Posts Tagged ‘cáritas brasileira regional maranhão’

Coletiva denunciará violência contra indígenas

17 setembro 2011

Indígenas Awá-Guajá e missionários do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) concedem nesta terça-feira (20), às 8h30min, no Ministério Público Federal (Areinha), entrevista coletiva, onde pautarão a situação de conflito, violência e truculência contra esse povo, invasão da terra por madeireiros, desmatamento da floresta e a omissão da Funai com a situação dos Awá-Guajá.

Recentemente, após ação conjunta do Ibama, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal, os Awá-Guajá tiveram sua aldeia invadida e a base do Cimi no local foi parcialmente incendiada, com um saldo de documentos e arquivos destruídos. A casa só não foi completamente destruída por conta dos próprios indígenas, que impediram a continuação do atentado – no momento, as missionárias do Cimi estavam em uma aldeia vizinha.

O ataque foi uma retaliação dos madeireiros. O clima é tenso na Terra Indígena Caru – área de 170 mil hectares onde vivem 300 indígenas. A retaliação envolveu também violência contra o indígena Awá Kamayru, que até o momento não teve atendimento nem registrou boletim de ocorrência.

A entrevista coletiva é organizada pelo CIMI, Comissão de Direitos Humanos da OAB/MA,  Comissão Pastoral da Terra (CPT),  Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) e Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Serviço

O quê: entrevista coletiva.
Quem: indígenas Awá-Guajá ameaçados e violentados e missionários do Cimi.
Quando: terça-feira (20), às 8h30min.
Onde: Ministério Público Federal (Areinha).
Maiores informações: (98) 9615-2529 (Diogo Cabral, CDH-OAB/MA), (98) 8824-8147, 8145-5052 (Alice Pires, Núcleo de Comunicação OAB/MA).

Baile do Parangolé: 32 anos da SMDH

6 fevereiro 2011

Arte: Bruno Galvão

Realizado pela primeira vez em 2010, o Baile do Parangolé chega sábado, 12, às 21h30min, a sua segunda edição. Trata-se de festa carnavalesca que marca o aniversário de 32 anos da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) – fundada nesta data, em 1979, no bojo das lutas pela anistia.

Nesta temporada pré-carnavalesca de 2011, o Baile do Parangolé mudou de endereço, esperando abrigar um público ainda maior que o de sua primeira edição, com conforto e segurança. Será seu palco o Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande).

A Banda do Parangolé foi formada exclusivamente para a ocasião, reunindo “feras da mais alta periculosidade instrumental”, como salientou o sociólogo e radialista Ricarte Almeida Santos no Chorinhos e Chorões de domingo passado (6); Antonio Paiva (contrabaixo), Arlindo Carvalho (percussão), Fleming (bateria), Hugo Barbosa (trompete), João Soeiro (violão), Juca do Cavaco, Nelma Carafunim (saxofone) e Osmar do Trombone.

Grupo para ninguém botar defeito, as estrelas da noite idem: Cesar Teixeira, autor do coco que empresta nome ao baile, Joãozinho Ribeiro, sócios da SMDH, Lena Machado e Rosa Reis – todos, artistas de reconhecimento nacional.

As camisas para o Baile do Parangolé custam R$ 40,00 (unidade) e R$ 30,00 (preço promocional para quem comprar a partir de duas). Podem ser adquiridas nas sedes da SMDH (Av. Castelo Branco, 697, Altos, São Francisco) e União por Moradia Popular (Rua dos Afogados, 554, Centro) e na Livraria Poeme-se (Rua João Gualberto, 52, Praia Grande).

Personagens – Conheça um pouco da história de quem faz o 2º. Baile do Parangolé.

A SMDH – A Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) foi fundada em 12 de fevereiro de 1979 – à época com um D a mais na sigla, de “defesa”. Entidade da sociedade civil de natureza pública, espaço político de denúncia contra o arbítrio e a violência, tão comuns durante a ditadura militar, quando de sua fundação. Mobilização popular, educação de base e formulação de denúncias de violações de direitos foram, desde sempre, suas estratégias de atuação.

Cesar Teixeira – Jornalista, poeta, compositor, artista plástico. Foi assessor de comunicação da SMDH entre 1989 e 2002. É sócio da entidade, da qual já integrou o Conselho Consultivo. Lançou, em 2004, Shopping Brazil, seu único disco. Autor de clássicos da música produzida no Maranhão, tem sua obra gravada sistematicamente desde a década de 1970. Atualmente é coordenadora editorial do jornal Vias de Fato.

Joãozinho Ribeiro – Bacharel em Direito, especialista em Direitos Autorais. Funcionário público, é técnico da Receita Federal. Poeta, publicou em 2006 o livro Paisagem feita de tempo (Ed. do autor). É um dos compositores mais gravados do Maranhão, tendo vencido em 2001 o Prêmio Universidade FM, com seu choro Milhões de uns, interpretado por Célia Maria. Ex-secretário de Estado da Cultura, foi coordenador executivo da II Conferência Nacional de Cultura (MinC).

Lena Machado – Assessora da Cáritas Brasileira Regional Maranhão estreou em disco em 2006 com Canção de Vida, que celebrou os 50 anos de atuação da entidade no Brasil. No ano anterior, participou, ao lado de Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Gildomar Marinho, do show que festejou os 26 anos da SMDH. Ano passado lançou, com músicas destes e outros compositores maranhenses, Samba de minha aldeia, elogiado entre outros por Nelson Motta.

Rosa Reis – Coordenadora do Laboratório de Expressões Artísticas do Maranhão (Laborarte), pesquisadora da cultura popular do Maranhão. Cantora que valoriza estes elementos em seu trabalho, tem vários discos gravados, o mais recente Brincos (Funarte, 2009), no qual realiza um apanhado de clássicos da música do Maranhão nas últimas quatro décadas.

Bruno Galvão – Artista plástico, assina a identidade visual do 2º. Baile do Parangolé. Somou seu talento ao aprendizado em cursos de desenho e artes nos centros de Cultura Negra (CCN/MA) e de Criatividade Odylo Costa, filho (CCOCf), em São Luís. integra o coletivo Nagô, que assina diversos painéis em grafite na Ilha. Realizará em breve sua primeira exposição individual.

