Posts Tagged ‘doações’

CNBB e Cáritas lançam campanha em favor das vítimas do terremoto no Haiti

19 janeiro 2010

Doações em dinheiro podem ser feitas em contas correntes ou em Igrejas.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Cáritas Brasileira lançaram campanha de arrecadação de donativos para doação aos atingidos pelo terremoto no Haiti.

Em nota divulgada no último dia 15 de janeiro, o presidente da CNBB, Dom Geraldo Lyrio Rocha, bispo de Mariana, e o presidente da Cáritas, Dom Demétrio Valentim, bispo de Jales, conclamam “todas as comunidades eclesiais, paróquias e dioceses a promoverem (…) dia 24 de janeiro, ou em outra data conveniente, orações e coletas em dinheiro para as vítimas do terremoto no Haiti”. A íntegra da nota pode ser lida neste link.

Doações em dinheiro podem ser depositadas nas seguintes contas correntes: Banco do Brasil – Agência: 3475-4 – Conta Corrente: 23.969-0; Caixa Econômica Federal – OP: 003 – Agência: 1041 – Conta Corrente: 1132-1; Banco Bradesco – Agência: 0606 – Conta Corrente: 70.000-2.

Os recursos das doações serão destinados às ações de socorro imediato, reconstrução e recuperação das condições de vida do povo haitiano.

A nota da CNBB e Cáritas afirma serem necessários ainda gestos de solidariedade como o perdão da dívida externa do Haiti, correspondente a 30% de seu pobre orçamento.

Não há consenso sobre o número de vítimas do terremoto: a Organização Pan-Americana de Saúde, ligada à ONU, afirma que podem ter morrido cerca de 100 mil pessoas; a Cruz Vermelha estima entre 45 mil e 50 mil o número de mortos; o governo do Haiti chegou a estimar este número em 200 mil. Em qualquer dos quadros, um quadro bastante desolador.

Segundo o governo brasileiro, morreram no país 17 militares e dois civis brasileiros: a médica Zilda Arns e o chefe-adjunto civil da missão da ONU no Haiti, Luiz Carlos da Costa.

*

Leia mais: Cáritas e CNBB lançam Campanha SOS Haiti.

Famílias vitimadas pelas enchentes continuam a receber apoio da Cáritas no Maranhão e Piauí

26 junho 2009

Além da ação emergencial, Cáritas defende a mobilização das famílias para a conquista de direitos e está trabalhando em projetos de reconstrução de casas e recuperação de produção agricola.

POR ZEMA RIBEIRO*

Projeto realizado em parceria pelos secretariados regionais da Cáritas Brasileira no Maranhão e Piauí com recursos da Cáritas Alemã e do Governo da Alemanha beneficiarão mais 2.050 famílias nos dois estados.

No Maranhão receberão kits de higiene, de limpeza, de dormir e cestas básicas, famílias dos municípios de Arari, Bacabal, Codó, Itapecuru-Mirim, Monção, São Luiz Gonzaga, Trizidela do Vale e Vitória do Mearim.

Os kits de higiene são compostos por dois sabonetes, dois cremes dentais (250g cada), três escovas de dente, um xampu, um condicionador e um pacote de fralda infantil de algodão; os de limpeza têm dois litros de água sanitária, duas caixas de sabão em pó (500g cada), cinco barras de sabão em pedra, um litro de desinfetante e um filtro com velas.

Duas redes, dois lençóis de solteiro, um mosqueteiro de rede e um de cama são o conteúdo do kit de dormir. As cestas básicas contêm cinco quilos de arroz, três quilos de feijão, dois pacotes de macarrão, três latas de sardinha, dois pacotes de leite em pó, dois pacotes de biscoito, dois quilos de açúcar, três pacotes de café, um litro de óleo, dois quilos de farinha, um quilo de sal e dois pacotes de fubá de milho.

Essa não é a primeira ação da Cáritas Brasileira em atendimento às emergências com as cheias que castigaram boa parte das regiões Norte e Nordeste este ano. Mês passado a Cáritas Brasileira Regional Maranhão distribuiu cerca de 100 mil reais em kits de limpeza a famílias atingidas em cinco municípios (Bacabal, Codó, Pedreiras, São Luiz Gonzaga e Trizidela do Vale), recursos recebidos da USAID (a Agência de Desenvolvimento ianque), via CRS (Catholic Relief Services, organismo da Igreja Católica Internacional).

“A primeira preocupação quando ouvimos falar em tragédias como as enchentes e nas suas consequentes vítimas é com a alimentação. Famílias perdem toda a produção e ficam sem ter o que comer. Mas esta não pode ser a única: é preciso se preocupar com isso também, mas com a saúde dessas pessoas e em políticas públicas estruturantes, que garantam os direitos dos atingidos, já que sabemos, este quadro se repetirá ano a ano e, talvez, de forma ainda mais grave”, afirma Ricarte Almeida Santos, secretário executivo da Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Cáritas está trabalhando em projeto de reconstrução de moradias destruídas pelas enchentes. Foto: Acervo Cáritas Brasileira Regional Maranhão

Cáritas está trabalhando em projeto de reconstrução de moradias destruídas pelas enchentes. Foto: Acervo Cáritas Brasileira Regional Maranhão

“A Cáritas trabalha na perspectiva de mobilizar as famílias para a conquista de direitos. Além de ações de caráter mais emergencial, como a distribuição dos kits e cestas, estamos tentando viabilizar projetos que garantam a reconstrução de casas, experiência piloto com 30 unidades, cujos recursos destinados a essa ação serão potencializados pelo regime de mutirão em que a comunidade de Unha de Gato [no município de Lago da Pedra/MA] trabalhará. Outro projeto em que estamos trabalhando é para tentar garantir também a recuperação das produções das famílias atingidas”, continua. A farinha adquirida para distribuição nas cestas básicas, por exemplo, é adquirida junto a grupos produtivos que integram a Rede Mandioca.

