Posts Tagged ‘choro’

Outros 400 homenageará Cartola

30 setembro 2011

Léo Spirro lança cd com repertório dedicado ao mestre de Mangueira em show. Outros convidados são a cantora Milla Camões e o poeta Herberth de Jesus Santos, que autografará seis livros de sua autoria

Clique para ampliar

O Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande) será palco de mais um show da temporada Outros 400, capitaneada pelo compositor Joãozinho Ribeiro, que se apresenta acompanhado do Regional 400, formado pelos músicos Arlindo Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Fleming (bateria), Jeff Soares (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete).

Na sexta edição da série, Joãozinho Ribeiro terá como convidados especiais os cantores Léo Spirro e Milla Camões. Participa ainda da noite o jornalista e poeta Herberth de Jesus Santos, que lançará alguns títulos de sua autoria, entre poesia e prosa.

Betinho – como o autor é conhecido entre os amigos – autografará aos interessados seis títulos de sua lavra: Antes que Derramem a Lua Cheia (crônicas), São Luís em PreAmar: Ainda Assim, há um Azul! (poesia), Peru na Missa do Galo (contos de Natal), A Segunda Chance de Eurides (novela), Serventia e os Outros da Patota (contos) e Ofício de São Luís: Bernardo Coelho de Almeida (Coração em Verso e Prosa).

Milla Camões, que prepara disco de estreia com direção musical de Celson Mendes, o “maestro” de Outros 400, participará com repertório que inclui samba, choro, jazz e bossa nova.

Cartola – A noite reverenciará o gênio de Mangueira, Angenor de Oliveira, o Cartola. O sambista será lembrado por ocasião do lançamento do disco de estreia de Léo Spirro: A canção de Cartola na voz de Léo Spirro, que tem direção musical de Arlindo Pipiu.

O cantor setentão será acompanhado pelo Regional Passeio Serenata: Arlindo Pipiu (violão sete cordas e direção musical), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho), Chico Chinês (tantã) e Zé Carlos (pandeiro). No repertório, clássicos de Cartola, entre outros Alvorada, Cordas de aço, As rosas não falam e Autonomia, entre outros.

Com o passeio de tantos talentos, esta edição de Outros 400 certamente vai se transformar em uma grande jam – para ninguém botar defeito.

Serviço

O quê: Outros 400 – 6ª. edição.
Quem: o compositor Joãozinho Ribeiro, Regional 400 e convidados: o poeta e jornalista Herberth de Jesus Santos, os cantores Milla Camões e Léo Spirro e o Regional Passeio Serenata.
Quando: quinta-feira (6/10), às 21h.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande).
Quanto: R$ 10,00.

Anúncios

Na Toca do Choro: para se despedir das férias em grande estilo

28 julho 2011

A formação muda, mas a peteca não cai: o Regional Azeite Brasil traz para você, todas as sextas-feiras, o melhor happy hour de São Luís, a base de choro. João Soeiro (violão), João Neto (flauta), Juca do Cavaco e Wanderson (percussão) passeiam entre Pixinguinhas, Nazarés, Azevedos e Jacobs, entre outros mestres, para garantir sua diversão.

O ambiente agradável da Toca da Empada, a boa conversa com amigos, a cerveja gelada e os deliciosos tira-gostos garantem o cenário perfeito para você se despedir das férias. Se ainda resta o fim de semana inteiro, para a praia e quem sabe outras baladas, comece a despedida temperando-a com Azeite Brasil.

Mas o fim das férias não é motivo nenhum para a tristeza: alegria e descontração nas noites de sexta estão garantidas, mesmo (ou principalmente) em tempos de trabalho duro. Como prenuncia o slogan: “onde se toca empada, também se come choro”. É a mais deliciosa empada da Ilha com a melhor música do Brasil.

A Toca da Empada do Renascença fica no Edifício Executive Center (Rua Queopes, ao lado da Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais). O couvert artístico individual custa apenas R$ 10,00. A apresentação tem início às 19h.

Uma Toca de novidades

7 julho 2011

Petiscos do cardápio da Toca da Empada homenageiam choros de autores maranhenses. Visite e confira!

O que você quer temperar com Azeite Brasil? A Toca da Empada tem novidades para você! Toda sexta tem sarau com o grupo formado por Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco e Sabujá (percussão). O happy hour ideal: bom papo, boa música, ambiente aconchegante, e é claro, cerveja gelada. Sempre a partir das 19h.

A partir desta sexta (8), algumas novidades no cardápio. Destaque para o Candiru, comida de boteco a base de camarão seco de Tutóia e farinha biriba de Pinheiro: gastronomia e geografia sentimental, um passeio pelo Maranhão em sua mesa, na Toca da Empada.

Candiru – O choro de Zezé Alves e Omar Cutrim gravado pelo Instrumental Pixinguinha em seu disco de estreia batiza o novo petisco da Toca da Empada, em cujo cardápio já constam outros pratos e outros choros, vale a pena conferir!

A Toca da Empada você já sabe: fica ali no Renascença, no Edifício Executive Center, Rua Queóps, ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais. O couvert artístico custa apenas R$ 10,00.

Toca da Empada: a grife do choro

30 junho 2011

Saraus do happy hour de sexta-feira já integram o calendário musicultural de São Luís

Já completou dois meses a série Na Toca do Choro, cujas apresentações acontecem sempre às sextas-feiras, na Toca da Empada do Renascença (Edifício Executive Center, Rua Queops, ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumetos Musicais). O Regional Azeite Brasil, cuja formação recentemente mudou, tem dado conta do recado.

Juca do Cavaco, João Neto (flauta), Domingos Santos (violão sete cordas) e Sabujá (percussão) animam a plateia presente passeando por choro, bossa, samba e o que há de melhor na música instrumental brasileira – às vezes, os integrantes chegam até a arriscar um ou outro trecho cantado, para o deleite dos que prestigiam a iniciativa. Show à parte são também as didáticas intervenções de mestre Juca: professor da Escola de Música do Maranhão, ele conhece muito da história de diversas músicas que o grupo toca, em geral engraçadas, além de passagens hilárias das biografias de seus compositores e/ou executantes.

“A formação original do Azeite Brasil mudou, mas a proposta permanece a mesma. A Toca da Empada nos acolheu com muito carinho, criou o ambiente propício para esta animada roda de choro, gênero musical que tem recebido cada vez mais atenção do público, sobretudo do público jovem, o que nos deixa bastante contentes”, afirma o músico João Neto, único remanescente da formação original do Azeite Brasil.

Pixinguinha – A formação que hoje esbanja talento chegou a ser anunciada como Instrumental Pixinguinha. Explica-se: três de seus integrantes são do único regional maranhense de choro a ter um disco gravado – João Neto substitui o professor Zezé da Flauta, responsável por parte de sua formação musical. O aluno, hoje também já considerado um mestre do instrumento, conta: “O Instrumental Pixinguinha continua existindo, mas aqui é outro grupo. Raimundo Luiz [atual diretor da Escola de Música], um personagem importante dessa história, por exemplo, atualmente não está assumindo compromissos para além do grande compromisso que tem de tocar a EMEM. Por isso mudamos a formação mas mantivemos a grife Azeite Brasil”.

Azeite Brasil – Nome que tem tudo a ver com a proposta da casa, caindo-lhe bem mesmo como tempero. Se a boa música e a cerveja gelada são temperos dos dedos de prosa “gastos” pela plateia, o Regional é quem ajusta toda essa engrenagem. “Damos o melhor da gente como músicos paara que a plateia esteja confortável num ambiente agradável, pra que sintam vontade de voltar”, continua João Neto.

“A Toca da Empada se configura como um novo e importante palco para o choro em São Luís, o que por si só já seria louvável. Mas consegue juntar num mesmo espaço um bom atendimento, um cardápio delicioso e sobretudo boa música”, afirma Ricarte Almeida Santos, tido como embaixador do choro no meio musical da capital maranhense, habitué dos saraus da Toca da Empada.

Julho – Se a série Na Toca do Choro não foi interrompida no período junino, ela continuará nas férias. Sexta-feira, 1º. de julho, seu happy hour tem endereço certo: a Toca da Empada do Renascença, com o Regional Azeite Brasil. O sarau começa às 19h. O couvert artístico individual custa apenas R$ 10,00.

Serviço

O quê: Na Toca do Choro.
Quem: Regional Azeite Brasil: Juca do Cavaco, Domingos Santos (violão sete cordas), Sabujá (percussão) e João Neto (flauta).
Quando: sexta-feira (1º. de julho), às 19h.
Onde: Toca da Empada (Edifício Executive Center, Rua Queóps, Renascença. Ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).
Quanto: R$ 10,00 (couvert artístico individual).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com
Redação: Zema Ribeiro.

