Posts Tagged ‘cesar teixeira’

Rosa Secular, pediram bis

5 janeiro 2012

Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho reapresentam espetáculo em que prestam tributo a grandes nomes da música brasileira

 

Tudo começou em um lance do acaso: era um sábado a data em que Noel Rosa, o poeta da Vila, completaria 100 anos, se vivo fosse, em 11  de dezembro de 2010. Artista fundamental ainda hoje, passados quase 75 de sua morte, e de inegável influência sobre as obras de Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, o autor de Último desejo recebeu um belíssimo tributo na ocasião, sucesso de público e crítica.

A lotação do Daquele Jeito esgotou-se e houve quem voltasse da porta. O jeito foi repetir o show no janeiro seguinte, mantendo a mesma escalação, que “em time que está ganhando não se mexe”: os três mais Cesar Teixeira, além das participações especiais de Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro. Não deu outra: o sucesso repetiu-se.

Em dezembro passado, somaram a Noel Rosa homenagens a gigantes da canção brasileira: além dele, Assis Valente, Ataulfo Alves, Cartola, Mário Lago e Nelson Cavaquinho, todos já com 100 ou mais anos completos, vivos na memória de apreciadores de boa música. E também a saudosos maranhenses, “eternos”, como preferem os anfitriões: Antonio Vieira, Cristóvão Alô Brasil, Dilu Mello, João Carlos Nazaré e Lopes Bogéa.

“Este bis é nossa forma também de comemorar o Prêmio Universidade FM com que fomos agraciados em dezembro passado. Esta honraria não é só nossa, dos artistas que subimos ao palco, mas de todos os envolvidos, músicos, produtores, uma equipe grande, cada apoiador e principalmente do público que tem nos prestigiado e aos grandes mestres a que homenageamos”, afirma Joãozinho Ribeiro.

Em relação ao show de dezembro passado, pequenas modificações. “Muita gente que foi em dezembro, vai novamente. Por isso a gente mexe um pouco no repertório, para que as pessoas não saíam de casa para ver e ouvir mera reprise”, afirma Josias Sobrinho, autor de Terra de Noel, música em que explicita a influência do autor de Feitiço da Vila.

“Além de todos os homenageados, também cantaremos músicas nossas”, antecipa Chico Saldanha, que interpreta, além de uma música autoral, canções de Assis Valente, Cristóvão Alô Brasil e Noel Rosa durante o show.

Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho e seus convidados – Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro – serão acompanhados por um Regional formado por Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), Fleming (bateria), João Neto (flauta), João Soeiro (violão), Juca do Cavaco (cavaquinho), Mauro Travincas (contrabaixo), Osmar do Trombone (trombone) e Vandico (percussão). A noite será encerrada com um baile de gafieira. “Antecipando o carnaval”, como cantaria Jorge Ben.

O show Rosa Secular, pediram bis acontece dia 14 de janeiro (sábado), às 22h, no Bar Daquele Jeito (Vinhais). Os ingressos custam R$ 20,00 (R$ 10,00 para estudantes com carteira).

Anúncios

Outros 400: um grande encontro

7 agosto 2011

Joãozinho Ribeiro recebe parceiro e intérprete em mais uma edição da série

Quase um repeteco do Baile do Parangolé, a lendária festa que celebrou os 32 anos da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), em fevereiro passado. Apenas duas diferenças: a ausência da cantora Rosa Reis, que participará de outra edição da série, e o repertório, que não será exclusivamente carnavalesco.

“Mas é claro que traremos alguma coisa de carnaval, além da alegria que a gente tem em realizar este encontro”. É o que diz o compositor Joãozinho Ribeiro (foto), às vésperas de subir ao palco para mais um show da temporada Outros 400, que vem realizando quinzenalmente às quintas-feiras no Novo Armazém (Rua da Estrela, Praia Grande), sempre a partir das 21h.

É que neste terceiro espetáculo, os convidados do autor de Erva Santa serão o compositor Cesar Teixeira e a cantora Lena Machado. Ele, seu parceiro, entre outras, em Samba do Capiroto, música bem humorada que cantaram juntos em Bandeira de Aço, show recentemente apresentado pelo primeiro, sucesso de público e crítica; ela, intérprete de ambos, já tendo gravado músicas como Oração Latina, Flanelinha de Avião e Botequim, de Teixeira, e Milhões de Uns e Tempo Mau, de Ribeiro, em seus dois discos, Canção de Vida (2006) e Samba de Minha Aldeia (2010).

Joãozinho Ribeiro e seus convidados serão acompanhados pelo Regional 400: Arlindo Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Fleming (bateria), Jeff Soares (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete).

Serviço

O quê: Outros 400.
Quem: Joãozinho Ribeiro e Regional Outros 400. Participações especiais: Cesar Teixeira e Lena Machado.
Quando: dia 11 de agosto (quinta-feira), às 21h.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, Praia Grande).
Quanto: R$ 20,00 (R$ 10,00 para estudantes com carteira).

Com Joãozinho Ribeiro são “Outros 400”

9 julho 2011

Compositor inicia temporada de apresentações no Novo Armazém. Música, cinema, teatro, artes visuais, literatura e declarações de amor à São Luís irão compor o cardápio artístico da série.

 

O compositor Joãozinho Ribeiro (foto) decidiu voltar aos palcos. Após anos dedicados à gestão cultural, ao ensino superior e ao ofício de funcionário público, o artista resolveu tirar a poeira do baú e mostrar que são regras as exceções – o circuito musical Samba da Minha Terra (2003), o lançamento de seu livro-poema Paisagem Feita de Tempo (2006) e mais recentemente os shows Noel, Rosa secular (2010/2011), em que dividiu o palco com Cesar Teixeira, Chico Saldanha e Josias Sobrinho, e Baile do Parangolé (2011), aniversário da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, de que é sócio, em que dividiu o palco com Cesar Teixeira (também sócio), Lena Machado e Rosa Reis.

Na série Outros 400, Joãozinho Ribeiro se cercará de amigos-artistas, irmãos de copo & alma, para brindar São Luís, cidade que tanto ama, com boa música. Um dos compositores mais gravados do Maranhão, ele tem colecionado parceiros e intérpretes desde 1979, ano da histórica greve da meia passagem em que militou e de sua estreia musical, em festivais universitários.

Além da música, outras linguagens artísticas se somarão à aritmética cujo resultado são Outros 400: artes visuais, teatro, literatura e cinema, entre outros. “Trata-se de uma série, que será apresentada quinzenalmente às quintas-feiras, no Novo Armazém. A cada quinta, um convidado ou uma convidada e uma turma de outras expressões ocupando o espaço com o que fazem de melhor”, explica e anuncia Joãozinho Ribeiro.

Cinema – A estreia de Outros 400 acontece dia 14 de julho, às 21h. Uma mostra cinematográfica com curtas-metragens maranhenses, sob curadoria de Frederico Machado, inaugura a noite e a série: Outros 400 será também a festa oficial de abertura do Lume International Film Festival, maior festival de cinema de que a capital maranhense já teve notícia, que acontece em São Luís entre 14 e 23 de julho.

Após a mostra é a vez de Joãozinho Ribeiro encantar a plateia presente, acompanhado do Regional 400 (reza a lenda que o nome do grupo é o resultado da soma das idades de seus integrantes): Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão e direção musical), Mauro Travincas (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete).

No repertório, clássicos da lavra de Joãozinho Ribeiro, a exemplo de, entre outras, Milhões de uns, Passamento, Erva santa e Esquina da solidão. Como convidados para a inauguração da série, uma constelação de primeira grandeza, um desfile de craques, uma seleção vitoriosa: a dupla Criolina (Alê Muniz e Luciana Simões, recentemente vencedores da categoria “Melhor álbum” – Cine Tropical – no Prêmio da Música Brasileira), Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Josias Sobrinho (trio com que apresentou o tributo a Noel Rosa), Anna Cláudia, Betto Pereira, Célia Maria, João Madson, Lena Machado e Lenita Pinheiro.

AniversárioOutros 400 é também uma celebração aos aniversários vindouros de São Luís, que completa 399 anos no próximo 8 de setembro. Datas comemorativas são sempre cheias de celebrações oficiais. A população que quiser dar os parabéns à São Luís pode, dentro dos Outros 400, completar o tradicional “parabéns a você/ nesta data querida/ muitas felicidades/ muitos anos de vida” com seus votos para o futuro de nossa capital.

“Disponibilizaremos cadernos para que sejam deixadas mensagens de próprio punho, registrando de forma simples, mensagens de amor à cidade de São Luís. O resultado disso será levado ao Arquivo Público do Estado para que no futuro nossos anseios sejam lembrados e possamos ver se nossos sonhos para a cidade se realizaram”, explica a produtora cultural Cássia Melo, mentora da ideia.

Serviço

O quê: Estreia da série Outros 400 e lançamentos do I Lume International Film Festival e do projeto Mensagens à São Luís.
Quem: o compositor Joãozinho Ribeiro e convidados, o cineasta Frederico Machado e a produtora cultural Cássia Melo.
Quando: dia 14 de julho (quinta-feira), às 21h.
Onde: Novo Armazém (Rua da Estrela, Praia Grande).
Quanto: R$ 10,00 (ingresso individual).

Baile do Parangolé: 32 anos da SMDH

6 fevereiro 2011

Arte: Bruno Galvão

Realizado pela primeira vez em 2010, o Baile do Parangolé chega sábado, 12, às 21h30min, a sua segunda edição. Trata-se de festa carnavalesca que marca o aniversário de 32 anos da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) – fundada nesta data, em 1979, no bojo das lutas pela anistia.

Nesta temporada pré-carnavalesca de 2011, o Baile do Parangolé mudou de endereço, esperando abrigar um público ainda maior que o de sua primeira edição, com conforto e segurança. Será seu palco o Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande).

A Banda do Parangolé foi formada exclusivamente para a ocasião, reunindo “feras da mais alta periculosidade instrumental”, como salientou o sociólogo e radialista Ricarte Almeida Santos no Chorinhos e Chorões de domingo passado (6); Antonio Paiva (contrabaixo), Arlindo Carvalho (percussão), Fleming (bateria), Hugo Barbosa (trompete), João Soeiro (violão), Juca do Cavaco, Nelma Carafunim (saxofone) e Osmar do Trombone.

Grupo para ninguém botar defeito, as estrelas da noite idem: Cesar Teixeira, autor do coco que empresta nome ao baile, Joãozinho Ribeiro, sócios da SMDH, Lena Machado e Rosa Reis – todos, artistas de reconhecimento nacional.

As camisas para o Baile do Parangolé custam R$ 40,00 (unidade) e R$ 30,00 (preço promocional para quem comprar a partir de duas). Podem ser adquiridas nas sedes da SMDH (Av. Castelo Branco, 697, Altos, São Francisco) e União por Moradia Popular (Rua dos Afogados, 554, Centro) e na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande).

Personagens – Conheça um pouco da história de quem faz o 2º. Baile do Parangolé.

A SMDH – A Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) foi fundada em 12 de fevereiro de 1979 – à época com um D a mais na sigla, de “defesa”. Entidade da sociedade civil de natureza pública, espaço político de denúncia contra o arbítrio e a violência, tão comuns durante a ditadura militar, quando de sua fundação. Mobilização popular, educação de base e formulação de denúncias de violações de direitos foram, desde sempre, suas estratégias de atuação.