Serviço

Seminário discutirá eventos de enchentes e secas no Maranhão

17 janeiro 2011

Iniciativa do Comitê de Monitoramento das Políticas Voltadas às Vítimas das Enchentes no Maranhão acontece quarta-feira no Sindicato dos Bancários

As enchentes que ora se abatem sobre o Rio de Janeiro não deviam ser tratadas como evento de emergência. Tragédia anunciada, leva a população, o poder público e os meios de comunicação a buscar culpados. As cenas de destruição – de moradias, cidades e vidas – vem se repetindo, ano a ano. E não são exclusividade carioca. Ou da Região Sudeste.

O Comitê de Monitoramento das Políticas Voltadas às Vítimas das Enchentes no Maranhão realiza, no próximo dia 19 de janeiro (quarta-feira), a partir das 8h, o Seminário “Maranhão no aperreio: a dificuldade do povo nos eventos de enchentes e secas”, no Sindicato dos Bancários (Rua do Sol, 413/417, Centro). Inscrições e maiores informações pelos telefones (98) 3231-1601 e 3231-1897 e/ou e-mail smdh@terra.com.br

O seminário objetiva discutir as perspectivas de preparação do governo para o já iniciado período de chuvas e suas consequências, assim como discutir os recorrentes eventos de secas e enchentes que se revezam anualmente, fragilizando cada vez mais a população do Estado, particularmente moradores/as das zonas rurais e periferias urbanas. O nome é inspirado no documentário Aperreio, de Doty Luz e Humberto Capucci, realizado a partir de encomenda do Comitê, com apoio da Oxfam, que também apoia a realização do Seminário. Aperreio foi recentemente premiado como melhor documentário, no Curta Carajás, no Pará.

Associação Agroecológica Tijupá, Cáritas Brasileira Regional Maranhão, Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, MST e União por Moradia Popular estão entre as organizações que compõem o Comitê. Veja a seguir, a programação completa do seminário.

PROGRAMAÇÃO

Dia 19 de janeiro (quarta-feira)

8h30min – Abertura: boas vindas aos participantes e apresentação da proposta do Seminário (Representantes do Comitê de Monitoramento das Políticas Voltadas às Vítimas das Enchentes do Maranhão)

9h – Painel I: Cenários de mudanças climáticas (enchentes e secas) no Maranhão e a previsão da atuação do Governo. Palestrantes: Márcio Eloi (Meteorologista do Laboratório de Meteorologia do Núcleo Geoambiental da Universidade Estadual do Maranhão), Cel. Marcos Sousa Paiva (Coordenador da Defesa Civil Estadual do Maranhão), Júlio César Correia (Superintendente da Defesa Civil de São Luís), Francisco de Assis Castro Gomes (Secretário de Estado de Desenvolvimento Social), Francisco José de Moraes Alves (Superintendente Estadual do Banco do Nordeste) e Conceição Andrade (Secretária Estadual de Desenvolvimento Agrário do Maranhão).

11h – Debate

12h – Intervalo: almoço

14h – Apresentação cultural

14h15min – Exibição do Documentário Aperreio

14h40min – Painel II: Perspectivas de atuação da sociedade civil frente aos próximos cenários de mudanças climáticas. Palestrantes: Elenita Almeida (Coletivo de Mulheres Trabalhadoras Rurais / Comitê de Monitoramento das Políticas Voltadas às Vítimas das Enchentes do Maranhão), Ermelinda Maria Dias Coelho (Fórum Maranhense de Segurança Alimentar e Nutricional), Raimundo César Martins (Fórum de Direitos Humanos do Maranhão) e Francisco Sales (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Estado do Maranhão).

16h – Debate

16h30min – Planejamento do enfrentamento dos eventos climáticos em 2011 (Momento reservado às organizações que compõem o Comitê)

17h30min – Encerramento

Nota de pesar e solidariedade

16 dezembro 2010

Faleceu na noite de ontem (15), de falência múltipla dos órgãos, o senhor Manoel Machado, funcionário público aposentado, aos 70 anos recém-completados (2/11).

Seu corpo está sendo velado em sua residência, na Rua 6, Casa 11, Conjunto Cohab Anil 3. O sepultamento acontecerá às 16h, no Cemitério Jardim da Paz (Estrada de Ribamar).

Manoel Machado é irmão de Lucineth Cordeiro Machado, ex-secretária executiva da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, hoje assessora da instituição no Estado.

A Cáritas Brasileira Regional Maranhão solidariza-se com os familiares e amigos de Manoel neste momento de pesar e dor. Que, na proximidade do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, Deus lhes apresente o conforto necessário diante de tão inestimável perda. Que lhes fiquem na memória as boas lembranças de Seu Manoel.

Aproveitamos o ensejo para desejar a todos um Natal de paz e um ano novo de esperança e fé!

Cáritas Brasileira Regional Maranhão

Cáritas celebra 54 anos no 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca

9 novembro 2010

Arte de Zema Ribeiro

Festival tem início hoje (10) e vai até dia 12 (sexta-feira), data em que a Cáritas Brasileira completa 54 anos de atuação no País.

A Rede Mandioca atualmente articula mais de 70 grupos, comunidades e associações de produtores, fazendo-se presente em cerca de 35 municípios, em todas as regiões do Maranhão. Entre as premissas de sua Carta de Princípios, documento discutido e aprovado em plenárias estaduais, está a valorização da cultura da mandioca, elemento bastante importante na mesa do maranhense.

A Rede Mandioca e a Cáritas Brasileira Regional Maranhão realizam, entre hoje (10) e sexta-feira (12), em São Luís, o 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca. O evento integra a programação da Semana Nacional da Solidariedade, que celebra em todo o Brasil, os 54 anos de atuação da Cáritas no país. O organismo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil integra a rede Caritas Internationalis, presente em cerca de 200 países.

O Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho e a Praça Valdelino Cécio, ambos na Praia Grande, abrigarão as atividades ao longo dos três dias de festival: atividades de formação (debates, seminários, palestras), feira (comercialização da produção de grupos e associações filiadas à Rede Mandioca) e atividades culturais (shows musicais) compõem a programação.