E tome choro!

23 junho 2011

 Recheio de empada no recheio do seu feriadão!

Você, que já curtiu a ressaca de mais uma vitória brasileira na Libertadores da América, sendo santista ou não, e que não viajou aproveitando o feriadão, ‘tá de bobeira, sem sair de casa, refém da programação da tevê aberta, ou zanzando sem rumo pela Ilha?

Quer uma boa pedida? Sanduíche de choro na Toca da Empada do Renascença (Edifício Executive Center, Rua Queops, ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).

De pães uma quinta feriado e um sábado. No recheio, uma sexta-feira com o melhor do choro, comida gostosa e cerveja gelada. O happy hour Na Toca do Choro começa às 19h e tem como atração o Instrumental Pixinguinha, com o melhor da música instrumental brasileira.

Juca do Cavaco, João Neto (flauta), Domingos Santos (violão sete cordas) e Sabujá (percussão) vão de choro e bossa nova aos ritmos da cultura popular do Maranhão, marcando o período junino no mais novo palco da música instrumental em São Luís.

O couvert artístico individual custa apenas R$ 10,00.

Serviço

O quê: Na Toca do Choro.
Quem: Instrumental Pixinguinha: Juca do Cavaco, Domingos Santos (violão sete cordas), Sabujá (percussão) e João Neto (flauta).
Quando: sexta-feira (24), às 19h.
Onde: Toca da Empada (Edifício Executive Center, Rua Queóps, Renascença. Ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).
Quanto: R$ 10,00 (couvert artístico individual).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com
Redação: Zema Ribeiro

Pixinguinha Na Toca do Choro

16 junho 2011

Choro em pleno São João na Toca da Empada

Duas novidades vão deixar você com ainda mais vontade de prestigiar o sarau Na Toca do Choro, na Toca da Empada do Renascença (Edifício Executive Center, Rua Queóps, ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).

O Instrumental Pixinguinha assume o palco, diante de compromissos juninos dos integrantes do Azeite Brasil, por assim dizer os titulares da casa. Juca do Cavaco, Domingos Santos (violão sete cordas), Sabujá (percussão) e João Neto (flauta), o ubíquo remanescente do outro grupo, não deixarão a peteca cair: música brasileira instrumental e cantada – Na glória! – com “historietas hilariantes” contadas por mestre Juca para animar as noites de sexta de junho, regadas a comida gostosa e cerveja gelada.

E por falar em cerveja gelada, eis a segunda novidade que a Toca da Empada tem o prazer de lhes apresentar: promoção da casa, Devassa 600 ml por apenas R$ 6,00. É ou não é uma boa pedida, juntar boa música, comida gostosa, bebida idem e(m) ambiente agradável? Sexta-feira o seu happy hour tem endereço certo: Na Toca do Choro na Toca da Empada! O couvert artístico individual custa apenas R$ 10,00.

Serviço

O quê: Na Toca do Choro.
Quem: Instrumental Pixinguinha: Juca do Cavaco, Domingos Santos (violão sete cordas), Sabujá (percussão) e João Neto (flauta).
Quando: sexta-feira (17), às 19h.
Onde: Toca da Empada (Edifício Executive Center, Rua Queóps, Renascença. Ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).
Quanto: R$ 10,00 (couvert artístico individual).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com
Redação:
Zema Ribeiro

O Maranhão cai no choro

8 junho 2011

Saudando a chegada da temporada junina Regional Azeite Brasil incorpora ao choro elementos da cultura popular maranhense.

Toadas e sotaques de bumba meu boi, a malemolência e sensualidade do cacuriá, entre diversos outros ritmos da cultura popular maranhense integram o cardápio musical da Toca da Empada nesta sexta-feira (10). Aos chorões já acostumados com o novo endereço do mais brasileiro de todos os gêneros musicais em São Luís, calma!: o bom e velho choro continua a toda.

“Os festejos juninos chegaram e vamos botar umas pitadas de Maranhão no choro”, anuncia João Neto, flautista do Regional Azeite Brasil, que tem temperado as noites de sexta-feira na Toca da Empada (Edifício Executive Center, Rua Queóps, Renascença, ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais). O grupo se completa com João Eudes (violão sete cordas), Wanderson (percussão) e Wendell Cosme (cavaquinho).

Consolidada no cenário musicultural da capital maranhense a produção da série Na Toca do Choro estuda não interrompê-la durante o período junino. O que acha você, que lê esta divulgação, ouve choro e frequenta a animada roda? Dê aí o seu pitaco!

Serviço

O quê: Na Toca do Choro.
Quem: Regional Azeite Brasil: João Eudes (violão sete cordas), João Neto (flauta), Wanderson (percussão) e Wendell Cosme (bandolim e cavaquinho).
Quando: sexta-feira (10), às 19h.
Onde: Toca da Empada (Edifício Executive Center, Rua Queóps, Renascença. Ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).
Quanto: R$ 10,00 (couvert artístico individual).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com
Redação: Zema Ribeiro

Te entoca na toca!

2 junho 2011

Na Toca do Choro na Toca da Empada. O melhor happy hour de São Luís.

Recorro à memória afetiva, sentimental, dos programas de rádio ouvidos na infância, para lembrar um slogan, jargão, ou algo que o valha, dito por um locutor de programa de reggae. Atualizando-o e trazendo a coisa do ritmo jamaicano ao mais brasileiro dos gêneros musicais, em verdade vos digo: te entoca na toca! Do choro!

Se a toca de que falava – ainda fala? – aquele locutor ainda estiver na ativa, perdoem-me a apropriação indébita. Mas em um mundo onde nada se cria e tudo se transforma – ou se copia? –, permitam-me, aqui, meu control c control v.

A Toca da Empada (Edifício Executive Center, Rua Queóps, Renascença, ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais) é o novo palco do choro na capital maranhense, uma das cidades brasileiras onde o choro tem ganhado mais vigor ao longo dos últimos anos.

O Regional Azeite Brasil, com o talento e o virtuosismo de seus integrantes, tem, a cada sexta-feira, temperado bem o ambiente perfeito para amigos, amigas, casais, pais e filhos, meninos, meninas, bambinos, bambinas, brasileirinhos e brasileirões, enfim, todos e todas que apreciam o gênero imortalizado por nomes como Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo e Ernesto Nazareth.

Compositores e instrumentistas de primeira linha sempre lembrados pelo violão sete cordas de João Eudes, pela flauta de João Neto, pelo pandeiro e outros badulaques percussivos de Wanderson e pelo bandolim e cavaquinho de Wendell Cosme.

Tempere você também a noite de sua sexta-feira: relembrando o locutor das antigas: te entoca Na Toca do Choro, te entoca na Toca da Empada!

Serviço

O quê: Na Toca do Choro.
Quem: Regional Azeite Brasil: João Eudes (violão sete cordas), João Neto (flauta), Wanderson (percussão) e Wendell Cosme (bandolim e cavaquinho).
Quando: sexta-feira (3), às 19h.
Onde: Toca da Empada (Edifício Executive Center, Rua Queóps, Renascença. Ao lado da locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).
Quanto: R$ 10,00 (couvert artístico individual).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com
Redação: Zema Ribeiro

Choro volta a ter endereço em São Luís

3 maio 2011

Toca da Empada oferecerá ao público série Na Toca do Choro, às sextas-feiras.

Apreciadores de choro em São Luís têm o que comemorar: a Toca da Empada é o novo palco da boa música instrumental na capital maranhense. Na Toca do Choro, série de apresentações que será oferecida pela casa, tem estreia na próxima sexta-feira, 6 de maio, às 19h.

Formado pelos músicos João Eudes (violão sete cordas), João Neto (flauta), Wanderson (percussão) e Wendell Cosme (cavaquinho), o Regional Azeitona Brasileira será o primeiro grupo a esbanjar talento e versatilidade no novo palco.

“Onde se toca empada também se come choro”. O slogan pensado por Ricarte Almeida Santos, cuja alcunha no meio chorão da Ilha é “embaixador”, anuncia apenas parte do que prometem as noites de sexta-feira já a partir da próxima: boa música, ambiente aconchegante, cerveja gelada, as deliciosas e já conhecidas empadas da Toca, e um variado cardápio de petiscos, comidinha de boteco, frios e embutidos.

O bom e velho Pixinga será lembrado na estreia da "Na Toca do Choro". Foto: Google Images

No repertório da noite, destaque para clássicos da música instrumental, para chorão nenhum botar defeito. Peças de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo, Ernesto Nazareth, João Pernambuco e Joaquim Calado, entre outros, darão o tom da noite.