Cesar Teixeira – Jornalista, poeta, compositor, artista plástico. Foi assessor de comunicação da SMDH entre 1989 e 2002. É sócio da entidade, da qual já integrou o Conselho Consultivo. Lançou, em 2004, Shopping Brazil, seu único disco. Autor de clássicos da música produzida no Maranhão, tem sua obra gravada sistematicamente desde a década de 1970. Atualmente é coordenadora editorial do jornal Vias de Fato.

Joãozinho Ribeiro – Bacharel em Direito, especialista em Direitos Autorais. Funcionário público, é técnico da Receita Federal. Poeta, publicou em 2006 o livro Paisagem feita de tempo (Ed. do autor). É um dos compositores mais gravados do Maranhão, tendo vencido em 2001 o Prêmio Universidade FM, com seu choro Milhões de uns, interpretado por Célia Maria. Ex-secretário de Estado da Cultura, foi coordenador executivo da II Conferência Nacional de Cultura (MinC).

Lena Machado – Assessora da Cáritas Brasileira Regional Maranhão estreou em disco em 2006 com Canção de Vida, que celebrou os 50 anos de atuação da entidade no Brasil. No ano anterior, participou, ao lado de Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Gildomar Marinho, do show que festejou os 26 anos da SMDH. Ano passado lançou, com músicas destes e outros compositores maranhenses, Samba de minha aldeia, elogiado entre outros por Nelson Motta.

Rosa Reis – Coordenadora do Laboratório de Expressões Artísticas do Maranhão (Laborarte), pesquisadora da cultura popular do Maranhão. Cantora que valoriza estes elementos em seu trabalho, tem vários discos gravados, o mais recente Brincos (Funarte, 2009), no qual realiza um apanhado de clássicos da música do Maranhão nas últimas quatro décadas.

Bruno Galvão – Artista plástico, assina a identidade visual do 2º. Baile do Parangolé. Somou seu talento ao aprendizado em cursos de desenho e artes nos centros de Cultura Negra (CCN/MA) e de Criatividade Odylo Costa, filho (CCOCf), em São Luís. integra o coletivo Nagô, que assina diversos painéis em grafite na Ilha. Realizará em breve sua primeira exposição individual.

Serviço

2º. Baile do Parangolé celebrará 32 anos da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos

1 fevereiro 2011

Festa de aniversário terá shows de Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro, Lena Machado e Rosa Reis, no Circo da Cidade

Arte: Bruno Galvão

Fundada em 12 de fevereiro de 1979, no bojo das lutas pela anistia, a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), celebra seus 32 anos de luta pela defesa, proteção e promoção dos direitos humanos com um grande baile carnavalesco.

Para Joãozinho Ribeiro, sócio da entidade e um dos artistas a se apresentar no 2º. Baile do Parangolé, direitos humanos e cultura caminham juntos: “A cultura precisa ser entendida, para além da dimensão das festividades, como um direito. Temos avançado nesta questão no Brasil. Cultura é um direito humano, os direitos culturais  têm sido cada vez mais alvo de discussões. A SMDH tem uma história importantíssima na luta pelos direitos humanos no Maranhão e isso precisamos festejar”, comentou.

Além de Joãozinho Ribeiro, o Baile do Parangolé terá shows de Cesar Teixeira, também sócio da SMDH e autor da música que dá nome à festa, Lena Machado e Rosa Reis, que serão acompanhados da Banda do Parangolé: Arlindo Carvalho (percussão), Fleming (bateria), Hugo Barbosa (trompete), João Soeiro (violão), Juca do Cavaco, Mauro Travincas (contrabaixo), Nelma Carafunim (saxofone) e Osmar do Trombone.

Serviço – O Baile do Parangolé acontece dia 12 de fevereiro (sábado), a partir das 21h30min, no Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande). As camisas-ingressos estão à venda nas sedes da SMDH (Av. Castelo Branco, 697, Altos, São Francisco) e União por Moradia Popular (Rua dos Afogados, 674, Centro) e na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande). Maiores informações: (98) 3231-1601, 3231-1897, 8888-3722, smdh@terra.com.br, twitter.com/smdhvida

Bis de “Noel, Rosa secular” acontece sábado

5 janeiro 2011

Tributo ao compositor carioca terá reapresentação a pedidos e será encerrado com baile pré-carnavalesco.

Os quatro senhores em ação em "Noel, Rosa secular". Foto: Pedro Araújo

A coincidência de outros shows em São Luís neste sábado (8) não diminuiu o ritmo e a animação dos envolvidos na produção do bis de Noel, Rosa secular, tributo ao compositor Noel Rosa que será reapresentado por Joãozinho Ribeiro, Chico Saldanha, Cesar Teixeira e Josias Sobrinho (vistos nessa ordem, da esquerda para a direita, na foto acima), no Bar Daquele Jeito (Vinhais), às 22h.

“São Luís cresceu e certamente há público para todos”, aposta o compositor Joãozinho Ribeiro, um dos quatro bambas de inegável influência noelesca que receberão como convidados Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro. O acompanhamento fica a cargo do Regional Feitiço da Ilha: Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), João Soeiro (violão), Juca do Cavaco (cavaquinho) e Vandico (percussão).

A Companhia de Teatro Beto Bittencourt ilustrará com suas “dancenações” passagens da vida de Noel Rosa e da paisagem boêmia carioca da época de clássicos como Com que roupa?, X do problema, Último desejo, Feitiço da Vila, Feitio de oração e Rapaz folgado, entre inúmeros outros.

Novidades – O repertório do show sofrerá pequenas modificações e cresce. “Muita gente que viu o primeiro show certamente irá vê-lo novamente e seria uma injustiça, tanto com estes quanto com o vastíssimo repertório de Noel, simplesmente repetir o programa”, explicou Joãozinho.

Outra mudança é o repertório dos convidados especiais: além das músicas cantadas na primeira edição de Noel, Rosa secular, cada um/a cantará outra pérola-surpresa da lavra do Poeta da Vila. Fechando a noite, um grande baile pré-carnavalesco: ao Regional Feitiço da Ilha somam-se os músicos Osmar do Trombone e Osmarzinho (saxofone), pai e filho, para conduzir um repertório regado a samba, frevo, muita marchinha e o que mais lembrar o espírito (santo ou não) do Carnaval.

Ingressos – Os ingressos para Noel, Rosa secular já estão à venda na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande) e custam apenas R$ 20,00. Para comprar meia-entrada (R$ 10,00) estudantes devem apresentar carteira no ato da compra e na entrada do espetáculo.

Serviço – Show Noel, Rosa secular e baile pré-carnavalesco. Com Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro, Josias Sobrinho e Regional Feitiço da Ilha. Participações especiais de Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro. Dia 8 de janeiro (sábado), às 22h, no Bar Daquele Jeito (Vinhais).

A pedidos: “Noel, Rosa secular”, o bis.

28 dezembro 2010

Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro, Josias Sobrinho e convidados reapresentam elogiado tributo ao compositor Noel Rosa

Noel Rosa morreu no auge da fama e sucesso aos quase 27 anos de idade, em 1937. Por menos de vinte anos, ficou no esquecimento, até ser retirado deste limbo por Aracy de Almeida, sua maior intérprete, depois dele mesmo. Até hoje o Poeta da Vila é influência definitiva para qualquer um que ouse fazer música no Brasil desde então.

No ano de seu centenário, 2010, o Brasil não economizou em homenagens ao mais ilustre filho da Vila Isabel carioca: seminários, palestras e publicações discutiram sua obra, reavivando-a. Inúmeros shows relembraram suas inúmeras e geniais criações, incluindo o Maranhão.

Na noite de 11 de dezembro de 2010, um sábado, o Daquele Jeito foi palco do show-tributo Noel, Rosa secular, protagonizado pelos compositores Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, que mostraram suas facetas de intérprete, com repertório exclusivamente da lavra de Noel Rosa. Destaques também para as participações especiais de Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro, além do Regional Feitiço da Ilha, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Soeiro (violão), João Neto (flauta), Juca do Cavaco (cavaquinho) e Vandico (percussão).

Localizado no Vinhais, o bar acabou pequeno para os cerca de 500 fãs confessos de Noel ali presentes. Clássicos como Feitiço da Vila, Feitio de oração, X do problema, As pastorinhas, Pela décima vez, Quando o samba acabou, Último desejo, Filosofia, Com que roupa?, Pra quê mentir? e João Ninguém foram cantados em coro pelo público, que prestigiou ainda a dança e a encenação da Companhia de Teatro Beto Bittencourt, que durante as músicas “dancenou” breves passagens da breve existência de Noel.

Os comentários posteriores ao show, sucesso de público, eram dois: de um lado, muitos elogios por parte daqueles que presenciaram um dos, sem dúvidas, melhores espetáculos musicais apresentados na capital maranhense em 2010; de outro, o arrependimento daqueles que, por um motivo ou outro, não fizeram coro às canções citadas e às tantas outras do repertório daquela noite inesquecível.

Pediram Bis – Para um bom começo de 2011, uma boa notícia a quem quiser repetir a dose ou quiser prová-la “pela primeira vez” (para citarmos outra peça do set-list noelesco): dia 8 de janeiro (sábado), às 22h, o Bar Daquele Jeito leva a seu palco o espetáculo Noel, Rosa secular – Pediram bis. Acompanhados pelo Regional Feitiço da Ilha, os quatro senhores da música do Maranhão Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, com participações especiais de Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro, reprisam a homenagem a Noel de Medeiros Rosa, o Poeta da Vila.

A reapresentação de Noel, Rosa secular terá novidades. “O repertório, por exemplo, muda em parte. Reprisar, simplesmente, as músicas que cantamos no show anterior seria uma injustiça com a própria obra de Noel, cujo legado é vastíssimo. As participações especiais terão mais tempo, este já era um pedido ouvido por nós durante o primeiro show”, adiantou o compositor Joãozinho Ribeiro.

Os ingressos para Noel, Rosa secular – Pediram bis custam R$ 20,00 (metade para estudantes com carteira) e serão vendidos na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande) a partir de segunda-feira (3).

Serviço

O quê: Noel, Rosa secular – Pediram bis.
Quem: Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, acompanhados do Regional Feitiço da Ilha. Participações especiais: Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro.
Onde: Bar Daquele Jeito (Vinhais).
Quando: dia 8 de janeiro de 2011 (sábado), 22h.
Quanto: R$ 20,00 (metade para estudantes com carteira). Ingressos à venda na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande), a partir de segunda-feira (3).
Maiores informações: (98) 8888-3722, zemaribeiro@gmail.com

Lena Machado no Dezembro de Paz

3 dezembro 2010

Acompanhada do regional Os Pregoeiros, cantora se apresentará no encerramento do programa da Comissão Arquidiocesana de Justiça e Paz

A cantora Lena Machado durante sua passagem pelo Feitiço Mineiro, em Brasília/DF, no último dia 30 de novembro

Após passagem por Brasília/DF, onde recentemente levou seu Samba de Minha Aldeia ao palco do Feitiço Mineiro, a cantora Lena Machado canta hoje (4), acompanhada do regional Os Pregoeiros, no encerramento do programa Quartas de Paz.

Desenvolvido pela Comissão Arquidiocesana de Justiça e Paz, as Quartas de Paz ocuparam a agenda de uma quarta-feira por mês, aprofundando o tema Economia e vida, da Campanha da Fraternidade, em 2010. O Dezembro de Paz realizou, desde ontem (3), exposição de economia popular solidária, oficinas, palestras, cinema, música e teatro.