Armando a Rede – A Rede Mandioca surgiu em 2004, inspirada em outras experiências bem sucedidas de articulação em rede, pautadas nos princípios da economia popular solidária. Sua área de atuação é o estado do Maranhão, embora vez por outra, dialogue com experiências em outros estados. A Cáritas Brasileira Regional Maranhão responde pela assessoria técnica à articulação.

Foi durante um encontro de planejamento da Cáritas, aliás, que surgiu a ideia de articular em rede, produtores, não só de mandioca: a Rede Mandioca congrega também artesãos, criadores de pequenos animais, extrativistas e agricultores, entre outros. O 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca terá representantes de todas as regiões do Maranhão. Veja a seguir sua programação completa.

Programação

Dia 10 (quarta-feira): 16h: Abertura oficial do 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca > Lançamento da nova logomarca da Rede Mandioca > Feira (Praça Valdelino Cécio) > 19h: Show de Chico Nô (Praça Valdelino Cécio).

Dia 11 (quinta-feira): Seminário Estadual sobre Produção, Beneficiamento, Comercialização e Consumo Ético Solidário (Auditório Rosa Mochel, Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho). 9h: Mesa: Produção e beneficiamento da produção agroecológica (Rede de Agroecologia do Maranhão/RAMA, Associação em Áreas de Assentamento no Estado do Maranhão/ASSEMA, Associação dos Trabalhadores(as) Rurais da Comunidade de Cantos dos Bois/Vargem Grande/MA) > 10h30min: Mesa: Fundos Rotativos (Clarício dos Santos Filho/BNB/ETENE) > 15h: Feira (Praça Valdelino Cécio) > 19h: Show: Forró Pé no Chão de Seu Raimundinho (Praça Valdelino Cécio).

Dia 12 (sexta-feira): 10h30min: Mesa: Comercialização e Consumo Ético Solidário (Instituto Marista de Solidariedade/IMS, Companhia Nacional de Abastecimento/Conab, Cooperativas dos Trabalhadores Agroextrativistas de Vargem Grande/Coopervag, FNDE/PNAE) (Auditório Rosa Mochel, Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho) > 15h: Feira (Praça Valdelino Cécio) > Show: Cesar Teixeira (Praça Valdelino Cécio).

SEMANA DA SOLIDARIEDADE

POR DOM DEMÉTRIO VALENTINI*

O mês de novembro sempre evoca a Cáritas. Não é por menos. Ela faz aniversário no dia 12, lembrando sua fundação em 1956, por obra e graça de Dom Helder Câmara. No mês do seu aniversário, para festejá-lo bem, a Cáritas Brasileira promove a Semana da Solidariedade, tendo o dia 12 como referência para definir seu calendário.

Neste ano, a Semana da Solidariedade faz apelo a duas circunstâncias, ambas especiais, e que interpelam a Cáritas. A primeira é a importante definição política que o País acaba de realizar, com o término das eleições, que dessa vez foram amplas e gerais.

Definidos os comandos políticos, nas esferas nacional e estadual, sejam quais forem as composições resultantes, uma constatação salta aos olhos: o governo sozinho nunca resolverá todos os problemas do povo. Sempre haverá necessidade de iniciativas e de participações, que superam as restritas obrigações legais e apelam para a solidariedade.

A solidariedade não precisa ser eleita, mas sim reconhecida, incentivada, organizada e assumida. Ela motiva a cidadania, que lhe aponta as urgências prementes, dando-lhe os contornos definidos; oferece ao Estado os seus préstimos, que acabam viabilizando uma administração pública com plenas garantias de estar a serviço das verdadeiras causas do governo, é sempre bem-vinda, sempre tem seu lugar, sempre contribui com valores que passam a ser melhor integrados nos relacionamentos sociais, econômicos, políticos e culturais.

Semente fecunda – A outra circunstância especial da Semana da Solidariedade desde ano é o Prêmio Odair Firmino, criado recentemente e que terá o seu primeiro ganhador nessa ocasião. O nome lembra a pessoa que todos recordam com saudade e admiração Odair Firmino. Ele esteve décadas ligado à Cáritas, deixando um inequívoco testemunho de humanidade, respeito, competência e identificação com os ideais dessa instituição. Odair foi a pessoa que todos gostariam de ter como companheiro de luta, como amigo de todas as jornadas, como figura a inspirar otimismo e confiança.

Realmente não podia ter sido escolhido nome mais adequado do que este, que recorda uma presença inesquecível para a Cáritas Brasileira. O objetivo do Prêmio Odair Firmino é incentivar a consolidação das Cáritas Diocesanas e impulsionar o surgimento das Cáritas Paroquiais, conforme meta estabelecida na última Assembleia da Cáritas Brasileira.

Enfim, cada vez mais se comprova que a semente fecunda da solidariedade encontra chão propício no seio das comunidades próximas à vida do povo, às paróquias, com suas ramificações comunitárias.

Neste chão, a solidariedade encontra mais facilmente condições propícias para a gratuidade, que enobrece sobremaneira a solidariedade e lhe dá o sabor especial da caridade consciente, atenta e organizada, permitindo iniciativas que dão motivações novas para as comunidades, despertando-as para a participação social adulta e comprometida.

A Semana da Solidariedade, com a concessão do Prêmio Odair Firmino, certamente deixará marcas especiais neste ano que tem muito de especial para a nossa realidade brasileira.

*Dom Demétrio Valentini é bispo de Jales (SP) e presidente da Cáritas Brasileira. Artigo originalmente publicado na Revista Família Cristã nº. 76, de novembro/2010.

Confira a programação do 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca

4 novembro 2010

Mais detalhes em breve.

Cáritas recebe inscrições para o Prêmio Odair Firmino até o dia 30

21 setembro 2010

Primeira edição do prêmio tem como tema “As mudanças climáticas e a vida no planeta”

POR ZEMA RIBEIRO
ASSESSOR DE COMUNICAÇÃO DA CÁRITAS BRASILEIRA REGIONAL MARANHÃO

Com o objetivo de estimular ações de disseminação e divulgação da cultura da solidariedade, e integrando a programação da Semana da Solidariedade, que acontecerá em todo o Brasil entre os dias 5 e 12 de novembro, a Cáritas Brasileira está recebendo, até 30 de setembro, inscrições para o Prêmio Odair Firmino de Solidariedade.

