Posts Tagged ‘livro’

Poeta maranhense autografa novo livro no Canto Madalena

22 setembro 2011

 
 
O poeta maranhense Fernando Abreu autografa dia 6 de outubro, no bar Canto Madalena, em São Paulo, Aliado Involuntário (Exodus, 2011), sua terceira coletânea de poemas. O livro quebra um silêncio editorial de oito anos, depois da publicação O Umbigo do Mudo (Clara Editora, 2003), segundo livro do artista. O primeiro foi Relatos do Escambau (Exodus), de 1998, publicado pouco tempo depois da dissolução do grupo conhecido como Academia dos Párias, do qual foi um dos fundadores.

Maranhense de São Luís, Fernando Abreu também é letrista de música popular, tendo entre seus parceiros, Chico César, e os maranhenses Gerson da Conceição, Zeca Baleiro e Nosly. Os três últimos gravaram parcerias com o autor em seus discos, sendo as mais conhecidas, Alma Nova, Rock do Cachorro Doido e Guru da Galera, lançadas por Zeca Baleiro nos discos Baladas do Asfalto e outros Blues (2005) e Pet Shop Mundo Cão (2002).

O recém-lançado Parador, disco de Nosly produzido por Baleiro, traz Você Vai me Procurar, parceria com Fernando, de quem o cantor e violonista musicou Para uma grande dama, poema do novo livro do artista que homenageia as atrizes do universo pornô.

Com Aliado Involuntário, Fernando Abreu reativa o selo independente Exodus, onde  estreou individualmente. O novo livro traz 41 poemas embalados em projeto do designer gráfico Francisco Rogero e ilustrações do artista plástico Geetesh.  O livro é apresentado pelo poeta e ensaísta Reuben da Cunha Rocha, num misto de e-mail/poema/prefácio, e traz texto assinado pelo próprio autor, comentando o processo de criação da nova obra.

Aliado Involuntário tem como marca principal a presença de poemas mais longos, de uma oralidade ausente tanto nos dois livros anteriores quanto nos poemas publicados na revista Uns & Outros, da Academia dos Párias. “Não queria me transformar em um resignado refém de poemas-insight, do tipo que nasce praticamente pronto, deixando pouco espaço para uma carpintaria que sempre me interessou e que começava a me fazer falta” diz o poeta na orelha do livro.

Serviço

O quê: Noite de autógrafos de Aliado involuntário.
Quem: o poeta Fernando Abreu.
Onde: Bar Canto Madalena (Rua Medeiros de Albuquerque, 471, Vila Madalena, SP).
Quando: 6 de outubro (sexta-feira), às 20h30min.
Quanto: entrada franca. O livro custa R$ 30,00.
Maiores informações: escambau@hotmail.com

Anúncios

“Café com Direitos Humanos” tem cultura na pauta

6 dezembro 2010

Exibição de documentário, lançamento de livro e disco e show musical compõem a programação, destacando a cultura maranhense

A Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH)/Escritório Brasília reúne, sempre às últimas quartas-feiras do mês, militantes de direitos humanos e a comunidade em geral, no Café Cultural da Caixa, no Setor Bancário Sul.

O Café com Direitos Humanos pretende disseminar uma nova concepção de Direitos Humanos, que se contraponha à naturalização da violência, resgate a vida como um valor fundamental e incorpore as dimensões de direitos civis, políticos, econômicos, sociais, culturais e ambientais. O acontecimento traz os direitos humanos numa perspectiva informal e com diferentes enfoques e expressões culturais.

Nesta quarta-feira (8) será realizada a segunda edição do Café com Direitos Humanos, a partir das 18h30min. Expressões culturais maranhenses serão fortemente manifestadas. “A partir da execução nacional do Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas, o Provita, pela SMDH temos um escritório em Brasília. É preciso valorizarmos o M de nossa sigla”, comenta a advogada Joisiane Gamba, da coordenação da entidade.

Às 18h30min será exibido o documentário Aperreio (2010, 20min.), curta-metragem de Doty Luz e Humberto Capucci, feito sob encomenda do Comitê de Monitoramento às Políticas Voltadas às Vítimas das Enchentes no Maranhão, integrado pela SMDH e outras entidades do movimento social maranhense. O filme conta, sob a ótica dos saberes e cultura populares, as tragédias por que passaram diversos municípios do Estado em 2008 e 2009.