“Precisamos entender como podemos colaborar com uma economia alternativa que promova a justiça e a paz; neste sentido ficamos muito felizes com a colaboração de todos e todas aqueles e aquelas que nos ajudaram nesta caminhada ao longo do ano de 2010. Certamente não é aqui que se encerram as Quartas de Paz, apenas as atividades deste ano. Em 2011 estaremos com forças e energias renovadas para continuarmos com o programa”, afirmou Cecília Amim, uma das coordenadoras da Comissão Arquidiocesana de Justiça e Paz.

A programação de hoje, que acontece no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, na Praia Grande, inclui oficina de confecção de flores e borboletas em material reciclado, que será ministrada às 14h pelo grupo Jovens pela Paz, de São Luís. Às 16h será exibido o filme Diamante de Sangue, estrelado por Leonardo Di Caprio, que conta a história de graves conflitos na África provocados pela exploração ilegal de diamantes. Em sequência, às 18h, o tema Economia e vida será debatido sob a coordenação do Pe. Vitor Manoel, missionário comboniano. Lena Machado e Os Pregoeiros sobem ao palco às 19h30min.

Pregões – Lena Machado pregará a paz, com música. Mostrará o que aprendeu com os pregoeiros Lopes Bogéa e Antonio Vieira, entidades do samba, da música popular e da luta pelos direitos humanos no Maranhão, ambos já falecidos. Acompanhada por João Eudes (violão sete cordas), Wendell Cosme (cavaquinho solo), Rafael Guterres (cavaquinho centro), Arlindo Carvalho (percussão) e João Neto (flauta), mostrará ao público o que sabe fazer: levar a boa música popular produzida no Maranhão aonde o povo está, como cantou o poeta mineiro.

No repertório, criações de nomes como Cesar Teixeira, Josias Sobrinho, Joãozinho Ribeiro, João do Vale e Chico Maranhão, entre outros. Lena Machado iniciou-se na música cantando nas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Igreja Católica. Há dez anos trabalha na Cáritas Brasileira Regional Maranhão, cujos 50 anos foram celebrados em Canção de Vida, disco ao qual a cantora emprestou sua voz a diversos hinos do movimento social maranhense. Em 2010 lançou Samba de Minha Aldeia, que obteve repercussão nacional.

Mais – Lena Machado é uma das convidadas de Noel, Rosa secular, tributo ao compositor carioca Noel Rosa, que completaria 100 anos em 11 de dezembro, data do show que será apresentado por Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho, em homenagem ao Poeta da Vila.

Centenário de Noel Rosa será celebrado em São Luís

29 novembro 2010

Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho prestam homenagem ao compositor carioca, falecido há 73 anos.

Nascido há exatos cem anos, em 11 de dezembro de 1910, Noel de Medeiros Rosa, teve existência curta – faleceria aos 26, de tuberculose – mas deixou obra vasta, que influenciou e até hoje influencia um sem-número de artistas da música.

Sambista por excelência, são de sua lavra clássicos como Com que roupa?, Filsofia, Pela décima vez, Feitiço da Vila, Três apitos, Pra quê mentir?, Feitio de oração e inúmeros outros. Convenhamos: não existe roda de samba que se preze em que não seja executada ao menos uma dessas canções.

Diante da grandiosidade e da genialidade de Noel Rosa, quatro grandes mestres da música do Maranhão se reúnem para prestar-lhe merecido tributo. Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho subirão ao palco do Bar Daquele Jeito (próximo ao Viva Vinhais) para apresentar o show Noel, Rosa secular.

Os quatro bambas serão acompanhados por Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco, Paulinho Oliveira (violão, direção musical) e Vandico (percussão). Eles contarão também com as participações especiais das damas da música maranhense Célia Maria, Fernanda Garcia, Lena Machado e Lenita Pinheiro. O show acontece dia 11 de dezembro, às 22h, e os ingressos custam apenas R$ 15,00.

“A música brasileira, e a arte de maneira geral, só são tão ricas e diversas por conta das inúmeras trocas que nos levaram a essa miscigenação em todos os campos, fazendo de nós o país culturalmente mais rico do planeta. Por isso não poderíamos nunca deixar de homenagear Noel Rosa, no ano de seu centenário, pelo imenso legado que ele nos deixou, apesar de sua vida ter sido tão curta”, afirmou Joãozinho Ribeiro.

Noel, Rosa secular, terá ainda, durante sua apresentação, breves esquetes comentando passagens da vida do parceiro de Vadico. A teatralização de trechos da existência do Poeta da Vila fica a cargo de Joana Bittencourt, que também assina o cenário.

Serviço

O quê: show Noel, Rosa secular.
Quem: Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho. Participações especiais de Célia Maria, Fernanda Garcia, Lena Machado e Lenita Pinheiro.
Quando: 11 de dezembro (sábado), às 22h.
Onde: Bar Daquele Jeito (próximo ao Viva Vinhais).
Quanto: R$ 15,00. Ingressos à venda no local.
Maiores informações: zemaribeiro@gmail.com, (98) 8888-3722.

Cáritas celebra 54 anos no 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca

9 novembro 2010

Arte de Zema Ribeiro

Festival tem início hoje (10) e vai até dia 12 (sexta-feira), data em que a Cáritas Brasileira completa 54 anos de atuação no País.

A Rede Mandioca atualmente articula mais de 70 grupos, comunidades e associações de produtores, fazendo-se presente em cerca de 35 municípios, em todas as regiões do Maranhão. Entre as premissas de sua Carta de Princípios, documento discutido e aprovado em plenárias estaduais, está a valorização da cultura da mandioca, elemento bastante importante na mesa do maranhense.

A Rede Mandioca e a Cáritas Brasileira Regional Maranhão realizam, entre hoje (10) e sexta-feira (12), em São Luís, o 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca. O evento integra a programação da Semana Nacional da Solidariedade, que celebra em todo o Brasil, os 54 anos de atuação da Cáritas no país. O organismo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil integra a rede Caritas Internationalis, presente em cerca de 200 países.

O Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho e a Praça Valdelino Cécio, ambos na Praia Grande, abrigarão as atividades ao longo dos três dias de festival: atividades de formação (debates, seminários, palestras), feira (comercialização da produção de grupos e associações filiadas à Rede Mandioca) e atividades culturais (shows musicais) compõem a programação.

Armando a Rede – A Rede Mandioca surgiu em 2004, inspirada em outras experiências bem sucedidas de articulação em rede, pautadas nos princípios da economia popular solidária. Sua área de atuação é o estado do Maranhão, embora vez por outra, dialogue com experiências em outros estados. A Cáritas Brasileira Regional Maranhão responde pela assessoria técnica à articulação.

Foi durante um encontro de planejamento da Cáritas, aliás, que surgiu a ideia de articular em rede, produtores, não só de mandioca: a Rede Mandioca congrega também artesãos, criadores de pequenos animais, extrativistas e agricultores, entre outros. O 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca terá representantes de todas as regiões do Maranhão. Veja a seguir sua programação completa.

Programação

Dia 10 (quarta-feira): 16h: Abertura oficial do 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca > Lançamento da nova logomarca da Rede Mandioca > Feira (Praça Valdelino Cécio) > 19h: Show de Chico Nô (Praça Valdelino Cécio).

Dia 11 (quinta-feira): Seminário Estadual sobre Produção, Beneficiamento, Comercialização e Consumo Ético Solidário (Auditório Rosa Mochel, Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho). 9h: Mesa: Produção e beneficiamento da produção agroecológica (Rede de Agroecologia do Maranhão/RAMA, Associação em Áreas de Assentamento no Estado do Maranhão/ASSEMA, Associação dos Trabalhadores(as) Rurais da Comunidade de Cantos dos Bois/Vargem Grande/MA) > 10h30min: Mesa: Fundos Rotativos (Clarício dos Santos Filho/BNB/ETENE) > 15h: Feira (Praça Valdelino Cécio) > 19h: Show: Forró Pé no Chão de Seu Raimundinho (Praça Valdelino Cécio).

Dia 12 (sexta-feira): 10h30min: Mesa: Comercialização e Consumo Ético Solidário (Instituto Marista de Solidariedade/IMS, Companhia Nacional de Abastecimento/Conab, Cooperativas dos Trabalhadores Agroextrativistas de Vargem Grande/Coopervag, FNDE/PNAE) (Auditório Rosa Mochel, Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho) > 15h: Feira (Praça Valdelino Cécio) > Show: Cesar Teixeira (Praça Valdelino Cécio).

SEMANA DA SOLIDARIEDADE

POR DOM DEMÉTRIO VALENTINI*

O mês de novembro sempre evoca a Cáritas. Não é por menos. Ela faz aniversário no dia 12, lembrando sua fundação em 1956, por obra e graça de Dom Helder Câmara. No mês do seu aniversário, para festejá-lo bem, a Cáritas Brasileira promove a Semana da Solidariedade, tendo o dia 12 como referência para definir seu calendário.

Neste ano, a Semana da Solidariedade faz apelo a duas circunstâncias, ambas especiais, e que interpelam a Cáritas. A primeira é a importante definição política que o País acaba de realizar, com o término das eleições, que dessa vez foram amplas e gerais.

Definidos os comandos políticos, nas esferas nacional e estadual, sejam quais forem as composições resultantes, uma constatação salta aos olhos: o governo sozinho nunca resolverá todos os problemas do povo. Sempre haverá necessidade de iniciativas e de participações, que superam as restritas obrigações legais e apelam para a solidariedade.

A solidariedade não precisa ser eleita, mas sim reconhecida, incentivada, organizada e assumida. Ela motiva a cidadania, que lhe aponta as urgências prementes, dando-lhe os contornos definidos; oferece ao Estado os seus préstimos, que acabam viabilizando uma administração pública com plenas garantias de estar a serviço das verdadeiras causas do governo, é sempre bem-vinda, sempre tem seu lugar, sempre contribui com valores que passam a ser melhor integrados nos relacionamentos sociais, econômicos, políticos e culturais.

Semente fecunda – A outra circunstância especial da Semana da Solidariedade desde ano é o Prêmio Odair Firmino, criado recentemente e que terá o seu primeiro ganhador nessa ocasião. O nome lembra a pessoa que todos recordam com saudade e admiração Odair Firmino. Ele esteve décadas ligado à Cáritas, deixando um inequívoco testemunho de humanidade, respeito, competência e identificação com os ideais dessa instituição. Odair foi a pessoa que todos gostariam de ter como companheiro de luta, como amigo de todas as jornadas, como figura a inspirar otimismo e confiança.

Realmente não podia ter sido escolhido nome mais adequado do que este, que recorda uma presença inesquecível para a Cáritas Brasileira. O objetivo do Prêmio Odair Firmino é incentivar a consolidação das Cáritas Diocesanas e impulsionar o surgimento das Cáritas Paroquiais, conforme meta estabelecida na última Assembleia da Cáritas Brasileira.

Enfim, cada vez mais se comprova que a semente fecunda da solidariedade encontra chão propício no seio das comunidades próximas à vida do povo, às paróquias, com suas ramificações comunitárias.

Neste chão, a solidariedade encontra mais facilmente condições propícias para a gratuidade, que enobrece sobremaneira a solidariedade e lhe dá o sabor especial da caridade consciente, atenta e organizada, permitindo iniciativas que dão motivações novas para as comunidades, despertando-as para a participação social adulta e comprometida.

A Semana da Solidariedade, com a concessão do Prêmio Odair Firmino, certamente deixará marcas especiais neste ano que tem muito de especial para a nossa realidade brasileira.

*Dom Demétrio Valentini é bispo de Jales (SP) e presidente da Cáritas Brasileira. Artigo originalmente publicado na Revista Família Cristã nº. 76, de novembro/2010.