O couvert artístico individual é de apenas R$ 5,00. A Toca da Empada fica no Edifício Executive Center (Rua Queóps, Renascença, ao lado da Locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).

Serviço

O quê: Na Toca do Choro.
Quem: Regional Azeitona Brasileira: João Eudes (violão sete cordas), João Neto (flauta), Wanderson (percussão) e Wendell Cosme (cavaquinho).
Quando: sexta-feira, 6 de maio.
Onde: Toca da Empada: Edifício Executive Center (Rua Queóps, Renascença, ao lado da Locadora Backbeat e da Harmônica Instrumentos Musicais).
Quanto: R$ 5,00 (couvert artístico individual).
Maiores informações: (98) 8888-3722, clubedochorodomaranhao@gmail.com

A música de Chico Nô na beleza do lugar

25 novembro 2010

Músico é atração de sexta-feira no Café Recanto Verde

Os centenários Noel Rosa e Adoniran Barbosa, ao lado de outros mestres, saudosos bambas, como Pixinguinha e Seu Antonio Vieira serão lembrados pelo cantor e compositor Chico Nô nesta sexta-feira (26). Samba, choro, bossa, baião, bumba-meu-boi e o melhor da música popular brasileira se farão presentes ao repertório do maranhense de Imperatriz.

Homem à frente de formações musicais como o Xaxados e Perdidos e o Feitiço da Ilha, Chico Nô estará acompanhado de seu violão. Ele sobe ao palco do Café Recanto Verde (Av. General Arthur Carvalho, 100, Miritiua/Turu) às 21h. Até a meia-noite é a atração principal do lugar. Antes e depois de seu show, a grande e bem cuidada área verde do lugar volta a roubar a cena.

O couvert artístico custa apenas R$ 5,00. O Café Recanto Verde dispõe de estacionamento próprio.

Chico Nô é atração do Café Recanto Verde nesta sexta-feira (19)

17 novembro 2010

Divulgação

Mais novo espaço musical, gastronômico e paisagístico de São Luís, o Café Recanto Verde (foto) terá em seu palco, nesta sexta-feira (19), a partir das 21h, show do cantor e compositor maranhense Chico Nô.

O artista apresentará repertório que passeia por música popular brasileira, samba, choro e ritmos da cultura popular do Maranhão.

O Recanto Verde (Av. General Arthur Carvalho, 100, Miritiua/Turu – 5km a partir do posto Natureza, no Turu) é um misto de chácara, bar e restaurante. Funciona às sextas-feiras, quando à noite tem música ao vivo, e aos domingos e feriados, com um delicioso café da manhã.

O café funciona já faz mais de um ano. A música ao vivo começou a ser realizada há pouco mais de um mês. O espaço agrada aos olhos – o paisagismo do jardim é cuidado pelos proprietários –, ao paladar – gastronomia é outro ponto forte do lugar –, aos ouvidos – música de qualidade em volume que respeita as boas conversas – e ao bolso: o couvert artístico custa apenas R$ 5,00 e o espaço dispõe de estacionamento próprio, gratuito (Zema Ribeiro).

“Pedra de Cantaria Acústico” no Centro Cultural Oboé

3 setembro 2010

Gildomar Marinho lança segundo disco na terça-feira, em show acústico.

Gildomar Marinho em estúdio, durante as gravações de "Pedra de Cantaria". Foto: divulgação

Fortaleza – O cantor, compositor e violonista Gildomar Marinho (foto) acaba de lançar seu segundo disco, Pedra de Cantaria. No último dia 28 de agosto fez concorrido show de lançamento no BNB Clube Aldeota, em Fortaleza/CE, onde o maranhense está radicado.

Agora continua a percorrer a capital cearense, onde o disco foi gravado e mixado, divulgando-o. No próximo dia 8 de setembro (terça-feira), às 19h, Gildomar Marinho leva o espetáculo Pedra de Cantaria Acústico ao palco do Centro Cultural Oboé (Rua Maria Tomasia, 531, Aldeota).

Hoto Jr. (percussão e direção musical) e Dudu Holanda (violões) irão acompanhar Gildomar Marinho (voz e violão) em apresentação onde ele interpretará faixas do novo trabalho, da estreia Olho de Boi, além de inéditas.

Pedra de Cantaria, o disco, teve boa aceitação pelo público. Musical e graficamente traz elementos da cultura popular do Maranhão, estado natal do artista, hoje morando em Fortaleza por conta do ofício de bancário.

“O público foi bem receptivo, o que deixa a gente muito contente, afinal de contas, é o reconhecimento de um longo trabalho. Esse formato mais enxuto, para essa apresentação no Oboé, não diminui a vontade que a gente tem de mostrar ao público essa ponte Maranhão Ceará, presente desde o primeiro disco”, afirma Gildomar Marinho.

“Além do mais, é um privilégio reverberar a música maranhense em um espaço pensado para a fruição da boa arte, como é o Centro Cultural Oboé. Um local aconchegante como uma casa que aproxima o anfitrião e seus convidados em memoráveis encontros, tendo a cultura e arte como elementos aglutinadores”, complementa o artista.

O discoPedra de Cantaria (2010) é o segundo disco de Gildomar Marinho, cuja estreia fonográfica aconteceu ano passado, com Olho de Boi. Nos discos, o artista vem fazendo um apanhado de mais de 20 anos de composição.

O repertório é quase completamente autoral, trazendo ainda parcerias com o jornalista Zema Ribeiro (a faixa-título) e o radialista Ricarte Almeida Santos (o choro Pra chorar no Rio). A exceção é Não fale nada (Batista Marinho), bolero que Gildomar resgatou da obra do pai, que o ensinou os primeiros acordes em um cavaquinho, ainda aos cinco anos de idade.

Merecem destaque ainda as participações especiais de Carlinhos Veloz (O Rio), Celso Borges (o poeta declama Vazio, poema de sua autoria, na faixa Claustrofobia), Erasmo Dibell (em Madre, ode à Madre Deus, bairro boêmio de São Luís) e Lília Diniz (a poeta declama um lamento de Dona Elza, artista popular maranhense, na abertura do carimbó elétrico Batalha do cerrado, homenagem ao líder camponês Manoel da Conceição).

“Todo o repertório do Pedra de Cantaria será mostrado no show, em que lembrarei também músicas do Olho de Boi, que contou com a participação especialíssima da mineira Ceumar [no samba-choro Alegoria de saudade], radicada na Holanda, além de músicas inéditas. É hora de começar a testar o repertório para o próximo disco”, antecipa Gildomar.

“Queremos também lançar Pedra de Cantaria em São Luís e Imperatriz, contando, no palco, com a participação de todos que ajudaram a fazer o disco e na sequência voltar ao estúdio para Tocantes, que é como estou chamando provisoriamente o terceiro disco”, finaliza.

Serviço

O quê: show Pedra de Cantaria Acústico.
Quem: Gildomar Marinho.
Quando: dia 8 de setembro (terça-feira), às 19h.
Onde: Espaço Cultural Oboé (Rua Maria Tomasia, 531, Aldeota, Fortaleza/CE).

Após recesso, o Clube do Choro Recebe está de volta

28 julho 2010

Instrumental Pixinguinha e Eraldo do Ébano são as atrações do retorno do projeto ao calendário cultural da capital maranhense.

Sem realizar saraus desde o dia 5 de julho, quando Zeca do Cavaco e o grupo Urubu Malandro prestaram tributo a Adoniran Barbosa (1910-1982), o Clube do Choro Recebe está de volta neste sábado, 31 de julho, após um recesso por conta do período junino e de Copa do Mundo.

“O Brasil acabou não indo bem na Copa do Mundo, mas a gente sabe a força que o maior evento do futebol mundial tem. É impossível concorrer com o torneio e com o São João, muito tradicional e com muita força no Maranhão”, avalia Ivo Segura, coordenador do Clube do Choro do Maranhão.

“O público já estava cobrando, são quase dois meses parado. É a maior interrupção desde o início do projeto, em setembro de 2007”, continua, “recebíamos telefonemas e e-mails direto, cobrando, querendo saber quando voltaria, quem seria a próxima atração, se seria no mesmo local”.