O homenageado

Goiano de Ipameri, Odair Firmino (foto) estudou filosofia e teologia, tornando-se frei franciscano em 1972. Mudou-se para Brasília em 1984, quando ingressou na Cáritas Brasileira como assessor técnico. Foi secretário nacional e por duas vezes vice-presidente da entidade. Faleceu no dia 5 de julho de 2008.

Prêmio – A primeira edição da iniciativa do organismo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) tem como tema “As mudanças climáticas e a vida no planeta”. Através do Prêmio Odair Firmino, a Cáritas Brasileira busca também incentivar a formação de novas e recompensar experiências coletivas e solidárias de atividades produtivas que promovam a diversidade das culturas locais e das identidades, com atenção para as questões de gênero, raça, etnia e geração, bem como a recuperação de áreas degradadas pelos impactos ambientais e pelo uso inadequado dos recursos naturais.

Experiências que dão destinação pós-consumo de produtos e embalagens, que atuam com educação ambiental, com minimização de entradas e saídas do processo produtivo, com reciclagem, com responsabilidade sobre o ciclo de vida dos produtos e serviços e, ainda, promovam o consumo ético e solidário na perspectiva da mudança de padrões de comportamento que viabilizam novas relações entre produção, consumo e natureza também podem ser inscritas no Prêmio.

As experiências vencedoras receberão troféus e prêmios em dinheiro: R$ 10 mil para o primeiro lugar; R$ 5 mil para o segundo; e R$ 3 mil para o terceiro. Regulamento, maiores informações e ficha de inscrição podem ser acessados no blogue do Prêmio Odair Firmino, no endereço http://www.premioodairfirmino.wordpress.com; os projetos devem ser encaminhados para o e-mail premioodairfirmino@caritas.org.br (Com informações da Assessoria de Comunicação do Secretariado Nacional da Cáritas Brasileira).

Clique para acessar o blogue do Prêmio Odair Firmino de Solidariedade

Lideranças populares recebem formação para o combate à corrupção eleitoral e administrativa

17 maio 2010

Cerca de 30 agentes de diversas regiões do Maranhão participaram de atividade de formação em São Luís semana passada.

Cerca de 30 lideranças populares de diversas regiões do Estado do Maranhão participaram nas últimas quinta (13), sexta e sábado, do Curso de Formação em Políticas Públicas e Combate à Corrupção Eleitoral e Administrativa, promovido pela Cáritas Brasileira Regional Maranhão na Casa das Irmãs de São José de São Jacinto, no Filipinho, em São Luís.

“O curso integra um plano de formação continuada, não é uma ação isolada. 2010 é ano emblemático, pois é ano de eleições. Estes agentes que participam deste momento de formação atuam como multiplicadores nos municípios e dioceses onde moram e atuam”, explicou Ricarte Almeida Santos, secretário executivo da Cáritas Brasileira Regional Maranhão e coordenador do curso.

A programação do curso buscou mostrar as relações entre corrupção e o modelo de desenvolvimento vigente no estado: a implantação dos grandes projetos legitimada pela propaganda institucional do governo nos meios de comunicação de propriedade da oligarquia que há aproximadamente 45 anos governa o Maranhão – com uma brevíssima interrupção – busca fazer crer que esta é a única solução. Assim, o curso também orientou os presentes ao exercício do controle social de políticas públicas.

Lei 9840 – Primeira lei de iniciativa popular aprovada no Brasil, a lei 9840 foi alvo de debates durante o curso de formação. Os agentes Cáritas perceberam que qualquer cidadão ou cidadã pode ser um fiscal durante as eleições, formulando e fornecendo denúncias à justiça eleitoral.

Quase todos os participantes do curso têm histórias ou conhecem quem as conte acerca da parcialidade da justiça eleitoral nos municípios. Não foram poucos os relatos de que juízes e promotores, às vezes, não fazem o menor esforço para coibir atos de corrupção como a compra de votos. “Cheguei a dizer ao promotor: ‘olha, naquela casa uma candidata está distribuindo telhas, tijolos, notas de combustível e dinheiro’; ele me disse que não tinha nenhum carro para ir até lá e ficou por isso mesmo”, contou um dos cursistas.

As Cáritas Diocesanas e Arquidiocesana receberam cartilhas do Movimento de Combate à Corrupção para suas atividades de formação e multiplicação. A elaboração de informativos e a formação de comitês locais de combate à corrupção eleitoral e administrativa foram eleitas como prioridade pelos presentes.

Redação: Zema Ribeiro, assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão

Fundada Cáritas Arquidiocesana de São Luís

11 maio 2010

Assembleia foi realizada em sala de reunião da Igreja da Sé, em São Luís.

A Rede Cáritas no Brasil ganhou uma nova entidade-membro hoje, 11: na capital maranhense foi fundada a Cáritas Arquidiocesana de São Luís. A assembleia de fundação aconteceu pela manhã, na sala de reuniões da Igreja da Sé, sede da Arquidiocese.

22 pessoas participaram do ato entre representantes de paróquias e pastorais sociais da arquidiocese, membros do Secretariado Regional da Cáritas no Maranhão, coordenador arquidiocesano das pastorais sociais e convidados.

A assembleia reunida teve como pautas o aprofundamento da missão, princípios e diretrizes da Cáritas no Brasil,  histórico da ação Cáritas na arquidiocese, discussão de seu regimento, discussão e aprovação do estatuto, além do debate sobre critérios e indicação de nomes para a composição da nova entidade-membro.

Membros da diretoria eleita. A presidenta Terezinha Moura é a segunda da esquerda para a direita

Presidenta do Conselho da Cáritas no Maranhão, Terezinha Moura foi eleita presidenta da Cáritas Arquidiocesana de São Luís, para um mandato de dois anos. Zeni Pinheiro é sua vice. “A fundação de uma Cáritas Arquidiocesana, além de ser um marco histórico, é um grande desafio, considerando o quadro de desigualdades e problemas sociais que se apresentam na região metropolitana”, afirmou a presidenta recém-empossada.