Após recesso, o Clube do Choro Recebe está de volta

28 julho 2010

Instrumental Pixinguinha e Eraldo do Ébano são as atrações do retorno do projeto ao calendário cultural da capital maranhense.

Sem realizar saraus desde o dia 5 de julho, quando Zeca do Cavaco e o grupo Urubu Malandro prestaram tributo a Adoniran Barbosa (1910-1982), o Clube do Choro Recebe está de volta neste sábado, 31 de julho, após um recesso por conta do período junino e de Copa do Mundo.

“O Brasil acabou não indo bem na Copa do Mundo, mas a gente sabe a força que o maior evento do futebol mundial tem. É impossível concorrer com o torneio e com o São João, muito tradicional e com muita força no Maranhão”, avalia Ivo Segura, coordenador do Clube do Choro do Maranhão.

“O público já estava cobrando, são quase dois meses parado. É a maior interrupção desde o início do projeto, em setembro de 2007”, continua, “recebíamos telefonemas e e-mails direto, cobrando, querendo saber quando voltaria, quem seria a próxima atração, se seria no mesmo local”.

Instituições da música brasileira, os mangueirenses comparecem ao repertório de Eraldo Ébano

As perguntas já têm resposta: o Instrumental Pixinguinha recebe o cantor Eraldo do Ébano, no retorno do projeto ao palco da Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), no Calhau (Rua José Luiz Nova da Costa, esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar). O grupo é formado por Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco, Raimundo Luiz (bandolim) e Vandico (percussão). Eraldo do Ébano é sambista reconhecido por seu repertório voltado para nomes como Cartola, Nelson Cavaquinho (ambos vistos acima em foto de Walter Firmo), Paulinho da Viola e Cesar Teixeira, entre outros, isto é, os grandes mestres do gênero.

O sarau de retorno do Clube do Choro Recebe tem início às 19h30min e os ingressos custam apenas R$ 10,00 (R$ 8,00 para sócios da APCEF com carteira).

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM, Banco Ficsa e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 120ª. edição.
Quem: o Instrumental Pixinguinha recebe o cantor Eraldo do Ébano.
Quando: dia 31 de agosto (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com, (98) 8413-6035.
Apoio Cultural: TVN São Luís, Rádio Universidade FM, Banco Ficsa e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Feitiço maranhense no Feitiço Mineiro

16 junho 2010

Acompanhado de regional, o poeta e compositor Joãozinho Ribeiro apresenta o show musical Milhões de uns na capital federal.
 

Nascido num bairro periférico da região central de São Luís Joãozinho Ribeiro (foto) iniciou-se na música em saudosos festivais universitários, no longínquo 1979 – tem completos 30 anos de música, portanto –, ano também identificado como o da fatídica “greve da meia passagem”, da qual foi militante.

Quase engenheiro, quase economista, formou-se bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), e depois especialista em Direitos Autorais. Militante das artes e da cultura em geral, foi secretário executivo do Fórum Municipal de Cultura de São Luís, engendrando as duas Feiras Culturais da Praia Grande, três Semanas Culturais do Desterro e o projeto Samba da Minha Terra, que levou música gratuita e de qualidade a 18 comunidades de sua cidade natal, valorizando sobretudo o samba e o choro, com a participação de inúmeros convidados especiais. Chegou a Secretário de Estado da Cultura do Maranhão e hoje o técnico da Receita Federal está nos quadros do Ministério da Cultura.

Por essas e outras, João Batista Ribeiro Filho, aos 55 ainda o mesmo moleque travesso das ruas, becos, ladeiras e vielas da capital maranhense, tem relegado a segundo plano sua carreira de artista: é, na terra de outro João Batista, o do Vale, um dos compositores mais gravados e tem publicado o poema-livro Paisagem Feita de Tempo [2006, edição do autor]. Sua mais recente apresentação musical data de agosto de 2008, em São Luís, dentro do projeto Clube do Choro Recebe, empreitada de sucesso do Clube do Choro do Maranhão que completará três anos em breve.

Atualmente residindo em Brasília, Joãozinho Ribeiro aproveita a estadia na capital federal para mostrar, no planalto central, parte de sua obra, que lhe garante presença no panteão sagrado dos grandes compositores do Maranhão, ao lado de figuras como Antonio Vieira, Cesar Teixeira e Chico Maranhão, entre outros. Passeando por choro, samba, baião, reggae, toadas de bumba-meu-boi e tambor de crioula, blues, canções de amor e de protesto, Joãozinho Ribeiro se apresenta no Restaurante Feitiço Mineiro (306 Norte) no próximo dia 3 de julho, às 22h30min. O couvert artístico custa apenas R$ 15,00.

O Feitiço Mineiro tem sido palco importante de maranhenses na capital federal. Por lá já se apresentaram nomes como Nonato Buzar, Papete, Flávia Bittencourt, Rosa Reis, Beto Pereira, Josias Sobrinho e Tião Carvalho, entre outros. “Além de encontrar a colônia maranhense radicada em Brasília, o interessante é podermos apresentar nosso trabalho também a cidadãos e cidadãs apreciadores da arte de todas as partes do mundo”, afirma Joãozinho Ribeiro, que em 2002 venceu, no Maranhão, o Prêmio Universidade FM com seu choro Milhões de uns, registrado em disco pela também maranhense Célia Maria.

Serviço

O quê: show musical Milhões de uns.
Quem: Joãozinho Ribeiro e Regional.
Onde: Restaurante Feitiço Mineiro (306 Norte, Brasília/DF).
Quando: dia 3 de julho (sábado), às 22h30min.
Quanto: R$ 15,00 (couvert artístico).
Reservas: (61) 3272-3032.

Redação: Zema Ribeiro
Entrevistas: Robson Silva – (61) 9952-4801

Antonio Vieira é homenageado no Clube do Choro Recebe

25 maio 2010

Falecido em abril do ano passado aos 88 anos, Vieira teria completado 90, no último 9 de maio – compositor permanece vivíssimo em sua vasta obra musical.

Mestre Vieira em uma de suas apresentações no Clube do Choro Recebe

Antonio Vieira nasceu em São Luís em 9 de maio de 1920. “Menino pobre criado por família rica”, como gostava de contar, compôs sua primeira música aos 16 anos: Mulata bonita. Viu-a e ouviu-a fazer sucesso na década de 40 do século passado: brilhou no palco da Rádio Timbira, acompanhada ao piano pelo então também jovem Sivuca, de passagem por São Luís para uma temporada no Casino Maranhense. “O mestre da sanfona, adivinhando-lhe o talento, dissera, na ocasião que Vieira iria ser um grande compositor. Cumpriu-se a profecia”, como conta outro grande compositor, Cesar Teixeira, no encarte da Antoniologia Vieira, tributo em disco produzido pelo maestro Adelino Valente há dez anos, reunindo um expressivo contingente de artistas maranhenses para reverenciar o autor de Tem quem queira – esta, não incluída naquela antologia.

O reencontro dos mestres Antonio Vieira e Sivuca nos ensaios de gravação de "O samba é bom"

É Adelino Valente quem comanda um time de primeiríssima linha que repetirá parte da Antoniologia no palco do Clube do Choro Recebe, neste sábado, 29, às 19h30min, na Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), no Calhau (Rua José Luiz Nova da Costa, esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar). Com Vieira (percussão), Valente (bandolim) fundou o Regional Tira-Teima, em fins da década de 1970, mais antigo grupamento de choro em atividade em São Luís – embora já sem a sua formação original, que incluía ainda nomes como Chico Saldanha, Ubiratan Sousa e Cesar Teixeira.

Outra das antológicas aparições de Mestre Antonio Vieira no palco do Clube do Choro Recebe

Outro grupo integrado por Adelino Valente foi o Insensatez, reeditado para este sábado com nova formação: além dele próprio (piano, direção musical), Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Rogério Leitão (bateria), Antonio Paiva (contrabaixo), Paulo Trabulsi (cavaquinho) e Luiz Jr. (violão) receberão os intérpretes Célia Maria, Chico Saldanha, Cláudio Lima, Josias Sobrinho, Léo Capiba, Léo Spirro, Luiz Mochel, Rogéryo du Maranhão, Ticiana Valente, Tutuca e Zeca do Cavaco, que irão prestar homenagem a Mestre Antonio Vieira, falecido em 7 de abril de 2009.

Não faltarão ao repertório temas como Poema para o azul, Cocada, Mocambo, Nordeste seco, Vou pro mar, Olha a nêga, Na cabecinha da Dora, O samba é bom, Ingredientes do samba, Samba de Nêgo e Mulata bonita, entre muitas outras da vasta lavra de Seu Vieira.

“São mais de 300 composições, a grande maioria ainda desconhecida do grande público”, afirma Adelino Valente, produtor desta espécie de “Antoniologia ao vivo”. Ele relembra emocionado: “Nossa amizade vem desde a década de 70, quando fundamos o Tira-Teima. Eu era bandolinista, Vieira percussionista e até então ninguém conhecia música nenhuma dele. Depois de dois ou três anos de convívio, ele começou a mostrar umas coisas e a gente ficou encantado. Eu sempre disse que um dia a gente ia fazer um disco com aquela obra. Demorou, mas saiu”.

Homenagens a Vieira continuarão, segundo Adelino Valente

Segundo Adelino, este show – que remonta parte do espetáculo realizado no Teatro Arthur Azevedo, trazendo algumas novidades – é parte de uma homenagem maior ao “velho moleque”. Entre os vários projetos há o de se fazer um Volume 2 da Antoniologia e um cd instrumental só com composições do autor de Banho cheiroso.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 118ª. edição.
Quem: o grupo Insensatez recebe vários cantores e cantoras em homenagem a Mestre Antonio Vieira.
Quando: dia 29 de maio (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Célia Maria e Grand Trio: talento de sobra

14 abril 2010

Cantora maranhense, de volta ao estado natal, será recebida pelo Grand Trio, mais nova formação instrumental do cenário maranhense.

Célia Maria de volta ao palco do Clube do Choro Recebe

Maranhense de reconhecido talento, embora infelizmente ainda pouco conhecida do grande público em sua terra natal, Célia Maria (foto) é a convidada da 113ª. edição do Clube do Choro Recebe, que acontece neste sábado, 17, a partir das 19h30min, na Associação do Pessoal da Caixa (APCEF). Ela será acompanhada pelo Grand Trio, nova formação instrumental surgida na capital maranhense.

Com apenas um disco gravado, em Célia Maria sobra talento. Vencedora de diversos concursos – recentemente o Talentos da Maturidade, promovido por um banco brasileiro, e, à época de Célia Maria, o disco homônimo, de 2001, o Prêmio Universidade FM – a diva negra tem encantado plateias por onde passa: já morou várias vezes no Rio de Janeiro – de onde retornou recentemente, para novamente fixar residência em São Luís – onde conheceu Cartola, Zé Kéti e outros astros do samba brasileiro, notadamente os que frequentavam o bar e restaurante Zicartola, outrora espécie de templo sagrado do gênero.

Seu disco, aliás, não se prende ao samba. Nele estão registradas obras dos maranhenses Antonio Vieira (Ingredientes do samba), Cesar Teixeira (Lápis de cor), Joãozinho Ribeiro (Milhões de uns), Bibi Silva (Lágrimas) e João do Vale (Na asa do vento), entre outros. Esgotado, o disco nunca teve um show de lançamento oficial.

Nova formação – Egressos do Choro Pungado formam o Grand Trio: Luiz Jr. (violão sete cordas), Luiz Cláudio (percussão) e Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho), músicos de reconhecido talento e merecido destaque na cena instrumental maranhense contemporânea.