Instituições da música brasileira, os mangueirenses comparecem ao repertório de Eraldo Ébano

As perguntas já têm resposta: o Instrumental Pixinguinha recebe o cantor Eraldo do Ébano, no retorno do projeto ao palco da Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), no Calhau (Rua José Luiz Nova da Costa, esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar). O grupo é formado por Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco, Raimundo Luiz (bandolim) e Vandico (percussão). Eraldo do Ébano é sambista reconhecido por seu repertório voltado para nomes como Cartola, Nelson Cavaquinho (ambos vistos acima em foto de Walter Firmo), Paulinho da Viola e Cesar Teixeira, entre outros, isto é, os grandes mestres do gênero.

O sarau de retorno do Clube do Choro Recebe tem início às 19h30min e os ingressos custam apenas R$ 10,00 (R$ 8,00 para sócios da APCEF com carteira).

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM, Banco Ficsa e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 120ª. edição.
Quem: o Instrumental Pixinguinha recebe o cantor Eraldo do Ébano.
Quando: dia 31 de agosto (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com, (98) 8413-6035.
Apoio Cultural: TVN São Luís, Rádio Universidade FM, Banco Ficsa e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

“Pedra de Cantaria” em primeira audição

18 junho 2010

Novo disco de Gildomar Marinho terá primeira audição pública no Bar do Léo, em São Luís/MA

Foto: Paulo Caruá

Aproveitando uma rápida passagem pela capital maranhense, o cantor e compositor maranhense Gildomar Marinho realizará sessão de audição de Pedra de Cantaria no Bar do Léo (Hortomercado do Vinhais), neste sábado (19), às 20h.

Seu segundo disco, a ser lançado ainda em 2010, foi gravado e mixado em Fortaleza/CE, onde o compositor está radicado por conta de seu ofício de bancário do Banco do Nordeste – de quem o trabalho tem apoio cultural, através do programa Cultura da Gente.

“O disco está sendo masterizado e será prensado em breve, devo lançá-lo no máximo em agosto”, avisa o artista. Do novo disco, dois hits já se destacam: o choro Pra chorar no Rio, parceria com Ricarte Almeida Santos, e o carimbó Batalha do cerrado, homenagem ao líder camponês Manoel da Conceição; a primeira já teve execução no Chorinhos e Chorões, apresentado pelo parceiro, e a segunda já está disponível para audição e download no myspace de Gildomar. A faixa-título é parceria dele com Zema Ribeiro. O disco Pedra de Cantaria tem 14 faixas.

Serviço

O quê: sessão de audição avant-première do disco Pedra de Cantaria.
Quem: o cantor e compositor maranhense radicado em Fortaleza Gildomar Marinho.
Quando: dia 19 (sábado), às 20h.
Onde: Bar do Léo (Hortomercado do Vinhais).
Quanto: grátis. Presentes pagam apenas o consumo.
Maiores informações: (98) 8888-3722.

Feitiço maranhense no Feitiço Mineiro

16 junho 2010

Acompanhado de regional, o poeta e compositor Joãozinho Ribeiro apresenta o show musical Milhões de uns na capital federal.
 

Nascido num bairro periférico da região central de São Luís Joãozinho Ribeiro (foto) iniciou-se na música em saudosos festivais universitários, no longínquo 1979 – tem completos 30 anos de música, portanto –, ano também identificado como o da fatídica “greve da meia passagem”, da qual foi militante.

Quase engenheiro, quase economista, formou-se bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), e depois especialista em Direitos Autorais. Militante das artes e da cultura em geral, foi secretário executivo do Fórum Municipal de Cultura de São Luís, engendrando as duas Feiras Culturais da Praia Grande, três Semanas Culturais do Desterro e o projeto Samba da Minha Terra, que levou música gratuita e de qualidade a 18 comunidades de sua cidade natal, valorizando sobretudo o samba e o choro, com a participação de inúmeros convidados especiais. Chegou a Secretário de Estado da Cultura do Maranhão e hoje o técnico da Receita Federal está nos quadros do Ministério da Cultura.

Por essas e outras, João Batista Ribeiro Filho, aos 55 ainda o mesmo moleque travesso das ruas, becos, ladeiras e vielas da capital maranhense, tem relegado a segundo plano sua carreira de artista: é, na terra de outro João Batista, o do Vale, um dos compositores mais gravados e tem publicado o poema-livro Paisagem Feita de Tempo [2006, edição do autor]. Sua mais recente apresentação musical data de agosto de 2008, em São Luís, dentro do projeto Clube do Choro Recebe, empreitada de sucesso do Clube do Choro do Maranhão que completará três anos em breve.

Atualmente residindo em Brasília, Joãozinho Ribeiro aproveita a estadia na capital federal para mostrar, no planalto central, parte de sua obra, que lhe garante presença no panteão sagrado dos grandes compositores do Maranhão, ao lado de figuras como Antonio Vieira, Cesar Teixeira e Chico Maranhão, entre outros. Passeando por choro, samba, baião, reggae, toadas de bumba-meu-boi e tambor de crioula, blues, canções de amor e de protesto, Joãozinho Ribeiro se apresenta no Restaurante Feitiço Mineiro (306 Norte) no próximo dia 3 de julho, às 22h30min. O couvert artístico custa apenas R$ 15,00.

O Feitiço Mineiro tem sido palco importante de maranhenses na capital federal. Por lá já se apresentaram nomes como Nonato Buzar, Papete, Flávia Bittencourt, Rosa Reis, Beto Pereira, Josias Sobrinho e Tião Carvalho, entre outros. “Além de encontrar a colônia maranhense radicada em Brasília, o interessante é podermos apresentar nosso trabalho também a cidadãos e cidadãs apreciadores da arte de todas as partes do mundo”, afirma Joãozinho Ribeiro, que em 2002 venceu, no Maranhão, o Prêmio Universidade FM com seu choro Milhões de uns, registrado em disco pela também maranhense Célia Maria.

Serviço

O quê: show musical Milhões de uns.
Quem: Joãozinho Ribeiro e Regional.
Onde: Restaurante Feitiço Mineiro (306 Norte, Brasília/DF).
Quando: dia 3 de julho (sábado), às 22h30min.
Quanto: R$ 15,00 (couvert artístico).
Reservas: (61) 3272-3032.

Redação: Zema Ribeiro
Entrevistas: Robson Silva – (61) 9952-4801

O Arnesto nos convidou prum choro…

1 junho 2010

Autor de inúmeros clássicos como Trem das onze, Samba do Arnesto e Tiro ao Álvaro, entre outros, Adoniran Barbosa será lembrado por Zeca do Cavaco em tributo no Clube do Choro Recebe.

Adoniran Barbosa (fotos) não esperou o trem das onze ou o bonde da história passar. Antes de tornar-se sucesso radiofônico e discográfico, de modo tardio, já na década de 1970, fez um sem fim de programas de rádio, filmes, telenovelas e comerciais, capítulo importante da biografia de João Rubinato – seu nome de batismo – quase sempre desprezado por admiradores, digamos, comuns.

Enquanto interpretava personagens humorísticos como Charutinho – criação de seu parceiro Oswaldo Moles – no rádio, ou tipos como o professor Pancrácio no cinema – o personagem soltava o bordão “sem duvidamente” quando queria dizer “com certeza” –, apresentava, sem muito sucesso, até então, suas músicas a diversos artistas que encontrava pelos corredores das rádios, onde reinou absoluto por décadas, apesar do começo difícil.

Adoniran Barbosa conheceria o sucesso como compositor após as interpretações marcantes e definitivas do conjunto Os Demônios da Garoa para suas criações. E depois, com ele próprio cantando, em seus discos homônimos lançados em 1973 e 1974, sob a batuta de Pelão, produtor de discos históricos da música brasileira, entre os quais Nelson Cavaquinho, para citar apenas outro bamba centenário – controvérsias no registro do autor de Folhas secas faz com que adiemos esta celebração, no entanto, para 2011.

Eternos e de domínio público – Apesar das recusas iniciais, Adoniran Barbosa não precisou esperar muito para que diversas criações suas ganhassem o status de “domínio público”: é claro, o compositor recebia os direitos autorais devidamente, mas não havia – como ainda não há – roda de samba que se preze em que não sejam entoados versos de músicas como Trem das onze, Samba do Arnesto, Tiro ao Álvaro, Iracema, Prova de carinho, As mariposa, Saudosa maloca e Um samba no Bixiga, entre inúmeras outras.

Estes e outros clássicos do descendente de italianos nascido em São Paulo em 1910 – e falecido em 1982 – serão lembrados por Zeca do Cavaco, uma das mais belas vozes da música produzida no Maranhão. Cantor e instrumentista de destaque, Zeca aproveita a efeméride para apresentar um show certamente memorável no palco do Clube do Choro Recebe, na 119ª. edição do projeto, que acontece neste sábado, 5, às 19h30min, na Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), no Calhau (Rua José Luiz Nova da Costa, esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar). Os ingressos custam apenas R$ 10,00 (R$ 8,00 para sócios da APCEF).