Desenvolvimento local sustentável em discussão na III Plenária Estadual da Rede Mandioca

28 abril 2010

Durante o evento foi lançado edital para contratação de três técnicos em agropecuária para acompanhamento aos membros da Rede, assessorada pela Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Aproximadamente 100 lideranças comunitárias rurais participaram da III Plenária Estadual da Rede Mandioca, realizada entre os dias 22 e 24 de abril, no Auditório Raimundo F. Araújo, do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Barra do Corda/MA. Os presentes representavam os 69 grupos, comunidades e associações filiados à Rede, já presente em 24 municípios maranhenses: Alto Alegre do Pindaré, Araioses, Bacabal, Balsas, Barra do Corda, Brejo de Areia, Buriticupu, Bom Jesus das Selvas, Cajapió, Codó, Duque Bacelar, Itapecuru-Mirim, Lago da Pedra, Magalhães de Almeida, Monção, Pedreiras, Penalva, São Luiz Gonzaga, São Mateus, São Bernardo, Trizidela do Vale, Tutóia, Vargem Grande e Viana.

A Rede Mandioca é uma articulação estadual de organizações formais e informais de agricultores e agricultoras familiares que atuam diretamente no cultivo, manejo, beneficiamento e comercialização da mandioca e seus derivados. Sua instituição é reflexo direto da falta de políticas públicas voltadas ao cultivo da mandioca, que integra em cerca de 50% a base alimentar da população maranhense.

Coordenada por um grupo de 14 membros – eleitos na plenária –, sendo dois representantes de cada microrregião maranhense (Baixada, Baixo Parnaíba, Central, Cocais, Mearim, Tocantina, Vale do Pindaré), a Rede Mandioca tem como objetivos estimular junto aos grupos de agricultores e agricultoras sua participação na Rede Mandioca do Maranhão, garantindo maior visibilidade do cultivo, melhorando a qualidade da produção e consequentemente a renda das famílias, buscando sobretudo, viabilizar a comercialização através da Rede nas perspectivas da economia solidária.

Assessor da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, Jaime Conrado fala aos presentes à III Plenária Estadual da Rede Mandioca. Foto: Zema Ribeiro

Durante os três dias foram discutidas e visitadas experiências de desenvolvimento local sustentável. “O propósito das discussões e das visitas é tentarmos construir, de forma coletiva, iniciativas que possam garantir a sustentabilidade das futuras gerações de forma responsável”, afirmou Jaime Conrado de Oliveira, Assessor da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, instituição responsável pelo apoio e assessoria à Rede Mandioca.

O professor Wagner Cabral, do Departamento de História da Universidade Federal do Maranhão, contribuiu com reflexões acerca da relação entre a pobreza no Maranhão e a implantação dos ditos grandes projetos, diretamente relacionados ao domínio político oligárquico propagandeado e “legitimado” por um discurso político modernizador, violador dos direitos humanos, entre outros aspectos.

Ainda de acordo com o professor, entre 1995 e 2006, de acordo com pesquisa do também professor Marcelo Carneiro, o Maranhão perdeu 259.630 agricultores familiares, que tiveram que deixar suas terras. O percentual representa 24,25% do número total de pequenos produtores rurais do estado.

Edital – A experiência da Rede Mandioca conta com apoio financeiro do Banco do Nordeste, fruto de convênio para a realização da pesquisa “Rede Mandioca: articulação, produção, beneficiamento e comercialização da mandioca em comunidades de baixa renda”, desenvolvida pela Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Durante a III Plenária Estadual da Rede Mandioca foi lançado um edital para a contratação de três técnicos em agropecuária para o projeto “Fortalecimento em arranjos produtivos solidários e autogestionados”. Os profissionais selecionados atuarão no apoio e assessoria técnica a membros da Rede Mandioca.

Edital e maiores informações podem ser solicitados pelo e-mail caritas@elo.com.br, mesmo endereço eletrônico para onde devem ser enviados, até 30 de abril (sexta-feira), os currículos dos interessados em concorrer às vagas.

Redação: Zema Ribeiro, assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Tabuleiros de São Bernardo tem novamente suspenso o fornecimento de energia elétrica

16 março 2010

Associação busca renegociar dívida e encaminhou ofícios à Cemar, DNOCS, Governo do Estado, Ministério da Integração e Presidência da República.

POR ZEMA RIBEIRO*

Magalhães de Almeida/MA – No último dia 11 de fevereiro, a Cáritas Brasileira Regional Maranhão foi procurada, por telefone, pela Associação dos Irrigantes do Perímetro Irrigado Tabuleiros de São Bernardo/MA (Asitasb), em Magalhães de Almeida/MA. Informavam da realização de um manifesto pacífico, contra a ameaça de corte no fornecimento de energia elétrica ao perímetro, onde vivem e produzem 78 famílias de agricultores. Na ocasião, pouco mais de 20 dias haviam se passado da realização do Festival da Melancia, que festejava a produção de 90 hectares da fruta, com produtividade média de 35 toneladas/ha.

A Asitasb possui um débito para com a Companhia Energética do Maranhão (Cemar) de cerca de 200 mil reais, vencidos de outubro de 2009 para cá. A Cemar afirma que a Associação descumpriu acordo firmado e esta informa de um pagamento de 71 mil reais, superior aos 60 mil acordados na ocasião, como entrada. No último dia 9 de março, o corte aconteceu. “Sem energia, as famílias não produzem; sem produção, não há como quitar os débitos”, afirma José Vando da Silva Santos, presidente da Asitasb.

Problemas – Os inúmeros problemas do perímetro irrigado Tabuleiros de São Bernardo, no entanto, não se resumem ao fornecimento de energia elétrica – ou a seu corte. Sua construção – as obras até hoje nunca foram concluídas – teve início em 1988. O perímetro começou a funcionar em 1992, recebendo os primeiros equipamentos apenas em 1999, com a primeira operação só vindo a acontecer em 2002.

O perímetro tem área total de 5.562ha, dos quais apenas 544 são ocupados pelas famílias associadas, cada uma vivendo e plantando em uma área média de 4,2ha. Além de melancia, são plantados atualmente banana, maracujá, goiaba, mamão, coco, feijão e milho, frutas, em sua maioria, e grãos, que dependem de irrigação.