Robertinho Chinês regressou recentemente de Brasília/DF, cidade que tem um dos mais ativos clubes do choro do país, que esteve visitando e aprimorando sua técnica sobre os instrumentos que tão bem já toca, tão jovem.

Luiz Cláudio e Luiz Jr., sempre às voltas com experimentações sonoras, têm como investida anterior ao Grand Trio, o Duo Sound, em que seus violões e percussões se encontravam para tocar os sons do mundo, passando necessariamente pelos tão brasileiros samba e choro.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 113ª. edição – sétima em 2010.
Quem: o grupo Grand Trio recebe a cantora Célia Maria.
Quando: dia 17 de abril (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (esquina com Rua dos Carcarás, em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

Samba de Feira no sábado de aleluia

29 março 2010

Lena Machado reapresenta show, com novidades, no Clube do Choro Recebe. Em pleno sábado de aleluia, a cantora terá como anfitrião o Regional Os Pregoeiros.

Foto: Rivânio Almeida Santos

Fruto de um bem sucedido encontro, o show Canto de Feira será reapresentado na 111ª. edição do projeto Clube do Choro Recebe – a quinta este ano –, que acontece em pleno sábado (3/4) de aleluia. A apresentação reunirá no palco a cantora Lena Machado e o Regional Os Pregoeiros, formado por Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), João Eudes (violão sete cordas), Osmarzinho (saxofone) e Rafael Guterres (cavaquinho).

O show encerrou a temporada musical em São Luís em 2009: foi apresentado dia 30 de dezembro no Restaurante Cantinho da Estrela, na Praia Grande. Este ano já foi apresentado em celebração ao Dia Internacional da Mulher, em evento fechado promovido pelo Sindicato dos Bancários do Maranhão.

“Pensamos este show, que inclusive tem esse nome por isso, para integrar a programação da Feira de Economia Solidária, em dezembro passado. A programação cultural da Feira foi bastante prejudicada por conta de apagões que castigaram o Centro Histórico naquele período. Para não perdermos a energia, os ensaios que já havíamos realizado, apresentamos e, graças a Deus, foi um sucesso”, conta Lena Machado, avisando que apesar do nome, o show não é mero replay de suas apresentações anteriores.

“A gente sempre mexe no repertório. Tem coisas do disco novo, coisas que gosto de cantar, eu tou sempre ouvindo e pescando coisas pro repertório. Há várias ideias para shows temáticos, experiências para o repertório do terceiro disco”, continua e adianta a cantora que recentemente lançou Samba de Minha Aldeia, disco em cujo repertório interpreta, além do samba denunciado pelo título, choro, baião, blues, salsa, eletrônica e pitadas dos ritmos da cultura popular do Maranhão.

Samba de Minha Aldeia. Capa. Reprodução

Em Samba de Minha Aldeia Lena Machado interpreta, entre inéditas e conhecidas, músicas de Josias Sobrinho, Chico Nô, Ricarte Almeida Santos, Chico Canhoto, Gildomar Marinho, Bruno Batista, Aquiles Andrade, Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Patativa.

“Lena Machado é uma das grandes descobertas, um dos grandes acontecimentos, da música produzida no Maranhão nestes últimos anos. Recentemente tivemos a grata surpresa de saber que músicas de seu disco tocaram em rádios em Brasília, Rio de Janeiro e outras cidades de destaque no cenário artístico-cultural. Isso é o começo. Sabemos que ela vai longe”, vaticina Ricarte Almeida Santos, produtor e apresentador do Clube do Choro Recebe e, no rádio, do programa Chorinhos e Chorões, especializado no mais brasileiro dos gêneros musicais, que vez por outra inclui Lena Machado em seu repertório dominical. Em parceria com Chico Nô, ele é autor de Chorinho de Herança, uma das músicas mais executadas no Myspace da cantora.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF) e parceria da Solar Consultoria e JL Music Studios.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 111ª. edição – quinta em 2010.
Quem: o Regional Os Pregoeiros recebe a cantora Lena Machado.
Quando: dia 3 de abril (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural:
TVN São Luís, Rádio Universidade FM e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF).
Parceria: Solar Consultoria e JL Music Studios.

João do Vale no palco dos Territórios Rurais

18 março 2010

Uma caravana de músicos e intérpretes do Maranhão irá participar do II Salão dos Territórios Rurais – Territórios da Cidadania em Foco, a ser realizado em Brasília, entre 22 e 25 de março, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, numa promoção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Territorial.

Representando o Território do Médio Mearim, o grupo fará uma releitura da obra do compositor maranhense João do Vale (foto), consagrado no Brasil após o show Opinião, em 1964, ao lado de Zé Kéti e Nara Leão, depois substituída por Maria Bethânia.

Integrado pelos cantores Paulo Pirata e Garrincha (Pedreiras), Cláudio Pinheiro, Milla Camões, Carlinhos Veloz e Cesar Teixeira (São Luís), o grupo maranhense se apresenta no dia 22 de março, às 22h, após a Abertura Solene e a atuação do Quinteto Violado (PE), Pereira da Viola, Caminho de Todos os Santos e Roda de Viola (MG).

O espetáculo maranhense será apresentado por um Arauto Brincante (PE), seguindo-se a leitura do poema João Pedreiras do Vale, do poeta maranhense Neves Azevedo, na voz do ator Cláudio Ferrario. Terá ainda como convidado especial o cantor e compositor Wellington Matos.

A programação cultural do II Salão dos Territórios Rurais, que coincide com o aniversário de 50 anos da fundação de Brasília, tem como um dos coordenadores o cantor, violeiro e compositor Marcelo Melo, presidente da Fundação Quinteto Violado e um dos fundadores do grupo pernambucano.

Homenagem – João do Vale, nascido no Lago da Onça, município de Pedreiras, é autor de grandes sucessos como Pisa na Fulô, Estrela Miúda e Carcará, entre outros, que os participantes do II Salão dos Territórios Rurais terão a oportunidade de relembrar durante o espetáculo a ser apresentado pelo grupo maranhense no Distrito Federal.

Segundo Riva do Vale, filho mais velho de João radicado em São Luís, a homenagem ao seu pai faz parte de uma campanha da Fundação João do Vale (sediada em Pedreiras/MA) de divulgar a obra do artista, que foi ajudante de pedreiro no Rio de Janeiro, antes ter suas músicas divulgadas nas vozes de Marlene, Ivon Cury, Luiz Gonzaga, Clara Nunes, entre outros expoentes da MPB.

O espetáculo Opinião, que projetaria Maria Bethânia como intérprete de Carcará, foi um divisor de águas na música popular brasileira, mas, ao mesmo tempo, serviu de pretexto para que os aparelhos de censura e repressão do regime militar deflagrassem uma intensa perseguição aos artistas acusados de subversão à ordem social e política do País.

Para Benedita Freire, que faz a direção geral do espetáculo, mais do que uma homenagem a João do Vale, a caravana visa sobretudo valorizar a história da MPB, hoje massacrada por uma mídia descartável. “Trata-se de uma questão de justiça evidenciar a obra de um artista que não pode estudar, foi perseguido e morreu pobre, mas deixou um rico legado para a cultura brasileira”, conclui.  

Diversidade – O espetáculo do Maranhão estará entre as 19 atrações culturais de vários pontos do País a se apresentarem durante os quatro dias do II Salão dos Territórios Rurais – Territórios da Cidadania em Foco, que, entre outros objetivos, busca expressar a diversidade das tradições, do conhecimento, da memória e das produções materiais e simbólicas dos Territórios Rurais brasileiros.

A banda que acompanhará os representantes do Território do Médio Mearim na homenagem a João do Vale é formada por Edilson Gusmão (violão), George Gomes (bateria), Rui Mário (sanfona), Murilo Rêgo (teclados), Jeca (percussão) e Arlindo Piu-Piu (contrabaixo), responsável pela direção musical do espetáculo.

[release recebido por e-mail]

Urubu Malandro e o ar da graça de Patativa

9 março 2010

Presença alegre de Patativa levará, com o Urubu Malandro, choro, samba e bom humor ao Clube do Choro Recebe.

A primeira edição do Clube do Choro Recebe em 2010, acontecida sábado passado (6), mostrou que o projeto já está consolidado na vida boêmio-cultural da capital maranhense. Com diversas outras atrações espalhadas pela cidade, o público, fiel, lotou o espaço da Associação do Pessoal da Caixa (Calhau), que volta a ser o palco do Clube do Choro do Maranhão. O cantor e compositor Carlinhos Veloz brindou os presentes com um belíssimo show, com o repertório variando entre temas de samba e choro, além de canções de sua autoria. Entre as canjas, destaques para Osmar do Trombone, Léo Capiba, Luiz Cláudio e Luiz Jr. (Duo Sound), Augusto Pellegrini, João Neto e Isaac Barros.

“Esse retorno superou todas as expectativas. Ainda temos que trabalhar em alguns ajustes, para receber ainda melhor o público, que esperamos manter, em número e qualidade”, afirma Ricarte Almeida Santos, radialista, produtor e apresentador do projeto.

Carnaval, samba, alegria e irreverência são sinônimos de Patativa

Para a segunda edição do projeto em 2010 – já são 108 no total – o brilho da presença da madre-divina dama Patativa, compositora que aos mais de 70 anos, começa a ter o merecido reconhecimento do público. Ainda que lentamente. Recentemente, ela teve sua Colher de chá gravada por Lena Machado em Samba de Minha Aldeia, seu segundo disco, recém-lançado. Colher de chá é certamente seu segundo samba mais conhecido, cantado por quantos frequentem rodas de choro e samba pela Madre Deus e arredores ou no palco do Clube do Choro Recebe. A peça mais famosa da lavra de Patativa tem título impublicável, mas a plateia certamente irá ouvi-la nesta segunda apresentação que a compositora faz no projeto – a primeira foi em sua 62ª. edição, em dezembro de 2008.

Reverenciada por nomes como Cesar Teixeira, Rita Ribeiro – que em dueto cantaram Colher de chá em concorridas apresentações no projeto Brasil de Todos os Sambas, no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, em 2004 – e Jorge Aragão – que no disco de estreia de Serrinha e Cia. cantava “Patativa vem sambar, oh, na palma da mão”, no samba Uns e Alguns, de que participa – Patativa será acompanhada pelo grupo Urubu Malandro, que segura a peteca de sua jocosidade.

Também é divertidíssima essa turma que acompanhará Patativa em seus sambas e marchas, em grande parte com letras engraçadíssimas onde não falta duplo sentido, com inteligência: Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco e Osmar do Trombone. São os mesmos chorões que já acompanharam a compositora em sua primeira aparição no palco do Clube do Choro Recebe.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís e Rádio Universidade FM e parceria da Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 108ª. edição – 2ª. em 2010.
Quem: o grupo Urubu Malandro recebe a compositora Patativa.
Quando: dia 13 de março (sábado), às 19h30min.
Onde: Associação do Pessoal da Caixa (APCEF), Rua José Luiz Nova da Costa, Calhau (em frente ao Barramar).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís e Rádio Universidade FM.
Parceria: Solar Consultoria.

Baile do Parangolé celebrará 31 anos da SMDH

4 fevereiro 2010

O jornalista e compositor Cesar Teixeira será homenageado na ocasião.

A Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) completa 31 anos no próximo dia 12 de fevereiro. Para festejar a data – este ano a sexta-feira gorda de carnaval –, será realizado o Baile do Parangolé, a partir das 21h, no Sindicato dos Arrumadores (Rua da Estrela, Praia Grande, em frente à Faculdade de Arquitetura). A festa terá a animação do Tambor de Crioula Catarina Mina (abertura) e da Banda do Maestro Antonio Paiva, com participações especiais confirmadas (há outros artistas a confirmar) de Joãozinho Ribeiro e Cesar Teixeira, ambos sócios da SMDH. O autor do coco Parangolé, que batiza o baile, será homenageado na ocasião.

O aniversário da SMDH marcará também o lançamento da campanha Direitos Humanos em Movimento, que busca dar maior visibilidade à ação de defensores de direitos humanos no Maranhão, melhorando a aceitação do tema junto à população. Iniciando pelo Baile do Parangolé, a campanha terá vários momentos ao longo de 2010, culminando com o aniversário de 62 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 10 de dezembro.

As camisas para o Baile do Parangolé podem ser adquiridas na sede da SMDH (Rua Sete de Setembro, 156, Centro) e na União por Moradia Popular (Rua dos Afogados, 554, Centro). Maiores informações: (98) 3231-1601, 3231-1897, smdh@terra.com.br, http://www.smdh.org.br

SERVIÇO

O quê: Baile do Parangolé. Aniversário de 31 anos da SMDH. Lançamento da campanha Direitos Humanos em Movimento – 2010.
Quem: Banda do Maestro Antonio Paiva, Tambor de Crioula Catarina Mina e participações especiais de Joãozinho Ribeiro e Cesar Teixeira (homenageado).
Quando: dia 12 de fevereiro (sexta-feira gorda de carnaval), às 21h.
Onde: Sindicato dos Arrumadores (Rua da Estrela, Praia Grande, em frente à Faculdade de Arquitetura).
Quanto: R$ 30,00 (camisa).
Maiores informações: (98) 3231-1601, 3231-1897, smdh@terra.com.br, http://www.smdh.org.br

A volta de Chico Nô

20 janeiro 2010

Nivaldo da Estação será o convidado do Regional Feitiço da Ilha nesta sexta-feira, no projeto Chorinho no Cantinho.

O Chorinho no Cantinho, já tradicional encontro de bambas que acontece todas as sextas-feiras no Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio), marca, dia 22, o retorno de Chico Nô ao seu palco – o repertório de sambas e choros começa a ser executado às 20h.

O cantor e compositor maranhense aproveitou o período das festas de Natal e Ano Novo para passar uma temporada no Rio de Janeiro, de onde retorna com novidades na bagagem – algumas serão mostradas sexta-feira.

Regional Feitiço da Ilha: os bambas do Chorinho no Cantinho

Chico Nô (voz, violão e percussão) e o Regional Feitiço da Ilha (foto) – Domingos Santos (violão sete cordas), Juca do Cavaco e Vandico (percussão) – terão como convidado o cantor e cavaquinhista Nivaldo da Estação, que passeará por sambas-enredo e clássicos do carnaval, com destaque para os maranhenses.

O couvert artístico individual custa apenas R$ 5,00.

Sábado – O grupo Conversa de Botequim, a partir das 17h, continua realizado a mais animada roda de samba da Ilha, também no Restaurante Cantinho da Estrela.

Obras de nomes como Paulinho da Viola, Chico Buarque, Cesar Teixeira, Josias Sobrinho, Antonio Vieira e João Nogueira, entre outros, são os ingredientes do samba, que é acompanhado por uma feijoada com todos os ingredientes a que se tem direito.

A entrada custa apenas R$ 10,00.

Lena Machado autografa “Samba de Minha Aldeia”

12 janeiro 2010

Cantora realiza sessão de audição e noite de autógrafos de seu segundo disco no Bar do Léo.

Adiado por motivos de força maior, finalmente chegou à São Luís o segundo disco de Lena Machado, Samba de Minha Aldeia, todo gravado aqui e mixado/masterizado em Fortaleza/CE. Doze faixas dão uma panorâmica na produção contemporânea do Maranhão, com especial atenção ao samba e ao choro, mas sem deixar de fora blues, baião e xote.

Samba de Minha Aldeia. Capa. Reprodução. Projeto gráfico: Waldeilson Paixão

Entre inéditas e regravações, Lena Machado captou a mensagem do velho escritor russo. Para embalar sua voz, acompanhada dos arranjos do violonista Luiz Jr., dando uma sonoridade que alia o tradicional e o moderno às canções de Josias Sobrinho, Ricarte Almeida Santos, Chico Nô, Chico Canhoto, Gildomar Marinho, Bruno Batista, Aquiles Andrade, Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Patativa – os compositores de sua aldeia musical –, o cenário do Bar do Léo.

“O Bar do Léo não é só um bar. É um museu, um templo por que temos um carinho todo especial. E é também um importantíssimo espaço de divulgação de nossa música”, afirma, não escondendo o carinho pelo recinto de Leonildo Peixoto, que demonstra ser verdadeira a recíproca: “O disco está muito bom, tem muita qualidade…” Interrompido pelo repórter, que brinca: “E o encarte, então, hein?”. “Sou suspeito”, responde, satisfeito com o resultado e com a sessão desta quinta-feira.

Audição e autógrafos – Dia 14, às 20h, o Bar do Léo (Hortomercado do Vinhais) realizará uma sessão de audição do disco de Lena Machado, que autografará exemplares a interessados – Samba de Minha Aldeia custa apenas R$ 20,00.

Não fazemos música ao vivo – A placa numa das paredes da Academia Musical Bar do Léo não perdeu o significado: a sessão de audição/ noite de autógrafos não será um show. “A idéia é reunir amigos, ouvir o disco, bater um papo, tomar alguma coisa, tudo isso ao mesmo tempo”, anuncia Lena Machado, que se confessa nervosa: “Sempre dá um friozinho na barriga”, sua modéstia natural.

A cantora autografará Samba de Minha Aldeia em "audição pública" no Bar do Léo. Foto: Rivânio Almeida Santos

“Acima de tudo vai ser um encontro de amigos. Eu, Léo, os compositores, a compositora Patativa (autora de Colher de chá, gravada no disco com a participação especial de Zé da Velha e Silvério Pontes), diversas pessoas que acreditam em nosso trabalho e que, de uma forma ou de outra, colaboraram para a sua realização”, convida Lena Machado.

Show – “Em breve a gente vai fazer o show de lançamento, reunindo alguns músicos que tocaram no disco, dialogando com outros, identificando afinidades”, anuncia. Samba de Minha Aldeia deveria ter sido lançado ainda ano passado, mas motivos de força maior adiaram a chegada do material à São Luís.

O trabalho foi selecionado no Plano Fonográfico da Secretaria de Estado da Cultura em 2008, na categoria gravação. Samba de Minha Aldeia conta ainda com o apoio cultural da Pousada Portas da Amazônia e TVN São Luís.

SERVIÇO

O quê: Sessão de audição e noite de autógrafos de Samba de Minha Aldeia.
Quem: a cantora Lena Machado.
Onde: Bar do Léo (Hortomercado do Vinhais).
Quando: dia 14 (quinta-feira), às 20h.
Quanto: entrada franca. Presentes pagam apenas seu consumo. O disco será vendido por R$ 20,00.
Maiores informações: (98) 8182-1717, lenamachadomusica@gmail.com, http://www.myspace.com/lenamachado

“Canto de Feira” encerra o 2009 musical de São Luís

28 dezembro 2009

Tido como último grande acontecimento musical em São Luís, show de Lena Machado promete festa.

Cantando, Lena Machado quer renovar as energias para o ano que se inicia. Foto: Pedro Araújo

A cantora Lena Machado (foto) se despede de 2009 em grande estilo: apresenta, dia 30, às 20h, no Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio), o show Canto de Feira. A artista será acompanhada pelo regional Os Pregoeiros: João Eudes (violão sete cordas), Rafael Guterres (cavaquinho), Osmarzinho (saxofone), Wanderson (percussão) e Lazico (percussão).

O ano que se encerra marcou a finalização do segundo disco da carreira de Lena Machado, Samba de Minha Aldeia. Ela que em 2006 lançou Canção de Vida, celebrando os 50 anos de atuação da Cáritas no Brasil, organização em que trabalha. “Emprestei a voz a diversos clássicos que marcam a trajetória das lutas sociais no país, e especialmente no Maranhão”, afirma ela, que na ocasião interpretava composições de Joãozinho Ribeiro (Milhões de uns), João do Vale (Minha história), Sá e Guarabira (Sobradinho), Gonzaguinha (O que é o que é?) e, entre outros, Cesar Teixeira (Oração latina, de onde o título do disco foi retirado).

“A ideia era lançar Samba de Minha Aldeia ainda em 2009 mas alguns contratempos impediram. Mas no comecinho do ano que vem ele ‘tá na mão e a gente espera que o público goste e que tenha valido a pena esperar”, diz, acrescentando: “Foi um trabalho gostoso de fazer, com as dores naturais de um trabalho artístico, o trabalho que dá escolher repertório, músicos, pensar cada detalhe, arranjos, capa, encarte, e o prazer de cuidar disso tudo com todo carinho”. O título adianta: Lena Machado gravou somente compositores maranhenses, privilegiando o samba e o choro.

Grande parte do repertório é de inéditas: as exceções são De Cajari pra capital (Josias Sobrinho), Botequim (Cesar Teixeira), Acontecesse (Bruno Batista) e Gracejo (Gildomar Marinho) além de Chorinho de herança (Ricarte Almeida Santos/ Chico Nô),”semi-inédita”, que teve uma versão promo bastante executada em rádios da capital maranhense. Em Samba de Minha Aldeia, todas as faixas não-inéditas ganharam novos arranjos. Além deles, Lena Machado vasculhou seu baú de achados e registrou criações de Joãozinho Ribeiro, Patativa, Aquiles Andrade, Ricarte Almeida Santos, Chico Nô e Chico Canhoto.

“No Canto de Feira, o show, faremos parte do repertório do segundo disco e mostraremos outras coisas que a gente gosta de cantar”, antecipa ela, que interpretará composições de Paulinho da Viola, Chico Buarque, Tom Jobim e Cristóvão Alô Brasil, entre outros.

FeiraCanto de Feira, o show, deveria ter integrado a agenda cultura da III Feira Estadual de Economia Solidária e Agricultura Familiar do Maranhão, como previa a programação do evento, acontecido na Praia Grande, entre os dias 17 a 19 de dezembro. Quase todas as apresentações culturais foram prejudicadas pelas quedas de energia com que sofreu a região central da capital maranhense nos dias da Feira – a exceção foi o Tambor de Crioula de Mestre Apolônio, que conseguiu se apresentar sem os recursos de som, palco e luz, dadas as características acústicas daquela manifestação cultural.

“Já estávamos com músicos reúnidos, repertório ensaiado, então ia ser um prejuízo muito grande adiar ou não realizar esse show”, conta Lena Machado sobre o porquê dela arriscar uma data tão próxima à virada de ano. “É um show festivo, para entrarmos 2010 com as energias renovadas”, promete, ela que não para de pensar em novos projetos e que é considerada uma das grandes revelações da música maranhense da última década.

SERVIÇO

O quê: show Canto de Feira.
Quem: Lena Machado e Os Pregoeiros.
Onde: Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio).
Quando: dia 30 (quarta-feira), às 20h.
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: pelos telefones (98) 8182 1717 e/ou 8724 2940.

Samba, choro e bossa encerram a I Semana de Audiovisual da UFMA

26 novembro 2009

Trocando em Miúdos e Jéssica Wernz, revelações da música popular maranhense, são as atrações.
 