Zeca do Cavaco será acompanhado pelo Regional Urubu Malandro, grupo já integrado por outro saudoso mestre da música brasileira, Antonio Vieira, recém-homenageado no projeto (118ª. edição, 29 de maio). O grupo é formado por Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco e Osmar do Trombone.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 119ª. edição.
Quem: o grupo Urubu Malandro recebe o cantor Zeca do Cavaco em tributo a Adoniran Barbosa.
Quando: dia 5 de junho (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Nosly se apresenta com Jayr Torres Trio no Clube do Choro Recebe

18 maio 2010

O grupo Jayr Torres Trio recebe o cantor e compositor Nosly, neste sábado, 22, no projeto.

O homem à frente do Jayr Torres Trio

Dos mais versáteis músicos do Maranhão, Jayr Torres (foto) comanda o Jayr Torres Trio, grupo anfitrião do sarau deste sábado, 22, às 19h30min, do Clube do Choro Recebe, na Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), no Calhau (Rua José Luiz Nova da Costa, esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar). Os ingressos para a apresentação custam apenas R$ 10,00 (R$ 8,00 para sócios da APCEF).

O grupo é formado por Jayr Torres (guitarra), Carlos Raquethy (contrabaixo) e Isaías Alves (bateria). Professor da Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo, Jayr Torres se apresenta com o trio a que dá nome às sextas-feiras, no projeto Sexta Musical, desenvolvido no prédio da instituição. Para esta apresentação no Clube do Choro Recebe o grupo preparou um repertório baseado em choro e samba, sem esquecer os pés – e as mãos – que tem no jazz.

Nosly cantará choro, samba e repertório autoral

Já tendo tocado com nomes como Mano Borges, Carlinhos Veloz, Josias Sobrinho, Gerude e Rosa Reis (de quem é “fiel escudeiro”), Jayr Torres é um dos mais requisitados instrumentistas do Maranhão. O convidado da noite, Nosly (foto), é outro que tem grande leque de parceiros e intérpretes. Caso de nomes como Nonato Buzar, Gerude, Zeca Baleiro, João Nogueira, Celso Borges e Anna Cláudia, entre outros.

Além de cantar choros e sambas de sua predileção, Nosly mostrará músicas autorais, com que tem feito sucesso no Brasil e na Europa. Casos de June (parceria com Celso Borges), Coração na voz (com João Nogueira) e Versos perdidos (Zeca Baleiro), entre outras.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 117ª. edição.
Quem: o Jayr Torres Trio recebe o cantor e compositor Nosly.
Quando: dia 22 de maio (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Um belo passeio musical

27 abril 2010

Recebido pelo Instrumental Pixinguinha, Chico Saldanha passeará pelo repertório de seus três discos e lembrará compositores que admira.

Feitos os ajustes que impediram a realização do já tradicional sarau do Clube do Choro Recebe logo no sábado subsequente ao Dia Nacional do Choro, quando se comemora o aniversário de Pixinguinha (1897-1973), o projeto volta ao palco da Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), no Calhau, neste sábado, 1º. de maio, a partir das 19h30min.

A ilha, no entanto, não ficou órfã de saraus de qualidade para lembrar a efeméride. E a celebração ao mestre maior do mais brasileiro dos gêneros musicais não parou por ali. Batizado pelo gênio, o Instrumental Pixinguinha é o grupo que dará as cartas na noite festiva. Não faltarão clássicos de Alfredo da Rocha Viana Filho – nome de batismo do saudoso Pixinga – e de outros bambas, como Waldir Azevedo, Ernesto Nazareth, Jacob do Bandolim e muito mais.

Chico Saldanha mostrará todo seu talento no Clube do Choro Recebe

O Instrumental Pixinguinha é formado por Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco, Lazico (percussão) e Raimundo Luiz (bandolim). O grupo terá como convidado o compositor Chico Saldanha (foto), um dos grandes nomes da nossa nada pequena constelação de craques da boa música.

Com repertório em sua maioria autoral, Saldanha passeará por seus três discos: Chico Saldanha (1988), Celebração (1998) e Emaranhado (2007). Sambas, choros, boleros, baladas e toadas compõem a paisagem musical do maranhense nascido em Rosário. Não faltarão temas como Itamirim (sua música mais conhecida), Linha puída (a mais gravada), Babalu (a mais executada em rádios, desde o lançamento do disco mais recente), além de composições alheias que Saldanha gosta de lembrar no palco, a exemplo de Araçagy (Cristóvão Alô Brasil) e Polícia bandido cachorro dentista (Sérgio Sampaio).

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 114ª. edição.
Quem: o grupo Instrumental Pixinguinha recebe o compositor Chico Saldanha.
Quando: dia 1º. de maio (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Célia Maria e Grand Trio: talento de sobra

14 abril 2010

Cantora maranhense, de volta ao estado natal, será recebida pelo Grand Trio, mais nova formação instrumental do cenário maranhense.

Célia Maria de volta ao palco do Clube do Choro Recebe

Maranhense de reconhecido talento, embora infelizmente ainda pouco conhecida do grande público em sua terra natal, Célia Maria (foto) é a convidada da 113ª. edição do Clube do Choro Recebe, que acontece neste sábado, 17, a partir das 19h30min, na Associação do Pessoal da Caixa (APCEF). Ela será acompanhada pelo Grand Trio, nova formação instrumental surgida na capital maranhense.

Com apenas um disco gravado, em Célia Maria sobra talento. Vencedora de diversos concursos – recentemente o Talentos da Maturidade, promovido por um banco brasileiro, e, à época de Célia Maria, o disco homônimo, de 2001, o Prêmio Universidade FM – a diva negra tem encantado plateias por onde passa: já morou várias vezes no Rio de Janeiro – de onde retornou recentemente, para novamente fixar residência em São Luís – onde conheceu Cartola, Zé Kéti e outros astros do samba brasileiro, notadamente os que frequentavam o bar e restaurante Zicartola, outrora espécie de templo sagrado do gênero.

Seu disco, aliás, não se prende ao samba. Nele estão registradas obras dos maranhenses Antonio Vieira (Ingredientes do samba), Cesar Teixeira (Lápis de cor), Joãozinho Ribeiro (Milhões de uns), Bibi Silva (Lágrimas) e João do Vale (Na asa do vento), entre outros. Esgotado, o disco nunca teve um show de lançamento oficial.

Nova formação – Egressos do Choro Pungado formam o Grand Trio: Luiz Jr. (violão sete cordas), Luiz Cláudio (percussão) e Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho), músicos de reconhecido talento e merecido destaque na cena instrumental maranhense contemporânea.

Robertinho Chinês regressou recentemente de Brasília/DF, cidade que tem um dos mais ativos clubes do choro do país, que esteve visitando e aprimorando sua técnica sobre os instrumentos que tão bem já toca, tão jovem.

Luiz Cláudio e Luiz Jr., sempre às voltas com experimentações sonoras, têm como investida anterior ao Grand Trio, o Duo Sound, em que seus violões e percussões se encontravam para tocar os sons do mundo, passando necessariamente pelos tão brasileiros samba e choro.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 113ª. edição – sétima em 2010.
Quem: o grupo Grand Trio recebe a cantora Célia Maria.
Quando: dia 17 de abril (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Djalma Chaves de volta ao Clube do Choro Recebe

6 abril 2010

Cantor e compositor será recebido pelo Regional Um a Zero.

Djalma Chaves é sempre promessa de sarau animado

Exatamente 80 edições e quase dois anos depois o cantor e compositor Djalma Chaves retorna ao palco do Clube do Choro Recebe: natural de Vargem Grande/MA, ele foi o convidado da 32ª. edição do projeto, recebido naquela ocasião pelo grupo Os Cinco Companheiros, liderado por Osmar do Trombone. Era 17 de maio de 2008.

Ricarte Almeida Santos, produtor e apresentador do Clube do Choro Recebe, lembra a primeira participação de Djalma Chaves no projeto: “Ele estava acompanhado de um grupo que tem um clima de gafieira, carregou no repertório de sambas, muito bem selecionado, de Paulinho da Viola a Benito di Paula, passando por muitos mestres. Começou a chover e o espaço do Chico Canhoto [restaurante que inicialmente abrigou o projeto] ficou pequeno. O público se juntou, dançou, cantou. Lembro que até eu Djalma botou pra cantar”, conta, entre risos.