Em seguida, a jornalista, socióloga e professora universitária Helciane Araújo lança seu livro Memória, mediação e campesinato: as representações de uma liderança sobre as lutas camponesas da pré-Amazônia maranhense. A obra, através da pesquisa de uma história de vida, traça uma análise sociológica das representações de uma liderança camponesa, Manoel da Conceição, sobre a sua trajetória de vida e a história política do Maranhão. Mané, como gosta de ser chamado, recebeu recentemente o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Manoel da Conceição é ainda homenageado pelo cantor e compositor Gildomar Marinho. O carimbó elétrico Batalha do cerrado, de seu segundo disco, Pedra de Cantaria, é uma espécie de microbiografia musical do líder camponês. O músico maranhense radicado em Fortaleza/CE lançará seu novo  disco no Café com Direitos Humanos. Ainda em dezembro ele fará show de lançamento em São Luís.

A SMDH – Criada em 12 de fevereiro de 1979, no bojo das lutas pela anistia, a SMDH configurou-se como uma entidade da sociedade civil de natureza pública e um espaço político de denúncia contra o arbítrio e a violência, fatos comuns durante o regime ditatorial. Para isso, adotou como uma das linhas de ação a assessoria jurídica e a formulação de denúncias e reivindicações oriundas das comunidades, junto aos governos.

A SMDH tem participado de redes temáticas de interesse técnico e institucional entre as organizações que defendem os direitos humanos e a natureza, tais como os Conselhos Estaduais de Desenvolvimento Rural Sustentável, de Igualdade Racial,  e de Defesa dos Direitos Humanos. Integra a Associação Brasileira de ONGs (ABONG), a Plataforma Brasileira de Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (Dhesca) e o Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH).

Lírica batucada: Vitor Ramil e Marcos Suzano se apresentam em São Luís

28 julho 2010

O compositor gaúcho Vitor Ramil e o percussionista carioca Marcos Suzano revivem Satolep Sambatown, disco que lançaram juntos em 2007, e outras fases de suas carreiras solo.

Em 2007 o gaúcho Vitor Ramil se uniu ao carioca Marcos Suzano e o resultado foi Satolep Sambatown, disco miscigenado por excelência: da milonga ao choro, passando por samba e eletrônica, tudo cabia no balaio sonoro da dupla, que ousou experimentar. Belo resultado.

Depois do disco e de alguns shows, cada um seguiu seu rumo. O percussionista tocando com “Deus e o mundo”, como sempre fez: entre outros, Marisa Monte, Lenine, Zeca Baleiro e Gilberto Gil. O violonista, compositor e escritor nos brindando com o belíssimo Délibáb (Núcleo Contemporâneo, 2010), em que interpreta poemas que musicou do argentino Jorge Luis Borges e do gaúcho João da Cunha Vargas – disco que tem a participação especial de Caetano Veloso. 

Em agosto São Luís será a Satolep Sambatown de Marcos Suzano e Vitor Ramil. Foto: Blogue do Mauro Ferreira

Agora os dois se reencontram e chegam à São Luís. A capital maranhense, mais especificamente o palco do Teatro Arthur Azevedo, será a Satolep de Ramil – Pelotas, sua cidade natal, escrita de trás para frente, batizando-lhe selo e livro (CosacNaify, 2008) – a “cidade do samba” (tradução possível de Sambatown) de Suzano.

A dupla apresentará em show, dia 19 de agosto (quinta-feira), às 21h, músicas de Satolep Sambatown e de outros discos de Vitor Ramil e Marcos Suzano – que produzem e tocam os instrumentos daquele álbum –, sem dúvida um encontro histórico da música brasileira.

A delicadeza do violão e das criações líricas de Vitor Ramil somadas ao “armamento” percussivo de Marcos Suzano certamente agradará aos apreciadores de boa música da cidade.

Serviço – Vitor Ramil e Marcos Suzano se apresentam dia 19 de agosto (quinta-feira), às 20h, no Teatro Arthur Azevedo (Rua do Sol, Centro). Show de abertura: Alberto Trabulsi. Ingressos: R$ 30,00 (metade para estudantes com carteira), à venda na bilheteria do TAA. Maiores informações: (98) 8137-7452, 8888-3722, zemaribeiro@gmail.com

MinC lança em São Luís a coletânea “Drogas e Cultura: novas perspectivas

24 junho 2010

Obra será lançada em São Luís segunda-feira, 28. Capa. Reprodução.

O livro Drogas e Cultura: novas perspectivas (acima, reprodução da capa) será lançado na próxima segunda-feira, 28 de junho, às 19h, no Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio). 

A publicação, apoiada e financiada pelo Ministério da Cultura (MinC), contribui para o debate público sobre as drogas, à medida que não se restringe aos aspectos biomédicos dos produtos e de suas propriedades. A obra propõe ampliação nas discussões sobre o uso de substâncias psicoativas, a partir de 17 artigos de pesquisa e reflexão no âmbito das ciências humanas. Tem como co-organizadores Henrique Carneiro, Bia Labate, Edward MacRae, Sandra Goulart e Maurício Fiore, entre outros. A publicação tem parceria com a EDUFBA (Editora da Universidade Federal da Bahia).