Sem energia – Com o fornecimento de energia elétrica temporariamente suspenso, a água, capturada do Rio Parnaíba, deixa de irrigar as plantações, o que acarreta sérios prejuízos para aqueles agricultores familiares. “A associação cobra dos agricultores, com base em hidrômetros instalados, valores que ajudam na manutenção da associação e no pagamento de outras despesas, como as contas de energia elétrica. Não é suficiente, mas ajuda”, explica José Vando. Um dos problemas que explica, em parte, o atraso no pagamento da energia é que somente pouco mais de 10% do perímetro foi desapropriado pelo governo federal. “A gente paga energia por mais de 5 mil hectares, mas usa mesmo pouco mais de 500”, continua o presidente da Asitasb.

Segundo o Comitê Gestor do Perímetro Irrigado Tabuleiros de São Bernardo, o Governo Federal não tem cumprido sua parte: não implantou os setores restantes e há pelo menos dois anos não repassa recursos para despesas de custeio, conforme prevê o convênio PGE 12/2005. Por outro lado, a Asitasb não consegue pagar a conta de energia elétrica da estação de bombeamento principal: uma manobra do DNOCS, em 2006, trocou sua razão social pela da associação, conforme ata da 58ª. reunião do citado Comitê Gestor. Em março de 2009 o perímetro já havia experimentado a suspensão no fornecimento de energia elétrica: durou sete meses e acarretou perda total da produção.

A associação quer que o Governo do Estado assuma o pagamento das contas de energia elétrica por um ano, e neste sentido já encaminhou documento à governadora Roseana Sarney. Para José Vando “também é necessário discutir o uso da subestação do perímetro, instalada pelo governo federal e usada pela Cemar para fornecer energia a sete municípios da região [São Bernardo, Magalhães de Almeida, Tutóia, Araioses, Santana do Maranhão, Santa Quitéria e Paulino Neves]. O que a Cemar pode nos oferecer em contrapartida?”, pergunta-se.

Em nota encaminhada por e-mail à Cáritas Brasileira Regional Maranhão, a Cemar afirma que “os ativos do sistema elétrico (subestações, linhas e redes de distribuição etc.) na área de concessão, pertencem à União”.

Na mesma nota a companhia afirma estar “à disposição da Asitasb no sentido de renegociar o pagamento das contas em atraso” e “que todos os prazos previstos na legislação foram rigorosamente cumpridos antes de haver a interrupção do fornecimento”. A Cemar recomendou ainda que o DNOCS e o Governo do Estado fossem procurados para que se posicionem sobre seus níveis de responsabilidade.

Reivindicações – A Asitasb encaminhou ontem (15) ofícios ao DNOCS, Governo do Estado, Ministério da Integração Nacional e Presidência da República. Entre as propostas contidas nos documentos estão a contratação de assistência técnica para os perímetros públicos irrigados do DNOCS (o que é previsto em lei); agilização na tramitação de processos administrativos que envolvam recursos financeiros com prazos e limites para aplicação; revisão do orçamento previsto para 2010, por parte do Ministério da Integração e DNOCS; e atualização dos diagnósticos dos perímetros irrigados, entre outras.

A Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) prevê a recuperação da infraestrutura básica e dos equipamentos hidromecânicos e conclusão da obra do projeto Tabuleiros de São Bernardo entre suas propostas de projetos estruturantes para o Maranhão no setor de agricultura e pesca, que integra o plano regional de desenvolvimento do Nordeste, nos anos de 2010 e 2011. Recursos federais da ordem de 36 milhões de reais estão previstos para tal.

*ZEMA RIBEIRO é assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão. Escreve no blogue http://www.zemaribeiro.blogspot.com

Comunidade constroi e inaugura novas casas

22 fevereiro 2010

Lago da Pedra/MA: Em Nova Unha de Gato, com recursos solidários e em regime de mutirão, comunidade inaugurará casas que construiu. 73 unidades habitacionais diminuirão o déficit gerado pelas enchentes desde 2008. Moradores foram assessorados pela Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Comunidade inaugurará 73 casas construídas em regime de mutirão

2008: 206 casas são destruídas pelas enchentes no povoado Unha de Gato, em Lago da Pedra/MA, distante 310km da capital – a comunidade fica a 45km da sede. O rompimento de diversos açudes na região tornou a tragédia ainda maior: a força da água ia destruindo o que encontrava pela frente. Além das casas – o número representa a quantidade que havia no povoado –, as famílias também perderam bens. Apesar da tragédia, os moradores dão graças a Deus pela não-ocorrência de óbito.

2009: a cena se repete. Novas enchentes assolaram o Maranhão. Moradores de Unha de Gato já habitavam casas “remendadas” que não resistiram à nova investida das águas.

2010: após uma campanha liderada pela Cáritas Brasileira e o trabalho árduo em regime de mutirão, 73 casas de alvenaria e uma casa de farinha serão inauguradas neste sábado (27), em outra área, que está sendo chamada de Nova Unha de Gato. A nova área fica no alto, livre do risco de enchentes. As atividades do dia celebrativo, que incluirá celebração ecumênica, almoço e apresentações musiculturais, terão início às 10h e se estenderão até a noite.

213 mil reais foram empregados na construção das residências – aproximadamente R$ 2.917,00 por unidade –, recursos angariados pela Cáritas através de projetos junto à Catholic Relief Services (CRS) do Brasil, e acessados da campanha nacional SOS Norte Nordeste 2009, administrados pela Cáritas Brasileira e Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), organismos da Igreja Católica.

Além do regime de mutirão em que a comunidade se inseriu – o que certamente barateou os custos finais – algumas campanhas locais foram realizadas: “um comerciante dava um saco de cimento, outro uma carrada de barro, outro não sei quantos tijolos”, contam os moradores.

“É claro que essas 73 casas não atendem a demanda toda, afinal o povoado inteiro foi atingido. Mas é o que conseguimos por enquanto e isso foi uma forma também de exercitar a solidariedade. Para se ter uma ideia, seriam 72 casas e eles resolveram abrir mais uma janela em cada uma para que a sobra de material erguesse outra casa”, conta, emocionada, Lucineth Machado, assessora da Cáritas Brasileira Regional Maranhão que tem acompanhado mais de perto as ações emergenciais.

