a cena se repete. Novas enchentes assolaram o Maranhão. Moradores de Unha de Gato já habitavam casas “remendadas” que não resistiram à nova investida das águas.

2010: após uma campanha liderada pela Cáritas Brasileira e o trabalho árduo em regime de mutirão, 73 casas de alvenaria e uma casa de farinha serão inauguradas neste sábado (27), em outra área, que está sendo chamada de Nova Unha de Gato. A nova área fica no alto, livre do risco de enchentes. As atividades do dia celebrativo, que incluirá celebração ecumênica, almoço e apresentações musiculturais, terão início às 10h e se estenderão até a noite.

213 mil reais foram empregados na construção das residências – aproximadamente R$ 2.917,00 por unidade –, recursos angariados pela Cáritas através de projetos junto à Catholic Relief Services (CRS) do Brasil, e acessados da campanha nacional SOS Norte Nordeste 2009, administrados pela Cáritas Brasileira e Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), organismos da Igreja Católica.

Além do regime de mutirão em que a comunidade se inseriu – o que certamente barateou os custos finais – algumas campanhas locais foram realizadas: “um comerciante dava um saco de cimento, outro uma carrada de barro, outro não sei quantos tijolos”, contam os moradores.

“É claro que essas 73 casas não atendem a demanda toda, afinal o povoado inteiro foi atingido. Mas é o que conseguimos por enquanto e isso foi uma forma também de exercitar a solidariedade. Para se ter uma ideia, seriam 72 casas e eles resolveram abrir mais uma janela em cada uma para que a sobra de material erguesse outra casa”, conta, emocionada, Lucineth Machado, assessora da Cáritas Brasileira Regional Maranhão que tem acompanhado mais de perto as ações emergenciais.

A comunidade, assessorada pela Cáritas, está estudando editais e projetos que possam assegurar a construção de mais 133 unidades habitacionais, de forma a zerar o déficit provocado pela tragédia naquele local – estas famílias permanecem na Unha de Gato original, sob o iminente risco de novas tragédias. O poder público municipal, até aqui ausente de todo o processo, anunciou a construção de uma escola no povoado, para a qual serão destinados recursos da ordem de 280 mil reais.

SERVIÇO

O quê: inauguração de 73 casas e casa de farinha em Nova Unha de Gato.
Onde: Comunidade Nova Unha de Gato, em Lago da Pedra/MA.
Quando: dia 27 de fevereiro (sábado), 10h.
As casas foram construídas em regime de mutirão pela própria comunidade, com recursos da CRS-Brasil e da campanha nacional SOS Norte/Nordeste 2009, fundo administrado pela Cáritas Brasileira e CNBB.

Redação: Zema Ribeiro, assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão

Baile do Parangolé celebrará 31 anos da SMDH

4 fevereiro 2010

O jornalista e compositor Cesar Teixeira será homenageado na ocasião.

A Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) completa 31 anos no próximo dia 12 de fevereiro. Para festejar a data – este ano a sexta-feira gorda de carnaval –, será realizado o Baile do Parangolé, a partir das 21h, no Sindicato dos Arrumadores (Rua da Estrela, Praia Grande, em frente à Faculdade de Arquitetura). A festa terá a animação do Tambor de Crioula Catarina Mina (abertura) e da Banda do Maestro Antonio Paiva, com participações especiais confirmadas (há outros artistas a confirmar) de Joãozinho Ribeiro e Cesar Teixeira, ambos sócios da SMDH. O autor do coco Parangolé, que batiza o baile, será homenageado na ocasião.

O aniversário da SMDH marcará também o lançamento da campanha Direitos Humanos em Movimento, que busca dar maior visibilidade à ação de defensores de direitos humanos no Maranhão, melhorando a aceitação do tema junto à população. Iniciando pelo Baile do Parangolé, a campanha terá vários momentos ao longo de 2010, culminando com o aniversário de 62 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 10 de dezembro.