O grupo Trocando em Miúdos se apresenta nesta sexta-feira (27), às 18h, na Área de Vivência, Campus do Bacanga, no encerramento da I Semana de Audiovisual da UFMA.

A apresentação terá ainda a participação especial da cantora Jéssica Wernz, que com seu talento e carisma, promete ser a voz revelação da música maranhense.

Trocando em Miúdos é um grupo composto por jovens e talentosos músicos de São Luis.  Jonatan Cardoso (violão), Victhor Gabriel (violão), Ivis Marcelo (cavaquinho), Paulo Vinicius (flauta), Anderson Almeida (percussão) e Imaíra Madeiros (voz) interpretam grandes nomes da música brasileira como Chico Buarque, Noel Rosa, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Toquinho, Paulinho da Viola e Cesar Teixeira.

No repertório, clássicos como Maninha (Chico Buarque), Falsa Baiana (Geraldo Pereira), Conversa de Botequim (Noel Rosa), Chega de Saudade (Vinicius de Moraes e Tom Jobim) e Para ver as meninas (Paulinho da Viola), entre outros.

Jonatan Cardoso e Jéssica Wernz são integrantes do Cineclube Casarão Universitário, organizador da I Semana de Audiovisual da UFMA. O show marcará o encerramento do evento que acontece desde segunda-feira (23) promovendo amplo debate sobre linguagens audiovisuais no Maranhão.

SERVIÇO

O quê: Encerramento da I Semana de Audiovisual da UFMA com show do grupo ‘Trocando em Miúdos’ e Jéssica Wernz.
Quando: Sexta-Feira (27), às 18h.
Onde: Área de Vivência, Campus do Bacanga- UFMA.
Quanto: grátis.
Informações: http://www.casaraouniversitario.blogspot.com

Assessoria de comunicação: Raíla Maciel

Léo Capiba e Os Cinco Companheiros no Clube do Choro Recebe

10 novembro 2009

Clássicos do samba e choro recebem roupagem de gafieira em noite que promete dança e alegria.

Capiba relembrará grandes mestres do samba e choro em clima dançante 

Léo Capiba (foto) é o convidado da 102ª. edição do Clube do Choro Recebe, que acontece este sábado (14), a partir das 19h30min, na Pousada Portas da Amazônia/La Pizzeria (Rua do Giz, 129, Praia Grande). Atualmente o cantor está gravando seu disco de estreia, que terá arranjos do violonista João Pedro Borges, onde interpretará diversos nomes do samba produzido no Maranhão. Cearense de nascimento e maranhense de coração, Capiba tem uma vasta experiência acumulada na noite ludovicense.

“O sorriso mais largo da paróquia”, como Capiba também é conhecido, terá como anfitriões Os Cinco Companheiros: Osmar do Trombone, Osmarzinho (clarinete e saxofone), Rafael Guterres (cavaquinho), João Soeiro (violão) e Wanderson (percussão). Natural de Cajari, o líder do grupo também está gravando seu disco de estreia, cujo repertório é instrumental e, em grande parte autoral, intitulado Cinco gerações, as de músicos de sua família. Osmar do Trombone tem sempre mostrado com boa aceitação o choro-título de seu disco.

Os sopros d’Os Cinco Companheiros garantem a cada apresentação que fazem um clima de gafieira que pode render bons passos de dança ao público – no palco, Capiba não se faz de rogado. A interpretação firme, a ginga e o bom humor de Capiba dão o tom no passeio pelo repertório de grandes mestres do samba e do choro, como Cartola, Cesar Teixeira, Tom Jobim, Jackson do Pandeiro, João Nogueira e tantos outros.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís e Rádio Universidade FM e parceria de JL Music Studios e Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 102ª. edição.
Quem: o grupo Os Cinco Companheiros recebe o cantor Léo Capiba.
Quando: dia 14 de novembro (sábado), às 19h30min.
Onde: Pousada Portas da Amazônia/ La Pizzeria (Rua do Giz, Praia Grande).
Quanto: R$ 10,00 (entrada).
Maiores informações: clubedochorodomaranhao@gmail.com e/ou ricochoro@hotmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís e Rádio Universidade FM.
Parceria: JL Music Studios e Solar Consultoria.

A ceia dos excluídos no Arthur Azevedo

25 setembro 2009
Memórias da última ceia: arte engajada. Cartaz. Reprodução

Memórias da última ceia: arte engajada. Cartaz. Reprodução

Memórias da Última Ceia é o espetáculo que a Companhia de Dança Olinda Saul apresenta dias 26 e 27 de setembro, às 20h, no Teatro Arthur Azevedo, com roteiro de Cesar Teixeira, coreografia de Hélio Martins e direção geral de Olinda Saul. No elenco, 23 jovens oriundos do Projeto Dança Criança, que atende alunos de escolas públicas da periferia de São Luís.

O balé contará com a participação especial dos atores Auro Juriciê e Silvana Cartágenes, interpretando personagens emblemáticos do lixão, além do bailarino e coreógrafo Hélio Martins e da pequena Alicia Saul. “Nosso maior objetivo é despertar o interesse das novas gerações de artistas, bailarinos, estudantes e da juventude em geral pelas questões sociais e ambientais”, explica Olinda Saul.

Cesar Teixeira diz que o espetáculo foi inspirado no poema Lixopping e na música Shopping Brazil, ambos de sua autoria,  e busca chamar a atenção para um problema social que a cada dia se agrava no Brasil: a miséria de uma parcela da população que, para sobreviver, depende dos lixões existentes nas zonas urbanas.

“Trata-se de um balé que mostra a realidade dos lixões brasileiros, onde a fome e a miséria não estabelecem diferença entre bichos e seres humanos. É uma fratura exposta”, ressalta.

A montagem refaz a rotina existente em torno de um grande monte de lixo para onde afluem diariamente pessoas e bichos que disputam os dejetos. Um conflito se estabelece entre os tiranos do lixão e seus habitantes, que são manipulados como marionetes, mas buscam a liberdade através de uma insurreição para garantir o espaço conquistado.

Drama social – Conforme a UNICEF, 45 mil crianças e adolescentes brasileiros vivem da garimpagem do lixo, distantes do lazer e das escolas. Por isso, em 16 de junho de 1999, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) lançou a campanha “Criança no Lixo, Nunca Mais”, acreditando que até 2002 esta situação seria revertida.

Infelizmente, isso não aconteceu. A população dos lixões aumentou, juntamente com o desemprego e a situação de penúria de 33 milhões de brasileiros que, segundo a Fundação Getúlio Vargas, vivem abaixo da linha da pobreza.

Por essa razão, a degradação ambiental e o drama dos que dependem do lixo para sobreviver há muito vem motivando não só organizações civis e religiosas, mas também diversos setores dedicados à arte, a enfrentarem criticamente o problema. É o caso dos artistas que se reuniram para encenar Memórias da Última Ceia.

O espetáculo busca sensibilizar a opinião pública para a problemática social dos lixões, como forma de estimular debates em torno do tema, denunciando o processo de negação da cidadania no Brasil e nos países do Terceiro Mundo, penalizados com a globalização espúria da economia.

A coreógrafa Olinda Saul, que desenvolve o Projeto Dança Criança desde 1996, para atender alunos carentes, decidiu adotar o tema pela dimensão social que incorpora, e também para dar oportunidade aos jovens que integram o projeto de vivenciarem no palco cenas que alguns deles conhecem tão bem, mostrando que é possível ter esperança.

“São realizações como esta que permitem crianças e adolescentes do nosso estado resgatar a sua cidadania pela dança”, enfatiza Olinda Saul.

Sinopse – O espetáculo inicia quando um novo descarregamento mobiliza urubus e cães, que são expulsos pelos catadores de lixo, que recolhem roupas para vestir, abandonando ali seus trapos. Festejam as novidades com uma alegre orgia, interrompida por um personagem que sai de dentro do monturo: o Rei do Lixo, com seu manto feito de detritos industriais.

Esse personagem representa os Estados conservadores do Terceiro Mundo, submissos ao capitalismo internacional. Uma pessoa rebelada tenta e não consegue matar o rei, que manda prendê-la. Um representante do governo federal surge para decretar a privatização do monte de lixo e “resolver a questão” colocando-o à venda, o que provoca uma rebelião geral que reúne pessoas e bichos.

É organizada uma passeata visando envolver a opinião pública, onde se gritam as palavras de ordem: “O lixo é nosso!”

SERVIÇO

Memórias da Última Ceia

Elenco: Alyson Trindade, Carolina Barbosa, Dariel Novack, Eduardo Mello , Eleomar Durans, George Nascimento, Iara Teixeira, Janaina Martins, Jéssica Marieta, Joel Farias, Katiane Jardim, Luiza Gomes, Marlon Aspin, Monalisa Rubi, Richardson Araújo, Roberta Gamboa, Thaís Augusta, Sanndy Brandão, Suelma Cutrim, Thalita Alves, Thayna Alves, Thiago Gomes, Wanderson Mendes. Participação Especial: Hélio Martins (como Rei do Lixo), Alicia Saul, Silvana Cartágenes e Auro Jurassiê.

Dias 26 e 27 de setembro
Local: Teatro Arthur Azevedo
Hora: 20h
Ingresso (preço único): R$ 20,00

Choro Pungado e Cláudio Lima no Clube do Choro Recebe

25 agosto 2009

Grupo instrumental e cantor desfilarão seus talentos na 92ª. edição do sarau musical.

João Neto (flauta), Luiz Cláudio (percussão), Luiz Jr. (violões de seis e sete cordas e viola caipira), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho) e Rui Mário (sanfona) formam o Choro Pungado, um dos mais inventivos grupos da cena choro ludovicense, cuja principal proposta musical é a mescla do mais brasileiro de todos os gêneros – o choro – com os diversos ritmos e sotaques da cultura popular do Maranhão.

O cantor maranhense Cláudio Lima revisitará o repertório de seus discos e apresentará novidades no Clube do Choro Recebe

O cantor maranhense Cláudio Lima revisitará o repertório de seus discos e apresentará novidades no Clube do Choro Recebe

O maranhense Cláudio Lima é cantor, dono de interpretação personalíssima. Tem reinventado criações de grandes compositores brasileiros em seus dois discos: Cláudio Lima e Cada mesa é um palco, ambos com projeto gráfico assinado pelo próprio artista, também competente designer de formação – são dele, entre outros, os projetos gráficos dos discos de Flávia Bittencourt, Sentido e Todo Domingos, recém-lançado.

No primeiro disco, Cláudio Lima apoiou-se em bases eletrônicas e deu nova roupagem a clássicos da música brasileira, como Dente de ouro (Josias Sobrinho), O samba é bom (Antonio Vieira), Olhos coloridos (Macau) e Deixar você (Gilberto Gil), entre outros. Na estreia do cantor, está também a primeira gravação do choro Ray ban (Cesar Teixeira), ali registrada com ar bluesy. O segundo disco tem título retirado de um verso da música Bis (Cesar Teixeira), que tem o ar abolerado, “fossa nova”, que permeia todo o disco, dividido com o pianista baiano Rubens Salles, onde ouvem-se também temas de Tom Zé, Herivelto Martins, Luiz Gonzaga, Tom Jobim, Ângela Ro Ro e Bruno Batista, entre outros.