A comunidade, assessorada pela Cáritas, está estudando editais e projetos que possam assegurar a construção de mais 133 unidades habitacionais, de forma a zerar o déficit provocado pela tragédia naquele local – estas famílias permanecem na Unha de Gato original, sob o iminente risco de novas tragédias. O poder público municipal, até aqui ausente de todo o processo, anunciou a construção de uma escola no povoado, para a qual serão destinados recursos da ordem de 280 mil reais.

SERVIÇO

O quê: inauguração de 73 casas e casa de farinha em Nova Unha de Gato.
Onde: Comunidade Nova Unha de Gato, em Lago da Pedra/MA.
Quando: dia 27 de fevereiro (sábado), 10h.
As casas foram construídas em regime de mutirão pela própria comunidade, com recursos da CRS-Brasil e da campanha nacional SOS Norte/Nordeste 2009, fundo administrado pela Cáritas Brasileira e CNBB.

Redação: Zema Ribeiro, assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão

Trabalhadores se manifestam por manutenção do fornecimento de energia elétrica

11 fevereiro 2010

Trabalhadores do Distrito de Irrigação Tabuleiros de São Bernardo, localizado em Magalhães de Almeida/MA, procuraram, por telefone, na manhã desta quinta-feira (11), a Cáritas Brasileira Regional Maranhão. Informavam estar realizando uma manifestação pacífica, em frente à subestação de energia elétrica localizada naquele distrito, contra a ameaça do corte do fornecimento empreendida pela Companhia Energética do Maranhão (CEMAR).

“Procuramos a CEMAR para negociar o débito, mas eles disseram que iriam cortar e depois renegociariam”, apontou José Vando da Silva Santos, presidente da Associação dos Irrigantes daquele distrito. “A parte que nos cabe é de em torno de nove mil reais mensais [estão vencidas as contas de novembro e dezembro de 2009 e janeiro de 2010]; a outra parte é de responsabilidade do DNOCS [Departamento Nacional de Obras Contra as Secas, órgão do Governo Federal], embora conste, junto à CEMAR, o CNPJ da associação”, continua.

Produção – Atualmente estão cadastrados no Perímetro Irrigado de Tabuleiros de São Bernardo 78 agricultores. A safra deste ano foi de 45 toneladas de melancia por hectare. No último dia 22 de janeiro aconteceu o Festival da Melancia, expondo e comercializando essa produção. Os agricultores pretendem expandir a produção, com outras culturas, além da criação de peixes.

O corte no fornecimento de energia elétrica ao perímetro irrigado comprometerá a produção das famílias. Procurada, a assessoria de comunicação da CEMAR, alegando “insuficiência de dados”, não se pronunciou.

Redação: Zema Ribeiro, assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão

Finanças solidárias em debate

4 fevereiro 2010

Cerca de 30 agentes da Cáritas Brasileira de diversas regiões do Maranhão debateram o tema em São Luís.

Cerca de 30 agentes populares diocesanos da Cáritas Brasileira no Maranhão participaram da Oficina de Finanças Solidárias realizada pela organização em São Luís. O encontro aconteceu na Casa de Retiros Oásis (Rua Frei Hermenegildo, 380, Aurora/Anil), nas últimas terça (2) e quarta-feiras. 35 oficinas foram realizadas no país.

Agentes da Cáritas no Maranhão debatem finanças solidárias em oficina. Foto: Zema Ribeiro

“A discussão do tema foi pautada em todos os regionais da Cáritas Brasileira. Há uma necessidade de discussão das dioceses junto com os Fóruns Brasileiro e Estadual de Economia Solidária, para que os grupos produtivos possam melhor se articular e acessar os recursos, tanto dos fundos nacional e diocesano de solidariedade, quanto recursos públicos, via bancos e editais”, afirmou Jaime Conrado de Oliveira, Assessor de Desenvolvimento Solidário Sustentável Territorial da Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Assessor do Secretariado Nacional da Cáritas Brasileira, o economista Ademar Bertucci lembrou o papel pioneiro do organismo no debate sobre as finanças solidárias. “Ainda na década de 1980 a Cáritas e a CNBB lançaram os Projetos Alternativos Comunitários (PACs). Os fundos solidários devem ser entendidos também como uma ação pedagógica: não é simplesmente crédito pelo crédito. É o apoio orientado a grupos produtivos”, afirmou.

Para a representante do Fórum Estadual de Economia Solidária do Maranhão, Mariana Nascimento, “a economia solidária tem sido historicamente excluída do acesso ao crédito e a principal luta dos fóruns é pela modificação desse cenário”. Ela informou ainda da existência de fundos rotativos com editais abertos e acesso bastante simplificado no Maranhão. O volume de recursos, por projeto, varia entre R$ 500,00 (quinhentos reais) e R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

Campanha da Fraternidade – Com o tema “Economia e Vida” para o ano de 2010, a Campanha da Fraternidade Ecumênica também foi lembrada na programação da Oficina de Finanças Solidárias. Para falar do assunto, o convidado foi o Pe. Jean Marie Van Damme, da Associação de Saúde da Periferia do Maranhão (ASP/MA) e CNBB Regional NE V.

“A reflexão da Campanha da Fraternidade sobre este tema vem em momento bastante oportuno, já que a mídia faz de tudo para tornar o tema invisível. É mais que necessária a discussão de outra economia para outro desenvolvimento, levando em conta paradigmas de sustentabilidade, solidariedade e territorialidade”, afirmou o padre.

Além de agentes da Cáritas, participaram da Oficina de Finanças Solidárias representantes do Fórum Brasileiro de Economia Solidária e do Banco do Nordeste. O FBES pautou a discussão atual da necessidade de um marco legal para a economia solidária no país; o BNB apresentou a experiência do CrediAmigo, programa de microcrédito que completará 12 anos em 2010.

Agentes populares debatem Finanças Solidárias

28 janeiro 2010

Cáritas Brasileira Regional Maranhão realiza Oficina Estadual de Finanças Solidárias, tendo como público agentes de diversos municípios do interior do Estado.