A chuva já não é ameaça: o novo palco do Clube do Choro Recebe, a Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), é todo coberto, podendo receber um público numeroso, sem riscos. Dessa vez Djalma Chaves se apresenta em companhia do Regional Um a Zero, formado por Henrique Jr. (violão), João Neto (flauta), Léo Caroço (pandeiro) e Roquinho (bandolim e cavaquinho).

No repertório, além de sambas e choros, Djalma mostrará temas como Gata e leoa e Santo milagreiro, de sua lavra. A primeira, tida como um dos grandes hits da música popular maranhense; a segunda, destaque em diversos festivais nacionais de música.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 112ª. edição – sexta em 2010.
Quem: o Regional Um a Zero recebe o cantor Djalma Chaves.
Quando: dia 10 de abril (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Samba de Feira no sábado de aleluia

29 março 2010

Lena Machado reapresenta show, com novidades, no Clube do Choro Recebe. Em pleno sábado de aleluia, a cantora terá como anfitrião o Regional Os Pregoeiros.

Foto: Rivânio Almeida Santos

Fruto de um bem sucedido encontro, o show Canto de Feira será reapresentado na 111ª. edição do projeto Clube do Choro Recebe – a quinta este ano –, que acontece em pleno sábado (3/4) de aleluia. A apresentação reunirá no palco a cantora Lena Machado e o Regional Os Pregoeiros, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), João Eudes (violão sete cordas), Osmarzinho (saxofone) e Rafael Guterres (cavaquinho).

O show encerrou a temporada musical em São Luís em 2009: foi apresentado dia 30 de dezembro no Restaurante Cantinho da Estrela, na Praia Grande. Este ano já foi apresentado em celebração ao Dia Internacional da Mulher, em evento fechado promovido pelo Sindicato dos Bancários do Maranhão.

“Pensamos este show, que inclusive tem esse nome por isso, para integrar a programação da Feira de Economia Solidária, em dezembro passado. A programação cultural da Feira foi bastante prejudicada por conta de apagões que castigaram o Centro Histórico naquele período. Para não perdermos a energia, os ensaios que já havíamos realizado, apresentamos e, graças a Deus, foi um sucesso”, conta Lena Machado, avisando que apesar do nome, o show não é mero replay de suas apresentações anteriores.

“A gente sempre mexe no repertório. Tem coisas do disco novo, coisas que gosto de cantar, eu tou sempre ouvindo e pescando coisas pro repertório. Há várias ideias para shows temáticos, experiências para o repertório do terceiro disco”, continua e adianta a cantora que recentemente lançou Samba de Minha Aldeia, disco em cujo repertório interpreta, além do samba denunciado pelo título, choro, baião, blues, salsa, eletrônica e pitadas dos ritmos da cultura popular do Maranhão.

Samba de Minha Aldeia. Capa. Reprodução

Em Samba de Minha Aldeia Lena Machado interpreta, entre inéditas e conhecidas, músicas de Josias Sobrinho, Chico Nô, Ricarte Almeida Santos, Chico Canhoto, Gildomar Marinho, Bruno Batista, Aquiles Andrade, Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Patativa.

“Lena Machado é uma das grandes descobertas, um dos grandes acontecimentos, da música produzida no Maranhão nestes últimos anos. Recentemente tivemos a grata surpresa de saber que músicas de seu disco tocaram em rádios em Brasília, Rio de Janeiro e outras cidades de destaque no cenário artístico-cultural. Isso é o começo. Sabemos que ela vai longe”, vaticina Ricarte Almeida Santos, produtor e apresentador do Clube do Choro Recebe e, no rádio, do programa Chorinhos e Chorões, especializado no mais brasileiro dos gêneros musicais, que vez por outra inclui Lena Machado em seu repertório dominical. Em parceria com Chico Nô, ele é autor de Chorinho de Herança, uma das músicas mais executadas no Myspace da cantora.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 111ª. edição – quinta em 2010.
Quem: o Regional Os Pregoeiros recebe a cantora Lena Machado.
Quando: dia 3 de abril (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Lena Machado no Roda de Choro

26 março 2010

Programa realizado em Brasília tocará faixas de Samba de Minha Aldeia, recém-lançado segundo disco de Lena Machado.

A cantora maranhense Lena Machado terá faixas de seu recém-lançado segundo disco, Samba de Minha Aldeia, tocadas no programa Roda de Choro, produzido e apresentado por Ruy Godinho.

O programa vai ao ar na Rádio Câmara, de Brasília/DF, sábado, 12h, e é veiculado também em outras emissoras: Rádio Roquete Pinto (Rio de Janeiro/RJ, sábado, 8h), Rádio Universidade FM (Londrina/PR, quinta-feira, 22h) e Rádio Utopia FM (Planaltina/DF, quarta-feira, 18h). Todos os programas podem ser ouvidos pela internet, nos links indicados, no horário de sua veiculação.

Samba de Minha Aldeia. Capa. Reprodução

Esta edição do Roda de Choro trará, além de Lena Machado, histórias, curiosidades e, principalmente, músicas de Luiz Americano, Izaías Bueno de Almeida, Zé Barbeiro e Chico Chagas. A maranhense estará bem acompanhada.

Maiores informações sobre o Roda de Choro podem ser acessadas no site do programa.

Redação: Zema Ribeiro

Quatro vezes música (Ou: Um quarteto fantástico)

22 março 2010

Victor Castro Trio receberá Rui Mário em encontro que promete entrar para a história do choro do Maranhão.

Talento, técnica e improviso: Victor Castro Trio fará releituras de músicas brasileiras

Altas doses de virtuosismo darão a tônica do quarto sarau do Clube do Choro Recebe em 2010. O Victor Castro Trio (foto) recebe o acordeonista Rui Mário. O grupo é formado pelo português Victor Castro (violão, guitarra, guitarra portuguesa), Mauro Sérgio (contrabaixo) e Isaías Alves (bateria).

O domínio da técnica destes quatro músicos, cada um, destaque no cenário maranhense em seu instrumento, e o improviso correrão solto, mostrando ao público presente seus talentos individuais e coletivo.

Escola de Música – Os quatro virtuoses têm em comum a Escola de Música do Maranhão Lilah Lisboa: todos passaram por lá; Victor Castro e Mauro Sérgio são professores da EMEM.

Natural de Portugal, radicado no Brasil, Victor Castro já ficou por duas vezes com o segundo lugar no Festival Internacional de Interpretação Violonística. Tem formação erudita, mas já conta com grande vivência na área da música popular instrumental brasileira. Isaías Alves já foi premiado em diversos festivais internacionais de bateria e Mauro Sérgio foi músico destaque do São Luís Cover Baixo, festival que reuniu diversos contrabaixistas brasileiros e estrangeiros na capital maranhense.

“A ideia do Victor Castro Trio é difundir a música popular brasileira, fazendo releituras e arranjos inéditos e característicos do grupo, sobre temas de um vasto repertório que inclui Tom Jobim, Chico Buarque, Guinga, Ary Barroso, Garoto, Pixinguinha, Ernesto Nazaré, entre outros grandes ícones da música”, anuncia o português.

Rui Mário é o acordeonista predileto de dez em cada dez artistas maranhenses

Rui Mário – Acordeonista e tecladista, Rui Mário (foto) traz a música no sangue: é filho de Seu Raimundinho, sanfoneiro conhecido de longa data por quem aprecia forró de qualidade, o chamado pé de serra. Versátil, passeia com desenvoltura por estilos diversos, como choro, forró, tango e a música popular.

Unanimidade, o garoto prodígio do acordeom maranhense já tocou, em discos e shows de artistas como Cesar Teixeira, Josias Sobrinho, Gildomar Marinho e Lena Machado, entre outros. Se Dominguinhos encantou ao saudoso Luiz Gonzaga, Rui Mário despertou a atenção do afilhado do rei do baião em encontro recente que os dois tiveram, história que certamente será contada por Ricarte Almeida Santos, radialista, produtor e apresentador do Clube do Choro Recebe.

Ele antecipa: “A apresentação promete entrar para a história do choro do Maranhão, espero que não pela raridade, mas por ser o primeiro encontro, num palco, destes quatro músicos fenomenais. Vai virar uma daquelas histórias que quando a gente conta, quem perdeu só pode se perguntar: ‘onde é que eu estava?’, provoca.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 110ª. edição – 4ª. em 2010.
Quem: o grupo Victor Castro Trio recebe o acordeonista Rui Mário.
Quando: dia 27 de março (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria.

Milla Camões substitui Patativa no Clube do Choro Recebe

12 março 2010

Radicada no Maranhão, a cantora carioca Milla Camões substitui a compositora Patativa, sábado, no Clube do Choro Recebe. Patativa está acometida de forte gripe.