As camisas para o Baile do Parangolé podem ser adquiridas na sede da SMDH (Rua Sete de Setembro, 156, Centro) e na União por Moradia Popular (Rua dos Afogados, 554, Centro). Maiores informações: (98) 3231-1601, 3231-1897, smdh@terra.com.br, http://www.smdh.org.br

SERVIÇO

O quê: Baile do Parangolé. Aniversário de 31 anos da SMDH. Lançamento da campanha Direitos Humanos em Movimento – 2010.
Quem: Banda do Maestro Antonio Paiva, Tambor de Crioula Catarina Mina e participações especiais de Joãozinho Ribeiro e Cesar Teixeira (homenageado).
Quando: dia 12 de fevereiro (sexta-feira gorda de carnaval), às 21h.
Onde: Sindicato dos Arrumadores (Rua da Estrela, Praia Grande, em frente à Faculdade de Arquitetura).
Quanto: R$ 30,00 (camisa).
Maiores informações: (98) 3231-1601, 3231-1897, smdh@terra.com.br, http://www.smdh.org.br

Finanças solidárias em debate

4 fevereiro 2010

Cerca de 30 agentes da Cáritas Brasileira de diversas regiões do Maranhão debateram o tema em São Luís.

Cerca de 30 agentes populares diocesanos da Cáritas Brasileira no Maranhão participaram da Oficina de Finanças Solidárias realizada pela organização em São Luís. O encontro aconteceu na Casa de Retiros Oásis (Rua Frei Hermenegildo, 380, Aurora/Anil), nas últimas terça (2) e quarta-feiras. 35 oficinas foram realizadas no país.

Agentes da Cáritas no Maranhão debatem finanças solidárias em oficina. Foto: Zema Ribeiro

“A discussão do tema foi pautada em todos os regionais da Cáritas Brasileira. Há uma necessidade de discussão das dioceses junto com os Fóruns Brasileiro e Estadual de Economia Solidária, para que os grupos produtivos possam melhor se articular e acessar os recursos, tanto dos fundos nacional e diocesano de solidariedade, quanto recursos públicos, via bancos e editais”, afirmou Jaime Conrado de Oliveira, Assessor de Desenvolvimento Solidário Sustentável Territorial da Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Assessor do Secretariado Nacional da Cáritas Brasileira, o economista Ademar Bertucci lembrou o papel pioneiro do organismo no debate sobre as finanças solidárias. “Ainda na década de 1980 a Cáritas e a CNBB lançaram os Projetos Alternativos Comunitários (PACs). Os fundos solidários devem ser entendidos também como uma ação pedagógica: não é simplesmente crédito pelo crédito. É o apoio orientado a grupos produtivos”, afirmou.

Para a representante do Fórum Estadual de Economia Solidária do Maranhão, Mariana Nascimento, “a economia solidária tem sido historicamente excluída do acesso ao crédito e a principal luta dos fóruns é pela modificação desse cenário”. Ela informou ainda da existência de fundos rotativos com editais abertos e acesso bastante simplificado no Maranhão. O volume de recursos, por projeto, varia entre R$ 500,00 (quinhentos reais) e R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

Campanha da Fraternidade – Com o tema “Economia e Vida” para o ano de 2010, a Campanha da Fraternidade Ecumênica também foi lembrada na programação da Oficina de Finanças Solidárias. Para falar do assunto, o convidado foi o Pe. Jean Marie Van Damme, da Associação de Saúde da Periferia do Maranhão (ASP/MA) e CNBB Regional NE V.

“A reflexão da Campanha da Fraternidade sobre este tema vem em momento bastante oportuno, já que a mídia faz de tudo para tornar o tema invisível. É mais que necessária a discussão de outra economia para outro desenvolvimento, levando em conta paradigmas de sustentabilidade, solidariedade e territorialidade”, afirmou o padre.

Além de agentes da Cáritas, participaram da Oficina de Finanças Solidárias representantes do Fórum Brasileiro de Economia Solidária e do Banco do Nordeste. O FBES pautou a discussão atual da necessidade de um marco legal para a economia solidária no país; o BNB apresentou a experiência do CrediAmigo, programa de microcrédito que completará 12 anos em 2010.