Contrapondo-se ao sistema financeiro tradicional, as finanças solidárias desenvolvem produtos financeiros adequados às necessidades básicas da população, fortalecendo iniciativas de geração de trabalho e renda de caráter popular.

Entre seus principais instrumentos estão os bancos comunitários, fundos rotativos, clubes de trocas e moedas sociais, que priorizam os excluídos do modelo vigente.

O tema será alvo de discussão por agentes Cáritas, que estarão reunidos na Casa de Retiros Oásis (Rua Frei Hermenegildo, Aurora/Anil), dias 2 e 3 de fevereiro.

“A Oficina Estadual de Finanças Solidárias pretende avançar para a construção e consolidação de um sistema de finanças solidárias que garanta a inclusão das pessoas que estão fora dos organismos oficiais”, declarou Jaime Conrado, Assessor da Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Na condição de palestrantes e debatedores, a oficina contará com as presenças do economista Ademar Bertucci, do Secretariado Nacional da Cáritas Brasileira, além de representantes da União Nacional das Cooperativas de Agricultura Familiar e Economia Solidária (Unicafes), do Banco Palmas, do Fórum Brasileiro de Economia Solidária e do Banco do Nordeste.

A oficina tem como público agentes Cáritas e representantes das comissões diocesanas de fundos solidários. Cerca de 30 agentes de diversos municípios do interior do Maranhão se farão presentes.

Redação: Zema Ribeiro, assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão.

Sarau solidário marca lançamento de campanha

11 maio 2009

Parceria da Cáritas Brasileira Regional Maranhão e Clube do Choro do Maranhão marcou lançamento de campanha estadual de solidariedade em favor das vítimas das enchentes no Estado.

POR ZEMA RIBEIRO*

Os 250 lugares do Restaurante Chico Canhoto (Residencial São Domingos, Cohama) foram poucos para comportar tanto público, sábado passado (9), quando três bons motivos levaram o povo ao tradicional sarau do Clube do Choro do Maranhão, mais conhecido como Clube do Choro Recebe: a homenagem a Mestre Antonio Vieira, que completaria 89 anos na data, o lançamento da campanha de solidariedade em prol das vítimas das enchentes no Maranhão, parceria do Clube do Choro com a Cáritas Brasileira Regional Maranhão, e a trégua de São Pedro, que havia adiado o lançamento da campanha, que deveria ter acontecido no sábado anterior.

Fazia um tempão que São Luís não via um dia – e noite – inteiro de sol, a capital maranhense se tornado uma espécie de Londres, onde, reza a lenda, é feriado quando não chove. Ou, mais modestamente, a capital paraense, onde as pessoas marcam encontro “depois da chuva que cai/ todo dia em Belém”.

Talvez, o sol de praia que marcou o sábado, já fosse resultado de papo que Seu Vieira, velho moleque, mandou pra cima de São Pedro. O guardião das chaves do céu segurou as torneiras e emendou: “não tem mosquito!”.

Desde as dez da manhã um grupo de amigos também celebrava Seu Vieira, na Praça da Faustina (Praia Grande), que deve olhar o movimento, agora, sentada nos portões celestiais, num tamborete ao lado do santo das chuvas. A arrumação durou o dia todo, propositalmente pensada para não concorrer com o Clube do Choro Recebe, onde muitos pagaram para ficar em pé e outros tantos retornaram, pois já não havia mesas e cadeiras.

Mesmo desfalcado, o Urubu Malandro honrou o epíteto de "o grupo de Seu Vieira". Foto: Ivo Segura

Mesmo desfalcado, o Urubu Malandro honrou o epíteto de "o grupo de Seu Vieira". Foto: Ivo Segura

No palco, o Urubu Malandro, pela primeira vez em público sem Vieira, desfilando seu repertório de choros alegres, vibrantes, pra cima, como bem queremos lembrar do homenageado. Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta) e Juca do Cavaco – o grupo estava desfalcado de Caio Carvalho (percussão) e Osmar do Trombone – eram os anfitriões de Lena Machado, Célia Maria, Carlinhos Veloz, Marcelo Bianchinni, Léo Spirro e Zé Carlos (os dois à capela), Léo Capiba, Alexandra Nicolas, Chico Saldanha, Luiz Mochel, além de Victor Castro, português radicado no Maranhão em performance instrumental na guitarra portuguesa, e Miranda Neto, o novo trompetista do Bom Tom de Celson, com quem duetou em tema jazzístico de Vieira: mais conhecido como compositor de sambas, eis mais uma para a sua coleção de causos. Escreveu um jazz e batizou-o Também faço.

Encontro histórico: Chico Saldanha, Lena Machado, Luiz Mochel e Célia Maria reverenciam Vieira em gesto solidário. Foto: Ivo Segura

Encontro histórico: Chico Saldanha, Lena Machado, Luiz Mochel e Célia Maria reverenciam Vieira em gesto solidário. Foto: Ivo Segura

Mais de 150 quilos de alimentos e mais de 80 peças de roupa foram arrecadados. Muita gente preferiu pagar os R$ 6,00 de entrada. Outros, após a cheia do bar, pagaram R$ 5,00 para ver o desfile de craques de nossa música, reverenciando o técnico Vieira, que Cartola no samba e choro, ao contrário de no futebol, tem outro significado, com o perdão do jargão lulês – quiçá óbvio ululante. Saldo: R$ 605,00 arrecadados.

“Esse valor será depositado na conta Cáritas Brasileira Solidariedade, aberta especificamente para esse fim, o que garantirá agilidade no repasse dos recursos aos atingidos pelas enchentes e transparência na prestação de contas com a sociedade. A propósito, quem quiser e puder doar, os dados são: Banco do Brasil (001), Agência 2972-6, Conta corrente 32.655-0”, informou Ricarte Almeida Santos (leia mais sobre as enchentes no blogue dele, clicando no link em seu nome), secretário executivo da Cáritas Brasileira Regional Maranhão e produtor e apresentador do Clube do Choro Recebe.

*ZEMA RIBEIRO é assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão e assessor de imprensa do Clube do Choro do Maranhão. Escreve no blogue http://zemaribeiro.blogspot.com