Acometida por uma forte gripe, a compositora Patativa foi obrigada a adiar sua apresentação no Clube do Choro Recebe, agendada para amanhã, 13.

Com o Urubu Malandro, Milla Camões mostrará toda sua versatilidade, afinação e talento

Quem sobe ao palco, acompanhada pelo grupo Urubu Malandro, é a cantora carioca Milla Camões.

Versátil, passeando entre choro, samba, bossa e jazz, entre outros gêneros, equilibrando-se entre o tradicional, o moderno e o regional, ela promete uma apresentação vibrante e divertida, características do regional que a acompanhará.

Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco e Osmar do Trombone desfilarão um repertório de clássicos do choro e prometem momentos dançantes.

Festivais e prêmios – Cantora talentosa e afinada, Milla Camões está gravando seu disco de estreia, que tem direção musical do violonista Celson Mendes. Em janeiro passado, ao lado do cantor Adão Camilo, ela venceu, com a música Mascarados namorados (Henrique e Marco Duailibe), o 9º. Festival Maranhense de Música Carnavalesca, promovido pelo Sistema Mirante. Com Os pais do sertão (Carlinhos Carvalho) venceu o Festival de Música de Pinheiro (FESMAP), em 2006.

Por dois anos consecutivos, em 2006 e 2007, Milla Camões venceu o Prêmio Universidade FM na categoria Talento da Noite. Em 2007 realizou turnê pelos Açores (Ilha Terceira, Portugal), com Fernando de Carvalho e os violonistas Luiz Jr. e Victor Castro.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 108ª. edição – 2ª. em 2010.
Quem: o grupo Urubu Malandro recebe a cantora Milla Camões.
Quando: dia 13 de março (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria.

Discotecassamba

10 março 2010

Palco dos projetos Mixando o Mundo, do DJ Pedro Sobrinho, e Chorinho no Cantinho, com o Regional Feitiço da Ilha, Cantinho da Estrela é opção certa para quem gosta de boa música.

Projeto realizado desde o ano passado, o Chorinho no Cantinho, capitaneado por Chico Nô (voz, violão, percussão) e pelos bambas do Regional Feitiço da Ilha – além dele, Domingos Santos (violão sete cordas), Juca do Cavaco e Vandico (percussão) – já é referência na vida boêmia de São Luís, sobretudo no bairro da Praia Grande, onde está instalado o Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, em frente à Praça Valdelino Cécio).

Todas as sextas, a partir das 19h, o Regional Feitiço da Ilha tem executado repertório de samba e choro e prestado tributos a grandes nomes destes gêneros brasileiríssimos: Roberto Ribeiro, João Nogueira, Chico Buarque e Pixinguinha, entre outros, já receberam homenagens. O grupo conta ainda com o auxílio luxuoso de diversos convidados: entre outros, já passaram pelo palco do projeto nomes como Josias Sobrinho, Lena Machado, Nivaldo do Cavaco, Cacá do Banjo, Léo Capiba, Chico Chinês e Neto Peperi. O couvert artístico individual custa apenas R$ 7,00.

Quinta – A novidade que o Cantinho da Estrela traz neste mês de março é o projeto Mixando o Mundo, que terá as pick-ups pilotadas pelo DJ Pedro Sobrinho. A primeira edição aconteceu dia 4 (quinta-feira passada) e as festas acontecerão todas as quintas de março.

Para o dia 11, a promessa é muito drum’n bass, world music, latina, eletrônica, samba, dub e acid jazz. Pedro Sobrinho discotecará ainda dias 18 e 25 de março, sempre a partir das 20h. O couvert artístico individual custa apenas R$ 5,00.

Maiores informações: (98) 8724 2940.

Urubu Malandro e o ar da graça de Patativa

9 março 2010

Presença alegre de Patativa levará, com o Urubu Malandro, choro, samba e bom humor ao Clube do Choro Recebe.

A primeira edição do Clube do Choro Recebe em 2010, acontecida sábado passado (6), mostrou que o projeto já está consolidado na vida boêmio-cultural da capital maranhense. Com diversas outras atrações espalhadas pela cidade, o público, fiel, lotou o espaço da Associação do Pessoal da Caixa (Calhau), que volta a ser o palco do Clube do Choro do Maranhão. O cantor e compositor Carlinhos Veloz brindou os presentes com um belíssimo show, com o repertório variando entre temas de samba e choro, além de canções de sua autoria. Entre as canjas, destaques para Osmar do Trombone, Léo Capiba, Luiz Cláudio e Luiz Jr. (Duo Sound), Augusto Pellegrini, João Neto e Isaac Barros.

“Esse retorno superou todas as expectativas. Ainda temos que trabalhar em alguns ajustes, para receber ainda melhor o público, que esperamos manter, em número e qualidade”, afirma Ricarte Almeida Santos, radialista, produtor e apresentador do projeto.

Carnaval, samba, alegria e irreverência são sinônimos de Patativa

Para a segunda edição do projeto em 2010 – já são 108 no total – o brilho da presença da madre-divina dama Patativa, compositora que aos mais de 70 anos, começa a ter o merecido reconhecimento do público. Ainda que lentamente. Recentemente, ela teve sua Colher de chá gravada por Lena Machado em Samba de Minha Aldeia, seu segundo disco, recém-lançado. Colher de chá é certamente seu segundo samba mais conhecido, cantado por quantos frequentem rodas de choro e samba pela Madre Deus e arredores ou no palco do Clube do Choro Recebe. A peça mais famosa da lavra de Patativa tem título impublicável, mas a plateia certamente irá ouvi-la nesta segunda apresentação que a compositora faz no projeto – a primeira foi em sua 62ª. edição, em dezembro de 2008.

Reverenciada por nomes como Cesar Teixeira, Rita Ribeiro – que em dueto cantaram Colher de chá em concorridas apresentações no projeto Brasil de Todos os Sambas, no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, em 2004 – e Jorge Aragão – que no disco de estreia de Serrinha e Cia. cantava “Patativa vem sambar, oh, na palma da mão”, no samba Uns e Alguns, de que participa – Patativa será acompanhada pelo grupo Urubu Malandro, que segura a peteca de sua jocosidade.

Também é divertidíssima essa turma que acompanhará Patativa em seus sambas e marchas, em grande parte com letras engraçadíssimas onde não falta duplo sentido, com inteligência: Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco e Osmar do Trombone. São os mesmos chorões que já acompanharam a compositora em sua primeira aparição no palco do Clube do Choro Recebe.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís e Rádio Universidade FM e parceria da Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 108ª. edição – 2ª. em 2010.
Quem: o grupo Urubu Malandro recebe a compositora Patativa.
Quando: dia 13 de março (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís e Rádio Universidade FM.
Parceria: Solar Consultoria.

Chorinho no Cantinho reestreia na Praia Grande

3 março 2010

Restaurante Cantinho da Estrela retoma projeto musical após recesso carnavalesco.

Após uma pausa no período carnavalesco, prolongada por todo o mês de fevereiro, o projeto Chorinho no Cantinho retorna ao palco do Restaurante Cantinho da Estrela, na Rua do Giz, 175, Praia Grande (em frente à Praça Valdelino Cécio). Acontecerá, como antes, às sextas-feiras, porém, agora, mais cedo: às 19h.

Bambas do Feitiço da Ilha voltam ao palco do Cantinho da Estrela

O Regional Feitiço da Ilha volta a mostrar o melhor do choro e do samba brasileiros, em versões instrumentais e cantadas: Vandico (percussão), Chico Nô (voz, violão, percussão), Juca do Cavaco e Domingos Santos (violão sete cordas), na ordem em que aparecem na foto, animarão as noites de sexta, no já tradicional encontro de bambas que sempre acontece no Chorinho no Cantinho.

“A gente ‘tava com saudade desse palco. Vamos continuar fazendo samba e choro, aumentando a interação que já há entre o grupo e o público que sempre tem comparecido”, comenta Chico Nô, que levou o segundo lugar do Festival Maranhense de Música Carnavalesca, promovido pelo Sistema Mirante, com a marchinha Tô engarrafado, parceria com Neto Peperi (ex-Espinha de Bacalhau).

Proprietária do Cantinho da Estrela, a sorridente Dadá confessa: “O público já estava cobrando a ausência do projeto, que a gente retoma com muita alegria, cerveja gelada e o cardápio variado que sempre temos oferecido. Tudo isso regado pelo ótimo repertório do Feitiço da Ilha”.