A Cáritas está articulando o trabalho de distribuição dos kits nos sete municípios que serão beneficiados agora. Participam das ações as equipes de Cáritas Diocesanas e das dioceses e paróquias naquelas cidades. Assessora da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, Lucineth Cordeiro visitará os municípios: “Alguns municípios já têm equipes estruturadas para proceder a distribuição dos kits e cestas. Em outros, o trabalho começará praticamente do zero”, afirmou.

DOAÇÕES – Interessados em realizar doações à Cáritas Brasileira Regional Maranhão podem procurar a entidade, vinculada à Igreja Católica, em horário comercial, em sua sede, localizada na Rua do Alecrim, 343, Centro, São Luís/MA. O telefone é (98) 3221-2216. Para doações em dinheiro, interessados podem depositar qualquer quantia no Banco do Brasil (001), Agência 2972-6, conta corrente nº. 32.655-0.

*ZEMA RIBEIRO é assessor de Comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Atingidos pelas enchentes em Viana e Cajari recebem visita de agentes da Cáritas

27 maio 2009

Representantes da entidade verificaram a situação e distribuíram cestas básicas e kits de limpeza.

Representantes da Cáritas Brasileira Regional Maranhão e da Cáritas Nacional visitaram ontem (26), os municípios de Viana e Cajari. Na ocasião verificaram in loco a situação dos atingidos pelas enchentes naqueles dois municípios – no primeiro reuniram-se com a equipe de Cáritas Diocesana local, pastorais sociais e Fórum de Cidadania – e procederam a distribuição de cestas básicas e kits de limpeza.

 
Agentes da Cáritas organizam a distribuição de cestas básicas

Agentes da Cáritas organizam a distribuição de cestas básicas

Lucineth Cordeiro Machado, da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, apresenta o cenário encontrado: “Em Viana, a situação é peculiar. Apesar das enchentes, as famílias não deixaram as casas. Convivem com casas cheias d’água, a água pela cintura, com umidade e fedor insuportáveis”, explica. Ontem, em diversas residências visitadas, a água atingia ainda cerca de um metro de altura, nível que não está baixando. Em Viana foram distribuídas 50 cestas básicas e 50 kits de limpeza.

Ricarte Almeida Santos, secretário executivo da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, explica: “Este projeto, em favor dos atingidos pelas enchentes, é fruto de um apoio obtido junto à Cáritas Alemã”. Indagado sobre os recursos da USAID, a agência de desenvolvimento americana, ele afirma: “Os recursos foram depositados na conta da Cáritas somente essa semana, quando procederemos a assinatura de um termo de parceria com a Defesa Civil estadual, que será responsável pelo encaminhamento dos kits de limpeza aos municípios beneficiados”.

Agentes da Cáritas visitam casa, habitada mesmo com a enchente

Agentes da Cáritas visitam casa, habitada mesmo com a enchente

Ontem também, 66 cestas básicas e 66 kits de limpeza foram distribuídos em Cajari. Cada cesta básica compreende cinco quilos de arroz, dois quilos de feijão, dois quilos de farinha, um litro de óleo, um quilo de macarrão, meio quilo de leite, três latas de sardinha, um quilo de sal, dois pacotes de biscoito água e sal, dois pacotes de fubá de milho, dois quilos de açúcar e um quilo de café. Cada kit de limpeza contém duas vassouras, dois baldes, dois panos de chão, água sanitária, dois pacotes de sabão, cinco barras de sabão em pedra, um desinfetante e quatro rolos de papel higiênico.

Ricarte Almeida Santos justifica o kit de limpeza: “Geralmente pensamos que a única necessidade das vítimas das enchentes é alimentação. Esta talvez seja realmente a primeira necessidade, mas um kit de limpeza também é importante, para evitar o que chamamos de tragédias complementares, ou seja, as doenças que se aproveitam das enchentes, o que já é uma tragédia em si, e rapidamente proliferam-se, desencadeando epidemias e gerando um novo grande problema”. E retoma: “Os recursos da USAID, por exemplo, serão integralmente usados na compra de kits de limpeza para os municípios de Bacabal, Codó, Pedreiras, São Luís Gonzaga e Trizidela do Vale”.

Paisagem desoladora é constante nos municípios visitados

Paisagem desoladora é constante nos municípios visitados

Para José Magalhães de Sousa, assessor do Secretariado Nacional da Cáritas Brasileira, “o que acontece é o aprofundamento de uma situação de extrema pobreza. O excesso de chuvas só vem a piorar bastante um quadro já bastante ruim. Por outro lado, fora a Cáritas e algumas pastorais sociais, não vemos nenhuma mobilização no sentido de organizar os atingidos e a sociedade civil local como um todo. Para ele “a distribuição de cestas básicas e kits de limpeza é importante e deve continuar, mas devemos pensar em projetos estruturantes. Nestes dois municípios, por exemplo, iremos tentar viabilizar projetos para a reconstrução de casas, mas isso depende de parcerias. No entanto, ou se faz algo do tipo ou ficaremos, ano a ano, acompanhando e intervindo junto às vítimas das enchentes”, finalizou.

Vários beneficiados com as cestas básicas e kits de limpeza previram “um ano de fome”, por conta da perda da produção agrícola.

*

Fotos: Acervo Cáritas Brasileira Regional Maranhão