Acompanhado do Choro Pungado, Cláudio Lima apresentará alguns destes temas já gravados em seus discos, revisitará clássicos da música nacional e internacional e fará algumas surpresas ao público presente. Um acidente doméstico havia impedido sua participação no Clube do Choro Recebe, anteriormente. Neste sábado (29), Cláudio Lima finalmente sobe ao palco do já tradicional sarau musical como convidado – na primeira vez, ele fez uma participação especial no show de Bruno Batista quando então se formou o Choro Pungado, à época batizado Quartetaço.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Autêntico Chopp de Vinho e Rádio Universidade FM e parceria de JL Studios e Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 92ª. edição.
Quem: o grupo Choro Pungado recebe o cantor Cláudio Lima.
Quando: dia 29 de agosto (sábado), às 19h30min.
Onde: Restaurante Chico Canhoto (Residencial São Domingos, Cohama).
Quanto: R$ 8,00 (entrada).
Maiores informações: pelo telefone [98] 3252-1219 e/ou e-mails ricochoro@hotmail.com, chicocanhoto@ymail.com e/ou clubedochorodomaranhao@gmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís, Autêntico Chopp de Vinho e Rádio Universidade FM.
Parceria: JL Studios e Solar Consultoria.

A aldeia sambista de Lena Machado

7 julho 2009

Lena Machado, acompanhada do Chorando Calado, começa a dar pistas de seu aguardado segundo disco de carreira.

O reencontro do grupo Chorando Calado com a cantora Lena Machado, em palco, previsto para maio passado, acabou adiado pelas chuvas – que ainda teimam em cair sobre a ilha, aqui ou ali. A última vez que João Eudes (violão), Paulinho Sabujá (pandeiro), Wendell Cosme (cavaquinho) e Elton (flauta) se encontraram com a intérprete – cujo segundo disco acaba de ser mixado e masterizado (em Fortaleza/CE) – foi em agosto passado, quando apresentaram, no Clube do Choro Recebe (Restaurante Chico Canhoto, Residencial São Domingos, Cohama), um belo e concorrido Tributo a Clara Nunes, quando a “guerreira” teria completado 65 anos de idade.

Lena Machado mostrará ao público parte do repertório de seu novo disco. Foto: Acervo Rádio Universidade FM. Divulgação

Lena Machado mostrará ao público parte do repertório de seu novo disco. Foto: Acervo Rádio Universidade FM. Divulgação

Lena Machado, que tem feito raras apresentações, dedicada ao processo de finalização do segundo disco da carreira, mostrará parte do repertório de Samba de minha aldeia, o título do trabalho aprovado em edital da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (SECMA) em 2008, que traz composições de nomes como Cesar Teixeira, Josias Sobrinho, Joãozinho Ribeiro, Chico Nô, Ricarte Almeida Santos, Gildomar Marinho, Bruno Batista e Aquiles Andrade, entre outros. O trabalho tem direção musical e arranjos do violonista Luiz Jr. (Choro Pungado) e as gravações foram realizadas em São Luís, nos Estúdios Bagasound.

Entre os instrumentistas arregimentados por Lena Machado e Luiz Jr., figuram nomes como João Neto (flauta), Rui Mário (sanfona), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho), Luiz Cláudio (percussão), Presuntinho (trombone), João Paulo (contrabaixo), Thales do Valle (trompete), entre outros, além das participações especiais de Zé da Velha (trombone) e Silvério Pontes (trompete) em Colher de chá (Patativa), Netinho Albuquerque (pandeiro), Henrique Martins (violão sete cordas) e DJ Franklin (efeitos) em Chorinho de herança (Ricarte Almeida Santos e Chico Nô).

O novo disco de Lena Machado, que será lançado ainda em 2009, realiza um importante intercâmbio: apresenta um panorama musical bastante interessante do Maranhão a bambas cariocas – Zé da Velha e Silvério Pontes são considerados “a menor big band do mundo”, Netinho Albuquerque é percussionista de Flávia Bittencourt e Luiz Melodia e Henrique Martins esteve em São Luís acompanhando o jovem e talentoso sambista Moysés Marques.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Energético Hiro, Honda Gran Line, Rádio Universidade FM e parceria de JL Studios e Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 85ª. edição.
Quem: o grupo Chorando Calado recebe a cantora Lena Machado.
Quando: dia 11 de julho (sábado), às 19h30min.
Onde: Restaurante Chico Canhoto (Residencial São Domingos, Cohama).
Quanto: R$ 8,00 (entrada).
Maiores informações: pelo telefone [98] 3252-1219 e/ou e-mails ricochoro@hotmail.com, chicocanhoto@ymail.com e/ou clubedochorodomaranhao@gmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís, Energético Hiro, Honda Gran Line, Rádio Universidade FM.
Parceria: JL Studios e Solar Consultoria.

Encontro histórico no Clube do Choro Recebe

2 junho 2009

Célia Maria, uma das mais belas vozes do Brasil, se encontra com o Choro Pungado, um dos mais inventivos grupos de choro contemporâneos.

Depois do sucesso das apresentações no Clube do Choro Recebe (em janeiro passado) e no Choro Pungado Convida (sexta-feira passada), Célia Maria volta ao palco do Restaurante Chico Canhoto (Residencial São Domingos, Cohama), templo sagrado da boa música na capital maranhense.

Dos mais inventivos grupos de choro contemporâneos, o Choro Pungado é o anfitrião da 82ª. edição do Clube do Choro Recebe. Foto: Acervo Clube do Choro do Maranhão

Dos mais inventivos grupos de choro contemporâneos, o Choro Pungado é o anfitrião da 82ª. edição do Clube do Choro Recebe. Foto: Acervo Clube do Choro do Maranhão

A exemplo da última sexta-feira, a diva será acompanhada pelo grupo Choro Pungado, uma das revelações da música instrumental no Maranhão e um dos grupos mais inventivos da cena choro no estado. Formado por Luiz Jr. (violões de seis e sete cordas e viola caipira), Luiz Cláudio (percussão), João Neto (flauta), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho) e Rui Mário (sanfona), o grupo tem como principal proposta a mescla do choro com os ritmos da cultura popular do Maranhão – lelê, bumba-meu-boi, tambor de crioula, tribo de índio, cacuriá, entre outros.

O disco homônimo, até aqui, único, lançado por Célia Maria em 2001. Capa. Reprodução.

O disco homônimo, até aqui, único, lançado por Célia Maria em 2001. Capa. Reprodução.

Com apenas um disco gravado, o homônimo Célia Maria (2001), a cantora ainda não teve o devido reconhecimento, apesar de já ter morado diversas vezes no Rio de Janeiro, onde dividiu palcos com Elizeth Cardoso e Cartola, entre outros figurões de nossa música. Com sua voz potente e única, Célia Maria brindará o público presente à sua apresentação com composições de João do Vale, Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro, Antonio Vieira, Bibi Silva, Jorge Ben, Tom Jobim, Chico Buarque, Chico Maranhão e Josias Sobrinho, entre outros.

O Choro Pungado está trabalhando a gravação de seu disco de estreia. A interpretação de Célia Maria para Milhões de uns deu ao compositor Joãozinho Ribeiro o Prêmio Universidade FM 2001, nas categorias melhor música e melhor letra. Seu disco tem arranjos de Ubiratan Sousa, além de sua atuação como músico ao lado de nomes como Toninho Carrasqueira (flautas). Está quase esgotado: restam uns poucos exemplares no Chico Discos (Rua da Cruz, entre Sol e Afogados).

A edição de sábado passado (30/5) do projeto Clube do Choro Recebe não foi realizada por conta das fortes chuvas que caíram sobre São Luís naquela data.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Energético Hiro, Clinimagem, Honda Gran Line, Rádio Universidade FM e parceria de JL Studios e Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 82ª. edição.
Quem: o grupo Choro Pungado recebe a cantora Célia Maria.
Quando: dia 6 de junho (sábado), às 19h30min.
Onde: Restaurante Chico Canhoto (Residencial São Domingos, Cohama).
Quanto: R$ 6,00 (entrada).
Maiores informações: pelo telefone [98] 3252-1219 e/ou e-mails ricochoro@hotmail.com, chicocanhoto@ymail.com e/ou clubedochorodomaranhao@gmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís, Energético Hiro, Clinimagem, Honda Gran Line, Rádio Universidade FM.
Parceria: JL Studios e Solar Consultoria.

Lena Machado de volta ao Clube do Choro

26 maio 2009

Gravando seu segundo disco, Lena Machado retorna ao palco do Clube do Choro Recebe após dez meses do memorável tributo a Clara Nunes.

O último encontro do grupo Chorando Calado com Lena Machado, excetuando-se suas participações em canjas no Clube do Choro Recebe, aconteceu em agosto de 2008, quando a cantora prestou um belo e memorável tributo a Clara Nunes, influência confessa.

Lena Machado volta ao palco do Clube do Choro Recebe

Lena Machado volta ao palco do Clube do Choro Recebe

Desde então, a cantora não se apresentava no palco do sarau semanal (canjas não contam, repita-se) do Clube do Choro do Maranhão, realizado todos os sábados, às 19h30min, no Restaurante Chico Canhoto (Residencial São Domingos, Cohama).

Atualmente ela está gravando seu segundo disco, selecionado ano passado pelo Plano Fonográfico da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (SECMA). Ela explica o trabalho, ainda sem título: “É um apanhado de coisas que gosto de cantar, de compositores do Maranhão, mais voltadas ao samba e ao choro, com algumas surpresas”. Autocrítica sem ser suspeita, completa: “está ficando bonito”.

Entre os compositores gravados, Cesar Teixeira e Joãozinho Ribeiro – que já compareciam como criadores à estreia de Lena, Canção de Vida (2006), disco que celebrou os 50 anos de atuação da Cáritas Brasileira, entidade em que trabalha e que, de certa forma, marca uma continuidade e um reencontro com as origens: Lena Machado se iniciou no canto em atividades ligadas à Igreja Católica. A Cáritas é um organismo da CNBB, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Outros compositores que Lena registra agora são Aquiles Andrade, Bruno Batista, Chico Nô, Gildomar Marinho, Josias Sobrinho e Ricarte Almeida Santos, entre outros.

Parte do repertório do trabalho será mostrada na apresentação de sábado (30), caso de Chorinho de Herança, parceria de Chico Nô e Ricarte Almeida Santos, cuja letra foi composta pelo segundo em homenagem ao falecido pai – que lhe apresentou o choro, até hoje uma de suas maiores paixões – e ganhou música do primeiro, um choro que já é hit no rádio maranhense e no myspace da cantora.

Lena Machado será recebida por João Eudes (violão), Paulinho Sabujá (percussão), Rafael Guterres (cavaco), Osmar do Trombone, Wanderson (percussão) e Elton (flauta), a atual formação do Chorando Calado, grupo jovem de pegada musical vibrante.

O projeto Clube do Choro Recebe tem apoio cultural de TVN São Luís, Energético Hiro, Clinimagem, Honda Gran Line, Rádio Universidade FM e parceria de JL Studios e Solar Consultoria.

SERVIÇO

O quê: Projeto Clube do Choro Recebe – 82ª. edição.
Quem: o grupos Chorando Calado recebe a cantora Lena Machado.
Quando: dia 30 de maio (sábado), às 19h30min.
Onde: Restaurante Chico Canhoto (Residencial São Domingos, Cohama).
Quanto: R$ 6,00 (entrada).
Maiores informações: pelo telefone [98] 3252-1219 e/ou e-mails ricochoro@hotmail.com, chicocanhoto@ymail.com e/ou clubedochorodomaranhao@gmail.com
Apoio Cultural: TVN São Luís, Energético Hiro, Clinimagem, Honda Gran Line, Rádio Universidade FM.
Parceria: JL Studios e Solar Consultoria.