SERVIÇO

O quê: Chorinho no Cantinho.
Quem: Regional Feitiço da Ilha: Chico Nô (voz, violão e percussão), Juca do Cavaco, Domingos Santos (violão sete cordas) e Vandico (percussão).
Onde: Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio).
Quando: sexta-feira, 5 de março, às 19h.
Quanto: R$ 7,00 (couvert artístico individual).
Maiores informações: [98] 8724-2940, 8814-1407.

A volta de Chico Nô

20 janeiro 2010

Nivaldo da Estação será o convidado do Regional Feitiço da Ilha nesta sexta-feira, no projeto Chorinho no Cantinho.

O Chorinho no Cantinho, já tradicional encontro de bambas que acontece todas as sextas-feiras no Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio), marca, dia 22, o retorno de Chico Nô ao seu palco – o repertório de sambas e choros começa a ser executado às 20h.

O cantor e compositor maranhense aproveitou o período das festas de Natal e Ano Novo para passar uma temporada no Rio de Janeiro, de onde retorna com novidades na bagagem – algumas serão mostradas sexta-feira.

Regional Feitiço da Ilha: os bambas do Chorinho no Cantinho

Chico Nô (voz, violão e percussão) e o Regional Feitiço da Ilha (foto) – Domingos Santos (violão sete cordas), Juca do Cavaco e Vandico (percussão) – terão como convidado o cantor e cavaquinhista Nivaldo da Estação, que passeará por sambas-enredo e clássicos do carnaval, com destaque para os maranhenses.

O couvert artístico individual custa apenas R$ 5,00.

Sábado – O grupo Conversa de Botequim, a partir das 17h, continua realizado a mais animada roda de samba da Ilha, também no Restaurante Cantinho da Estrela.

Obras de nomes como Paulinho da Viola, Chico Buarque, Cesar Teixeira, Josias Sobrinho, Antonio Vieira e João Nogueira, entre outros, são os ingredientes do samba, que é acompanhado por uma feijoada com todos os ingredientes a que se tem direito.

A entrada custa apenas R$ 10,00.

Lena Machado autografa “Samba de Minha Aldeia”

12 janeiro 2010

Cantora realiza sessão de audição e noite de autógrafos de seu segundo disco no Bar do Léo.

Adiado por motivos de força maior, finalmente chegou à São Luís o segundo disco de Lena Machado, Samba de Minha Aldeia, todo gravado aqui e mixado/masterizado em Fortaleza/CE. Doze faixas dão uma panorâmica na produção contemporânea do Maranhão, com especial atenção ao samba e ao choro, mas sem deixar de fora blues, baião e xote.

Samba de Minha Aldeia. Capa. Reprodução. Projeto gráfico: Waldeilson Paixão

Entre inéditas e regravações, Lena Machado captou a mensagem do velho escritor russo. Para embalar sua voz, acompanhada dos arranjos do violonista Luiz Jr., dando uma sonoridade que alia o tradicional e o moderno às canções de Josias Sobrinho, Ricarte Almeida Santos, Chico Nô, Chico Canhoto, Gildomar Marinho, Bruno Batista, Aquiles Andrade, Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Patativa – os compositores de sua aldeia musical –, o cenário do Bar do Léo.

“O Bar do Léo não é só um bar. É um museu, um templo por que temos um carinho todo especial. E é também um importantíssimo espaço de divulgação de nossa música”, afirma, não escondendo o carinho pelo recinto de Leonildo Peixoto, que demonstra ser verdadeira a recíproca: “O disco está muito bom, tem muita qualidade…” Interrompido pelo repórter, que brinca: “E o encarte, então, hein?”. “Sou suspeito”, responde, satisfeito com o resultado e com a sessão desta quinta-feira.

Audição e autógrafos – Dia 14, às 20h, o Bar do Léo (Hortomercado do Vinhais) realizará uma sessão de audição do disco de Lena Machado, que autografará exemplares a interessados – Samba de Minha Aldeia custa apenas R$ 20,00.

Não fazemos música ao vivo – A placa numa das paredes da Academia Musical Bar do Léo não perdeu o significado: a sessão de audição/ noite de autógrafos não será um show. “A idéia é reunir amigos, ouvir o disco, bater um papo, tomar alguma coisa, tudo isso ao mesmo tempo”, anuncia Lena Machado, que se confessa nervosa: “Sempre dá um friozinho na barriga”, sua modéstia natural.

A cantora autografará Samba de Minha Aldeia em "audição pública" no Bar do Léo. Foto: Rivânio Almeida Santos

“Acima de tudo vai ser um encontro de amigos. Eu, Léo, os compositores, a compositora Patativa (autora de Colher de chá, gravada no disco com a participação especial de Zé da Velha e Silvério Pontes), diversas pessoas que acreditam em nosso trabalho e que, de uma forma ou de outra, colaboraram para a sua realização”, convida Lena Machado.

Show – “Em breve a gente vai fazer o show de lançamento, reunindo alguns músicos que tocaram no disco, dialogando com outros, identificando afinidades”, anuncia. Samba de Minha Aldeia deveria ter sido lançado ainda ano passado, mas motivos de força maior adiaram a chegada do material à São Luís.

O trabalho foi selecionado no Plano Fonográfico da Secretaria de Estado da Cultura em 2008, na categoria gravação. Samba de Minha Aldeia conta ainda com o apoio cultural da Pousada Portas da Amazônia e TVN São Luís.

SERVIÇO

O quê: Sessão de audição e noite de autógrafos de Samba de Minha Aldeia.
Quem: a cantora Lena Machado.
Onde: Bar do Léo (Hortomercado do Vinhais).
Quando: dia 14 (quinta-feira), às 20h.
Quanto: entrada franca. Presentes pagam apenas seu consumo. O disco será vendido por R$ 20,00.
Maiores informações: (98) 8182-1717, lenamachadomusica@gmail.com, http://www.myspace.com/lenamachado

Ignez Perdigão volta a palco maranhense

22 dezembro 2009

Multi-instrumentista maranhense radicada no Rio de Janeiro é a convidada especial da última edição do Clube do Choro Recebe em 2009.

Mais antigo grupo de choro em atividade no Maranhão, o Regional Tira-Teima é o grupo anfitrião do último sarau do Clube do Choro Recebe em 2009. Formado por Paulo Trabulsi (cavaquinho), Francisco Solano (violão sete cordas), Zé Carlos (pandeiro) e Serrinha de Almeida (flauta), eles recebem a multi-instrumentista e compositora Ignez Perdigão, maranhense radicada no Rio de Janeiro.

Multi-instrumentista, a maranhense Ignez Perdigão é a convidada especial do último Clube do Choro Recebe em 2009. Foto: Helena Dornelles. Link original: http://www.flickr.com/photos/helenadornellas/247724688

Ignez Perdigão toca flauta, cavaquinho, violão e canta. Em shows e gravações, já acompanhou nomes como Cristina Buarque, Mauro Duarte, Velha Guarda da Portela, Walter Alfaiate, Wilson Moreira e Mário Lago – ela o acompanhava quando de sua última visita à São Luís.

Aluna de H. J. Koellreuter, João Pedro Borges, Jodacil Damasceno e Marcelo Bernardes, integra, com o último, desde 2000, o grupo Choro na Feira, com quem já gravou os discos Na cadência do samba (2000), Choro na Feira (2003) e Maxixes, pitombas e afins (2005) – o primeiro e o último, esgotados, de acordo com o site do grupo; o quarto, em gestação, de acordo com a mesma página na internet (onde é possível adquirir os títulos e ouvir trechos das canções).

Professora, ministrou curso livre de violão e cavaquinho na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, em 2000. Foi uma das idealizadoras do Chorinho na Feira, sarau que acontece todos os sábados no horário da feira livre (fim de tarde, entrando pela noite) de Laranjeiras, bairro da zona sul da capital carioca, onde se reúne a nata dos executantes do mais brasileiro de todos os gêneros musicais. Lá também se originou o citado Choro na Feira: Ignez Perdigão (cavaquinho), Clarice Magalhães (percussão), Matias Correa (contrabaixo acústico), Marcelo Bernardes (clarinete e sax tenor), Bilinho Teixeira (violões de seis e sete cordas) e Franklin da Flauta.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís e Rádio Universidade FM e parceria da Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 106ª. edição.
Quem: o Regional Tira-Teima recebe a instrumentista Ignez Perdigão.
Quando: dia 26 de dezembro (sábado), às 19h30min.
Onde: Restaurante Chico Canhoto (Residencial São Domingos, Cohama).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís e Rádio Universidade FM.
Parceria: Solar Consultoria.

Redação: Zema Ribeiro. Com informações dos sites Choro na Feira, Dicionário Cravo Albin de Música Brasileira e Discos do Brasil.