O livro aborda majoritariamente a relação humana com tais produtos, as motivações e os sentidos ligados à produção e ao uso de sustâncias específicas. Traz elementos para ajudar a compreender a interpretação que os sujeitos dão à experiência com as drogas, de seu estado, da motivação que os impele a um consumo repetido de determinada substância, dos sentidos e razões pelas quais a considera importante e indispensável para satisfação de determinadas metas e necessidades.

Drogas e Cultura: novas perspectivas é um esforço no sentido de qualificar o debate sobre a descriminalização e a legalização das drogas, que hoje continua sendo depreciado e descartado como leviano, irresponsável e moralmente suspeito. O livro revela que a perspectiva cultural é uma forma qualificada para lidar e tratar a questão das drogas. A cultura é a manifestação das relações sociais, media diálogos, cria e reconhece a importância do saber popular sobre as drogas. O olhar social sobre essa questão não pode ser apenas o da criminalização policial ou da medicina psiquiátrica.

O evento de lançamento do livro contará com as presenças de Fabio Kobol (MinC), Henrique Carneiro (co-organizador do Livro e do NEIP), Euclides Moreira Neto (Fundação Municipal de Cultura), Paulo Alves Moreira (Pesquisador e escritor), Mivan Gedeon (Secretaria Municipal de Comunicação), Daniel Serra e Sérgio Ferreti (antropólogo e professor). Após a cerimônia haverá distribuição gratuita do livro, cuja versão eletrônica pode ser acessada neste link.

Serviço

O quê? Lançamento do livro Drogas e Cultura: novas perspectivas
Quando? segunda-feira, 28 de junho, às 19h
Onde? Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio)

[Release recebido do Ministério da Cultura]

Escritor paraense lança livros infantis em São Luís

26 janeiro 2010

Guaracy Brito Jr, ex-integrante da Akademia dos Párias, lança dia 2 de fevereiro na livraria Athenas dois livros premiados no Pará.

O escritor e jornalista Guaracy Brito Jr lança no dia 2 de fevereiro, às 18h, na Livraria Athenas, no Monumental Shopping, os livros infantis A Nuvem e O Patinho que fazia quã, ambos premiados: o primeiro pelo Instituto de Arte do Pará; e o segundo pela Secretaria de Cultura do Estado.

A Nuvem – Escrito a partir de uma pergunta feita pela afilhada do escritor, Tereza, quando tinha seis anos (hoje tem dezessete): “Tio, o que é nuvem?”. Uma semana depois, Guaracy escreveu o que achava das nuvens e entregou a ela. “Foi um texto feito com amor. Tereza é uma pessoa doce”, afirma ele. A Nuvem também tem ligação afetiva com sua filha, Yasmin, da mesma idade de Tereza, que na época morava com a mãe em algum lugar do Brasil, longe dele.

O Patinho Que Fazia Quã – Surgiu do hábito de inventar histórias para o filho Bruno dormir. Fala de um franzino patinho de estimação com problemas na voz, que sonha em ser cantor e é bastante curioso. Vive uma aventura bem diferente, em que o personagem bíblico Noé participa pescando.

O autor – Guaracy nasceu em Belém em setembro de 1962 e atua há 20 anos na área de rádio e televisão. Publicou os livros de poemas Insanidade Vital (1983) e Sala de Visitas (1985), este editado pela Editora Guarnicê com participação de poetas do Maranhão. É diretor do programa 7 Set Independente, sobre arte & tecnologia e cidadania digital, e diretor e criador do programa lítero-musical Visagem, na rádio Cultura. Atualmente, coordena o Núcleo de Interprogramação da TV Cultura do Pará, é cronista do jornal O Liberal, roterista e diretor de documentários institucionais, redator publicitário, além de ter sido desenhista sonoro em curtas paraenses de ficção (Marília, Mente Dividida, Matinta Perera).

O escritor morou em São Luís entre 1984 e 1986 e foi fundador e um dos principais integrantes da Akademia dos Párias, reunião de jovens estudantes da Universidade Federal do Maranhão que, entre outras coisas, lançou oito edições da revista de poesia Uns & Outros. O poeta participou também dos dois livros-CDs do poeta maranhense Celso Borges, XXI e Música, fazendo trilhas para os poemas Pária, Minha vida sem saída em Edgar Alan Poe e Dialética.

A nuvem e O patinho que fazia quã serão autografados pelo poeta paraense Guaracy Brito Jr.

LANÇAMENTO DOS LIVROS
A Nuvem e O Patinho que fazia quã
De Guaracy Brito Jr.
Dia 2 de fevereiro
Livraria Athenas – Monumental Shopping, às 18h
Promoção: Associação dos Livreiros do Maranhão (ALEM)
Realização: Pegada Produções
Mais informações: Celso Borges – (98) 3227-0079/ 8179-1113